Semana On

Quarta-Feira 29.set.2021

Ano X - Nº 461

Coluna Ágora Digital

Guri cagado ou estrategista?

O jornalista Victor Barone resume semana política

Postado em 08 de Setembro de 2021 - Victor Barone

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Como bom guri cagado que é, Bolsonaro voltou atrás das sandices ditas no dia 7. Não foi bom senso, foi cagaço mesmo. Sem apoio militar para o golpe que sempre sonhou e defendeu apelou para Temer por "conselhos". Puta velha, o ex-presidente 'por acaso' avisou: se você não colocar o galho dentro vai sair daqui em cana. Veio a cartinha. Mas, nada mudou. Bolsonaro só trafega no conflito. Vai acabar morrendo no cargo e virando mito eterno de alguns, ou cairá (nas urnas ou não), sozinho, broxa, ridículo.

O POVO?

Bolsonaro reuniu um grande público em SP no 7 de setembro. Mas se engana quem pensa que a massa de gente que se reuniu na Paulista para ouvi-lo representa "o povo", como quer fazer parecer o presidente.

Os ataques ao Estado Democrático de Direito, proferidos por ele, encontraram eco em seu público, cerca de 25% do eleitorado. Mas o fato é que sua rejeição beira os 65%, segundo as últimas pesquisas.

Bolsonaro sabe que dificilmente reverterá este quadro.

O que lhe resta é insuflar este um quarto da população composto por analfabetos políticos e morais, fundamentalistas religiosos, ressentidos culturais/sexuais, gente inocente que imagina estar combatendo a corrupção e quetais. Seu objetivo é usar este "rebanho de manobra" para enfraquecer as instituições e o processo eleitoral, e tentar uma virada de mesa que o mantenha no poder.

Mas, o Brasil é maior que o cercadinho eleitoral que o bolsonarismo imagina ser gigantesco. Ainda assim, para garantir que este pesadelo terminará em 2022, há duas questões que não podem ser deixadas de lado.

A primeira é a necessidade de combater veementemente a naturalização do discurso de Bolsonaro. Não, não é o "jeitinho espontâneo" do presidente. Trata-se de ameaça à democracia.

A segunda questão: é imperativo que as forças democráticas de esquerda, centro e de direita se unam contra o projeto totalitário que nos ameaça a todos.

Não é hora para demarcar espaço nas ruas. O momento é de união.

NA VEIA

O Ministro do TSE, Luís Roberto Barroso, iniciou a sessão d com um discurso onde falou das manifestações de 7 de setembro e do presidente Jair Bolsonaro.

FRAQUEZA DE BOLSONARO

O presidente Jair Bolsonaro exibiu exatamente o que tem mostrado desde o início do mandato: sua irresponsabilidade e seu isolamento político. Tratadas nas últimas semanas como prioridade nacional pelo Palácio do Planalto, as manifestações bolsonaristas do 7 de Setembro foram interpretadas pelo presidente como a prova de que o “povo” o apoia, mas um presidente realmente forte não precisa convocar protestos a seu favor nem intimidar os demais Poderes para demonstrar poder; apenas o exerce. Assim, Bolsonaro reiterou sua fraqueza, já atestada por várias pesquisas que indicam o derretimento de sua popularidade”.

Editorial do Estadão

O DIA SEGUINTE

 O governo Bolsonaro é muito ruim. Não cumpriu o que prometeu e não trabalha para melhorar as condições de vida da população. Como se viu ontem mais uma vez, sua tática atinge inauditos padrões de irracionalidade, com propostas de tom golpista: ameaçar os outros Poderes e contestar por antecipação o resultado das próximas eleições. A manobra pode ter alguma serventia nas redes sociais. Na vida real, os preços dos alimentos sobem, as oportunidades de emprego não aparecem, os investimentos se ressentem, os jovens ficam sem a devida formação.

Editorial do Estadão

JÁ TIVEMOS HERÓIS MELHORES...

Enquanto os poderes se unem, chocados com o desequilíbrio do presidente da República, vale uma reflexão: que tal o tricampeão Nelson Piquet virando as costas para o pai, cassado pelo AI-5, para defender o golpista, o golpe e manifestações que pedem a volta da ditadura militar? E que tal a multidão badalando o operador das rachadinhas, Fabrício Queiroz, como herói? Já tivemos heróis melhores...

Eliane Cantanhêde

FALA DE LULA

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que o papel de um presidente da república é governar com sentimento de “confiança no presente e no futuro”. Em pronunciamento transmitido por suas redes sociais, exibido também na abertura do Seu Jornal, da TVT, Lula mencionou o clima de tensão causado pelo presidente Jair Bolsonaro às vésperas do 7 de setembro, feriado da Independência. “Um presidente tem de saber somar forças e governar com este sentimento permanente, porque é dele que vem o exemplo para o país”, afirmou. Desse modo, Lula se refere ao momento em que, ante o fracasso e o aumento da reprovação do governo, Bolsonaro provoca apoiadores e financiadores a marcar o 7 de setembro com manifestações de ódio e de ruptura democrática.


Voltar


Comente sobre essa publicação...

Colunista

Victor Barone

Victor Barone

Jornalista, professor, mestre em Comunicação pela UFMS.


Saiba mais sobre Victor Barone...