Semana On

Sexta-Feira 03.dez.2021

Ano X - Nº 469

Coluna Ponte Aérea

O petismo está apavorado com o PSOL

Raphael Tsavkko fala disso, de lacradores identitaristas e de ‘inimigos liberais’

Postado em 07 de Outubro de 2020 - Raphael Tsavkko

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O petismo está apavorado com o PSOL em São Paulo.

Mais engraçado é que a derrocada do PT por lá vem pelas mãos do Boulos, o mais petista dos psolistas.

Qualquer semelhança com os Bolsominions reclamando de pesquisas, de que são prejudicados e etc NÃO é mera coincidência.

Não se surpreendam se as centrais de fake news do PT (Brasil 171, DCM, etc) começarem uma campanha pesada e suja contra o Boulos e PSOL ao "melhor" estilo do que fizeram contra Marina 2010/14. Como eu já disse (e repito), o PT precisa ser destruído pra esquerda ter chances.

Hoje o PT só existe para destruir a esquerda, que seja destruído primeiro.

NÃO FALTOU AVISO

O PT era extremamente corrupto, ao ponto de terem mudado o discurso de combate à corrupção (lembram da famosa propaganda dos ratos denunciando a corrupção do PSDB?) para um de aberta defesa da prática com tentativas de justificativa ideológica (condenar corrupção virou moralismo, fascismo, pior, "liberalismo"!) MAS é fato que não enfraqueceram mecanismos de combate - ficavam só nas ameaças deixando a militância gritar.

Aliás, uma das grandes marcas do PT no poder sempre foi a boca maior que a cara. Um partido que sempre falou que ia fazer e acontecer, mas em geral não passavam de cães ladrando. Controle da mídia, reforma agrária, combate à corrupção, etc...

O PT sempre bateu nos mais fracos - Belo Monte, Código Florestal, "VAI PM" em 2013, etc. Nunca peitou os interesses da elite econômica, pelo contrário, achou que era parte dela, que era membor do clube, mas no fim foi chutado.

"Ah, mas tirou 5 trilhões da pobreza." Pra depois jogá-los lá de volta com Dilma destruindo a economia e com base em políticas que não se sustentariam no longo prazo e sem mudanças estruturais. Mas aí é outra história.

Agora, sobre a turma de procuradores, apoiar Bolsonaro em qualquer circunstância é atestado de demente. Contra quem quer que seja. Não foi por falta de aviso, não foi por falta de evidências e farto material mostrando quem ele realmente era - um político fisiológico, medíocre e fascista (https://is.gd/dqLeEa).

MODINHA

Essa nova moda de parte da esquerda de chamar todos os "inimigos" de "liberais" é simplesmente boçal. Não tem outro nome.

Primeiro porque "liberal" virou qualquer um que não concorde com alguma linha ou vírgula do que alguns acham que é regra pétrea da esquerda - ou alguém que "se relaciona" com o "inimigo" -, e segundo porque a gente tem inimigos BEM piores que os liberais (e aqui eu não falo dos bolsonaristas, esses são outra coisa). Muitos liberais, na real, são aliados (mesmo que pontuais) na disputa contra o horror que nos governa.

Mas a esquerda que abraça stalinistas é a mesma que apedreja qualquer um que considere liberal - mesmo que defenda padrões mínimos de democracia. Aliás, "democracia" parece ter virado um conceito negativo pra certos setores da esquerda afinal, é um conceito, dizem, "liberal".

Enfim, eu não sou liberal, não concordo com muita coisa do liberalismo, mas ao menos sei que são adversários (e não inimigos) com os quais existe um "piso ético". Existe possibilidade de diálogo. Existe espaço para construção.

(Com) Todos? Claro que não.

Porque assim como na esquerda, onde tem gente que prega abertamente a morte de quem não assina a cartilha, na direita também existem vertentes que só podem ser descritas como horrorosas. Tem liberal bolsonarista, sem dúvida, mas tem os que são quase social-democratas. Enfim, prioridades e noção. Artigos em falta.

E que fique claro, liberais são, em muitos momentos, meus adversários. Mas inimigos são os bolsonaristas - e, claro, liberais como Constantino e Guedes que são da base do Bolsonaro e a turma do MBL que elegeu Bolsonaro e agora tenta disfarçar.

Mas não são "os liberais" e sim alguns liberais. A esquerda se radicaliza da forma mais burra possível (ainda com identitarismo) e depois não entende porque o Bolsonarismo cresce.

LACRADOR IDENTITÁRIO

Uma certa intelectual - muito mais conhecida por livros sobre lacração e por ser garota propaganda de marca famosa de roupa para a elite do que por sua produção acadêmica - resolveu aderir à moda dos ataques morais à indústria pornográfica com "argumentos" muito próximos aos das RadFem (comumente aliadas aos piores conservadores para prejudicar mulheres vulneráveis como prostitutas).

É sempre um show de horrores em que a autonomia das mulheres é negada peremptoriamente e grassa o moralismo torpe. Essas pessoas deveria se contentar em falar besteira do que acham que sabem e não do que claramente caíram de paraquedas.

Eu simplesmente amo o argumento "quem joga videogame vira assassino" transplantado para o pornô junto ao argumento que vem surgindo forte nos ambientes lacradores de que ser maior de idade não é relevante para fazer escolhas, você é retardado e incapaz até os 60.

Lacrador identitário gosta de repressão, não de educação.

Tem que proibir. Censurar. As pessoas de bem tem que impedir que os jovens (até os 60 anos de idade aparentemente) sejam manipulados por esses adoradores de Satã... Não, espera, esse é o discurso Carola. Bem, é o mesmo.

Em seU espaço na Folha de São Paulo, a autora solta um hilário "Há uma indústria bilionária, cuja atividade produz consequências na vida de mulheres e homens inclusive, mas que consegue a façanha de ser invisível."

Invisível? Não faltam documentários (até mesmo na Netflix, que a autora claramente assina) que "expõem" a indústria da pornografia, seja pelo seu lado positivo, seja pelo lado negativo. Mas claro, é mais fácil apostar na ignorância (própria e dos leitores) para tentar chocar com "informações" absolutamente banais e descontextualizadas - e, claro, sempre ignorando o imenso mercado do pornô feminista que cresce cada vez mais ou mesmo o do pornô "amador" em sites como Onlyfans, dentre outros.

Há muito que se criticar na indústria pornográfica, o problema é que discursos fáceis moralistas e lacradores simplesmente não atigem o alvo, não conseguem passar do nível "idosas revoltadas com videogames violentos". É patético. Imagine quando essas senhorinhas católicas descobrirem o BDSM. Será um verdadeiro escândalo.

E nem pretendo perder meu tempo com o tal "discurso de ódio", porque a base da existência desse universo lacrador é reclamar que tudo é ódio ao ponto de, como fizerma com "fascismo", esvaziar o termo de qualquer significado.

Não existe nada mais conservador que lacrador querendo defender a moral e os bons costumes de [insira aqui sua minoria] apelando para a ignorância alheia, abusando de hipérboles e exemplos pinçados para chocar com aquele ar de "vejam que preocupante o que eu li/vi pela primeira vez, mas já vou reclamar muito como se fosse expert".

E quando descobriram um assunto ontem então... Sim amiga, indústria pornô é invisível. No seu mundinho de lacração talvez. Volte pra lá.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Raphael Tsavkko Garcia

Raphael Tsavkko Garcia

Raphael Tsavkko Garcia é jornalista e Doutor em Direitos Humanos.


Saiba mais sobre Raphael Tsavkko Garcia...