Semana On

Quinta-Feira 27.jan.2022

Ano X - Nº 475

Coluna Conexão Brasília

Não se enganem! Bolsonaro estragará este ano também

Com declarações estapafúrdias e tresloucadas, o presidente promete reinstaurar aquele clima péssimo dos últimos anos

Postado em 06 de Janeiro de 2022 - Rafael Paredes

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Sem nenhum fato novo, nenhuma comoção com seu estado de saúde, sem projeto e sem ideias para reverter a derrota eleitoral iminente e acachapante, o presidente demonstra querer continuar azedando a vida dos brasileiros. Na primeira semana de 2022, Jair Bolsonaro já explicitou as diretrizes que fará deste ano longo, massacrante, pesado e quase insuportável.

Na quarta-feira (05), ao se defender do coro que o xingava em um show da baiana Ivete Sangalo, Bolsonaro acusou a cantora de ser crítica ao seu governo por não receber mais verbas da Lei Ruanet. Ivete nunca recebeu recursos dessa legislação. A lei incentiva produções artísticas por meio de isenção fiscal e Bolsonaro ataca pessoas com mentiras como método e a cultura como alvo.

Na quinta-feira (06), no show de horrores que o presidente apresenta em suas lives semanais, Bolsonaro lançou dúvidas sobre a conduta de uma das agências reguladoras mais respeitadas do Mundo. Sobre os técnicos da ANVISA, Bolsonaro questionou quais são os interesses que estão por trás da “tara” que alguns tem em relação às vacinas contra o coronavírus. O mandatário se referia a liberação para a vacinação de crianças com cinco anos ou mais. Neste caso o alvo é a ciência.

O presidente está colocando em risco a vida de crianças, depois da gestão desastrosa em toda a pandemia. A vacina para crianças está liberada há quase um mês. Além disso, Bolsonaro desrespeita mais de 300 pais que perderam seus filhos para a doença e agora perdem para o negacionismo.

E, para fechar o caixão de nossas ilusões de um ano novo feliz, o presidente volta a questionar as urnas eletrônicas. Ainda na quinta-feira, afirmou que o Ministério da Defesa fez questionamentos sobre a segurança das urnas eletrônicas e, caso não seja convencido, “algo tem que ser mudado no TSE”. No aniversário da tentativa de invasão do Congresso americano, Bolsonaro prometeu imitar o ex-presidente Trump por saber que terá o mesmo fim: a derrota.

Em resumo: teremos uma porcaria de ano, com mais negacionismo, mais perseguição à imprensa, mais ataques contra a cultura, mais ataque às instituições da República, mais delírios antidemocráticos. Tudo isso para esconder um Brasil real de inflação de 10% ao ano, 20 milhões de pessoas passando fome, mais de 13 milhões de desempregados, mais de 100 milhões de brasileiros que não comem três vezes ao dia, gasolina a R$ 7,00 e gás a R$ 100,00. Sejamos fortes. Será só mais um ano.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Rafael Paredes

Rafael Paredes

Rafael Paredes é jornalista e atua em Brasília há 12 anos.


Saiba mais sobre Rafael Paredes...