Contudo, foi na segunda fase, quando se deu a entrada do capital estrangeiro na mineração de Corumbá, com a empresa belga Compagnie d’Urucum, que é atraída pela demanda crescente, em razão da Primeira Guerra Mundial, oportunidade na qual foram realizados os primeiros trabalhos e embarques. Em 1884, a concessão foi transferida pelo governo do Estado de Mato Grosso a Francisco Couto da Silva, que obteve permissão para explorar o minério de ferro em Corumbá por vinte anos. A empresa Ayrosa e Cia. realizou pesquisas no Morro do Urucum, mas, como a exploração também não se efetivou, a concessão fora transferida novamente em 1906, para a Companhia belga Compagnie d` Urucum, com sede em Ougree. Visando explorar somente minério de manganês, a empresa abriu pequenas galerias subterrâneas ao longo de toda a borda oeste da jazida, e posteriormente, iniciou uma lavra experimental construindo uma espécie de teleférico até o pé do Morro, para a descida do manganês bruto, que era transportado por uma pequena estrada de ferro com locomotiva a vapor até um porto fluvial na cidade de Ladário. (LAMOSO, L. P. A exploração de minério de ferro no Brasil e no Mato Grosso do Sul. 2001. 309 f. Tese (Doutorado Geografia Humana). FFLCH/USP, São Paulo