Semana On

Sexta-Feira 22.out.2021

Ano X - Nº 463

Coluna Conexão Brasília

Choque de realidade no terraplanismo bolsonarista

Os números, a cegueira e a terceira via

Postado em 02 de Setembro de 2021 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Foram divulgados no último dia 1º os números da pesquisa Genial/Quaest com 2.000 pessoas sobre a avaliação do Governo Federal, cenários eleitorais e temas da atualidade. O levantamento demonstra que a preocupação do brasileiro com a pandemia diminuiu e a preocupação com a economia aumentou. Para 28% da população o principal problema do país ainda é a saúde, mas para mais de 21% é a economia que vem assombrando. Um outro dado importante é sobre o pessimismo. Cerca de 32% acredita que a economia vai piorar.

O brasileiro é realista, sente na pele as consequências da economia e reclama. No Brasil profundo, poucos estão preocupados com voto impresso, STF e outras polêmicas artificiais criadas pelo presidente Jair Bolsonaro. O brasileiro ou está desempregado (14 milhões), ou passando fome (19 milhões), ou na informalidade (30 milhões), ou está tudo isso junto. Ao contrário das alucinações do presidente, o pessimismo do brasileiro encontra lastro na realidade. A economia brasileira caiu - 0,1% no último trimestre. Resultado completamente diferente do que aconteceu com Portugal + 4,9%, Reino Unido + 4,8%, Letônia + 3,7%, México + 1,5%, Chile + 1%, dentre outros, muitos outros.

O eleitor identifica a economia pela pele e acerta. O ministro da Economia Paulo Guedes analisa a economia por meio de vozes noturnas na sua cabeça e erra. Uma das últimas do ministro era que a “economia brasileira estava bombando”. Com o eleitor deixando de olhar para o desastre da gestão da pandemia e voltando suas atenções para economia, enxerga desastre também.

Quando questionado sobre eleição, o brasileiro responde: Lula (de 44% a 47%). O ex-presidente também tem rejeição (40%), menor que grande parte de seus possíveis concorrentes como a do ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (41%), do apresentador José Luiz Datena (46%), do ex-governador do Ceará Ciro Gomes (53%), do governador de São Paulo João Dória (57%) e claro do presidente da República Jair Bolsonaro (62%).

Sabe quando você conversa com alguém, mostra as falhas do político que ela defende e essa pessoa se mostra quase cega? No campo do Bolsonaro, esses significam uns 20% segundo a pesquisa, ou seja, aqueles que afirmam que vão votar no presidente com certeza. A questão é que os cegos para o lado do Lula são de 44%, podendo chegar a 62%. Ao contrario daqueles que defendem a construção de um nome de terceira via, até agora não há espaço, não há nome, não há discurso para esta possibilidade. Até agora.

Mas o até agora já é tarde demais. O fenômeno Jair Bolsonaro, tido como o primeiro vencedor no Mundo de um eleição inteiramente ocorrida na era das redes sociais, iniciou sua campanha no mundo físico em 2015 rodando o Brasil. Bolsonaro construiu uma trajetória vitoriosa para a Presidência da República em três anos. A futura suposta terceira via tem menos de um terço desse tempo. Conseguirá obter êxito? A soma entre os cegos de um lado com os cegos do outro dá 64%. Mais de 7% afirma que não votará em ninguém. Ou seja, os que ainda estão de olhos abertos para a terceira via são cerca de 29%. As terceiras vias tem pouquíssimo tempo, se acotovelam em um terço do eleitorado, será inédito no Brasil e tudo isso apenas para ter chance de chegar ao segundo turno, pois parece que uma vaga já está ocupada.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Rafael Paredes

Rafael Paredes

Rafael Paredes é jornalista e atua em Brasília há 12 anos.


Saiba mais sobre Rafael Paredes...