Semana On

Sábado 25.set.2021

Ano X - Nº 461

Coluna Agromundo

Arábia Saudita aprova importação de mel brasileiro, diz ministério da Agricultura

A estimativa do ministério é que o Brasil exporte US$ 4,43 milhões ao país

Postado em 21 de Novembro de 2018 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento informou nesta segunda-feira (19) ter recebido das autoridades da Arábia Saudita um comunicado aprovando a aprova importação pelo país de mel produzido no Brasil.

A estimativa do ministério é que o Brasil exporte US$ 4,43 milhões ao país. Segundo o órgão, em 2017, o Brasil alcançou participação de 6,7% nesse segmento do mercado global, com exportações de US$ 128,10 milhões. A Arábia Saudita importou US$ 66,44 milhões desses produtos em 2017.

Em nota, o secretário de Relações Internacionais do Agronegócio do ministério, Odilson Ribeiro e Silva, disse que a próxima etapa é o envio pelo Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) da lista de estabelecimentos brasileiros que desejam exportar produtos apícolas à Arábia Saudita, de acordo com as exigências do certificado acordado.

Mato Grosso do Sul

Mato Grosso do Sul alcançou a 11ª posição no ranking nacional de produção de mel, além de ser referência brasileira em produtividade por colmeia: 50 quilos por caixa, enquanto a média nacional chega a 17 quilos. Reunindo três ecossistemas diferentes (Pantanal, Cerrado e uma porção da Mata Atlântica) tem características favoráveis neste investimento, como espaço, clima e diversos tipos de florada. 

De acordo com o presidente da Federação de Apicultores de MS (Feams), Cláudio Ramires Koch, não se pode contestar a qualidade da produção, no entanto, alguns entraves ainda precisam ser solucionados.

“O produtor necessita entender mais sobre a gestão de seu apiário, e uma forma de conseguir isso é buscando no associativismo o fortalecimento da cadeia. Boas práticas e escala de produção são fundamentais, mas, dependendo do tamanho da propriedade não dá para fazer tudo. A melhor saída então é a cooperativa, por absorver a produção e reunir volume suficiente para realizar bons negócios”, observa. 

Koch é presidente da Cooperativa Regional de Apicultura e Meliponicultura de Mato Grosso do Sul (Cooperams), sediada no distrito de Arapuá, em Três Lagoas, que completou dois anos de atividade em 2017 e conta com estrutura com capacidade para produzir cinco toneladas/diárias do produto.

“Fomos contemplados com um projeto do BNDES chamado Redes que possibilitou a construção da cooperativa. Nosso trabalho tem objetivo de fortalecer o setor aqui na região e expandir nossa experiência para outras áreas do Estado”.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Equipe Semana On

Equipe Semana On

Coluna editada pela equipe da Semana On.


Saiba mais sobre Equipe Semana On...