Semana On

Sábado 25.set.2021

Ano X - Nº 461

Coluna Agromundo

Despesa com renegociação a produtores rurais pode chegar a R$ 17 bilhões

Além das dívidas com o Funrural, está prevista na lei a possibilidade de renegociar dívidas também com bancos públicos

Postado em 17 de Maio de 2018 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O governo poderá ter uma perda de até R$ 17 bilhões com a renegociação de dívidas de produtores rurais, de acordo com o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto de Almeida. Os recursos devem ser bancados pelo Tesouro e servirão para pagar aos bancos os descontos dados em multas e juros aos produtores.

No último dia 15, o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, já havia dito que a renegociação está parada por falta de orçamento, mas não havia confirmado o valor.

Na quarta-feira (16), Almeida disse a jornalistas que, caso todas as dívidas sejam renegociadas com os descontos máximos de multa e juros, “a conta poderia eventualmente chegar a R$ 17 bilhões”. Ele acrescentou: “Possivelmente, não se vai renegociar 100% da dívida em 4, 5 ou 6 meses, em todo o ano, então, não se tem o número fechado”.

A renegociação está prevista na Lei 13.606, que institui o chamado Programa de Regularização Tributária Rural para renegociar dívidas com o Fundo de Assistência do Trabalhador Rural (Funrural). O fundo prevê o parcelamento das dívidas e condições especiais de pagamento. Além das dívidas com o Funrural, está prevista na lei a possibilidade de renegociar dívidas também com bancos públicos.

O presidente Michel Temer chegou a vetar parcialmente o projeto de lei, sob o argumento de que alguns trechos do projeto estavam em desacordo com o ajuste fiscal proposto pelo governo, mas os vetos foram derrubados pelo Congresso.

Com a derrubada dos vetos, os agricultores familiares passaram a poder repactuar suas dívidas com o Banco do Brasil, Banco do Nordeste e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Eles também terão mais prazos para liquidar débitos, por exemplo, com as superintendências de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) e da Amazônia (Sudam). Os subsídios serão bancados pelo Tesouro Nacional.

Falta orçamento

“O maior problema hoje é que, com a queda dos vetos, não tem previsão orçamentária. Não tem fonte orçamentária. Se é despesa que não tem fonte orçamentária, ela não pode ser paga. Se os bancos renegociarem sem ter fonte orçamentária, o Tesouro fica devedor dos bancos, será como se bancos tivessem financiando o governo e isso não pode porque o TCU [Tribunal de Contas da União] não deixa”, diz Almeida.

Ele acrescenta que cabe ao Congresso Nacional aprovar a destinação de recursos, uma vez que a renegociação é lei e despesa obrigatória. Como o orçamento já está no limite do teto dos gastos – que limita por 20 anos o crescimento das despesas dos três Poderes –, será necessário remanejar recursos de outras áreas. “Nem toda despesa discricionária é despesa que beneficia diretamente a população, como gasolina para carro oficial”, diz.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Equipe Semana On

Equipe Semana On

Coluna editada pela equipe da Semana On.


Saiba mais sobre Equipe Semana On...