Semana On

Segunda-Feira 14.jun.2021

Ano IX - Nº 447

Coluna Ponte Aérea

Em cana no Egito

Raphael Tsavkko Garcia fala de misogenia, imprensa e vídeos deletados

Postado em 02 de Junho de 2021 - Raphael Tsavkko Garcia

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Eu talvez esteja entrando atrasado nesse lamaçal (e, por ser um lamaçal era melhor ficar calado), mas....

Eu ri quando o "medico" Bolsominion foi preso no Egito? Ri. E muito.

Mas algumas reações francamente indigentes à prisão me deixaram de cabelo em pé. Então se uma ditadura diz que algo é crime, então é e pronto? O Egito, país que costuma tratar mulheres e LGBTs como um lixo diz que algo é crime (no caso, assédio), então vamos celebrar, está provado!?

Vamos conversar sobre como gays são tratados no Egito? Ou mesmo mulheres no dia a dia? O tratamento comumente dispensado a esses grupos também prova que, não sei, homossexualidade é doença? Prova que mulheres são inferiores aos homens? Sejamos coerentes, oras.

A única coisa que essa história prova é que existe uma galera disposta a aplaudir até ditadura quando se encaixa nas suas pautas. Não há reflexão, há apenas o comportamento de uma turba sedenta por sangue que come o que lhe for jogado como isca.

Como me disse uma amiga, "esse tipo de prisão acontece justamente por conta do machismo. A coisa não é feita pra proteger a mulher, mas pra proteger o direito de posse dos maridos sobre suas esposas. A ideia por trás é que só quem pode achincalhar a mulher é seu marido!"

Aí a gente vê como essa galera identitária é só derrota. São incapazes de uma análise complexa que vá além do mais puro punitivismo que encaixe em sua visão moralista e justiceira do mundo. É um pessoal que não só ri do Bolsominion, quer lacrar - e errado - e acabam sendo, também, motivo de riso... e pena.

Ainda bem que não é essa gente que decide o que é piada aceitável ou não - porque não parecem entender a diferença entre piada e o que realmente é assédio - porque seria a morte definitiva do humor.

A história, caso alguém não esteja a par.

APAGA

Meu mais recente texto para a Vice/Motherboard sobre os bolsonaristas deletando vídeos do YouTube sobre curas falsas para COVID. Dentre eles Alexandre Garcia Oficial, Leda Nagle e tantos outros desqualificados. Com comentários do Guilherme Felitti e da Yasodara Córdova.

IMPRENSA

Um erro grotesco da imprensa. Não faz sentido e vai contra qualquer manual básico de redação. Protestos são importantes. Foram imensos. Não tem como não merecerem destaque e capa. Ombudsmen vão ter que trabalhar dobrado essa semana.

Como escreveu a Madeleine Lacsko no Twitter:

"São muito ruins para nós, jornalistas, as decisões equivocadas de ignorar, minimizar ou mentir sobre as manifestações de ontem e da semana anterior.

Se já deu errado nas Diretas Já que nem tinha internet, agora arruína a credibilidade da imprensa porque o cidadão só fala nisso.

A busca utópica da neutralidade ou isenção acaba dando a impressão de engano. O público sabe a tendência ideológica de cada publicação do país e espera que ela esteja presente no produto editorial. Pouco importa o juízo de valor sobre o protesto, importam os fatos.

Um veículo pode celebrar os protestos de ontem e condenar os da semana passada. Pode condenar os de ontem e celebrar os da semana passada. Pode celebrar ou condenar os dois.

Não pode fingir que não aconteceram ou mentir sobre a natureza deles."

O grande problema roblema é que a "isenção" da imprensa promove doisladismos. Coloca posições inaceitáveis no jogo como se fossem normais e, agora,esconde o absolutamente necessário e newsworthy.

Some-se a isso, como tambem lembrou a Madeleine, que "existe uma misperception de opinião pública na elite jornalística, jurídica e política. A tendência de achar que há mais apoio para as causas que apóiam e rejeição àquilo que rejeitam é gritante"

Cada lado acha que a imprensa está do lado do inimigo e esse tipo de comportamento só reforça essa percepção. Imprensa pode ter e tem opinião, vai além do editorial, está na escolha de lides e do que é mais importante, do que estará na capa, nas principais seções do jornal, mas ESCONDER algo como os protestos de ontem que sob qualquer ótima é material de capa? Inaceitável.

Meus parabéns à Folha por ter feito sua obrigação. O Globo, Estadão e tantos outros, só resta a vergonha.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Raphael Tsavkko Garcia

Raphael Tsavkko Garcia

Raphael Tsavkko Garcia é jornalista e Doutor em Direitos Humanos.


Saiba mais sobre Raphael Tsavkko Garcia...