Semana On

Terça-Feira 18.dez.2018

Ano VII - Nº 332

Governo

Viver bem

Aromaterapia no cuidado integrativo à saúde da mulher

A terapia passou a integrar a lista da Política Nacional de Práticas Integrativas ofertada pelo SUS

Postado em 20 de Novembro de 2018   - Stephany Nicolli

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Você já conhece a Aromaterapia? Trata-se de uma terapia integrativa e natural que se baseia na utilização de óleos essenciais, substâncias aromáticas naturais, visando a saúde do corpo físico, emocional e mental. Foi recentemente incluída na lista de Práticas Integrativas e Complementares da Política Nacional de Práticas Integrativas e  Complementares do SUS (PNPIC), o que incentiva sua oferta no Sistema Único de Saúde.

Alma das plantas

Por se tratar de uma terapia que atua promovendo e recuperando nossa saúde em vários níveis, torna-se uma possibilidade de cuidado à saúde da mulher que hoje se encontra com diversas demandas sobrecarregando o corpo e a mente. O que possibilita de forma simples um momento de autocuidado, bem-estar, encontro consigo mesma,  autoconhecimento e até mesmo prevenção de possíveis agravamentos na saúde. Isto porque estes óleos essenciais, que podem ser extraídos das folhas, flores, cascas e raízes de praticamente todas as plantas, são substâncias químicas complexas e voláteis, conhecidos entre os aromaterapeutas como a “alma das plantas”, que atuam em nosso organismo produzindo diversos benefícios, seja por meio do olfato ou da absorção via pele, desde que sempre diluídos em alguma substância carreadora, neste último caso.

Ao inalarmos um óleo essencial, suas moléculas aromáticas alcançam nosso sistema límbico e auxiliam em nosso nível mental e emocional com estímulos sedativos ou excitantes, trazendo, por exemplo, reações de relaxamento, tranquilidade, disposição, ânimo e até mesmo alegria. Além disso, cada aroma nos remete a lembranças e sensações que nos auxiliam psiquicamente a acessar forças e qualidades que cada planta propicia em sua complexidade.

Numa automassagem com óleos essenciais, devidamente diluídos em algum outro óleo vegetal – côco ou amêndoas -, as moléculas aromáticas são absorvidas e metabolizadas por nosso corpo físico, agindo como substâncias anti-inflamatórias, relaxantes, digestivas, reguladoras dos ciclos hormonais, antidepressivas, ansiolíticas, antissépticas, adaptógenas (que auxiliam na resiliência ao estresse e modulação do humor), entre muitas outras propriedades.

Arquétipos femininos

Dito isso, e dentre os muitos óleos essenciais que poderão auxiliar nas diversas necessidades de cada pessoa, alguns são especialmente benéficos às mulheres por suas propriedades voltadas ao equilíbrio dos ciclos menstruais e padrões arquetípicos específicos, como o óleo essencial de Gerânio (Pelargonium graveolens) e Sálvia Esclareia (Salvia sclarea).

O óleo essencial de Gerânio, que tem aroma fresco, herbal e adocicado, parecido com o da rosa, nos convida a entrarmos em contato com nossos aspectos femininos relacionados ao nosso polo emocional de forma equilibrada e benéfica para nós, um convite a nos permitir vivenciar nossas emoções e sentimentos e poder expressá-los sem nos ferir ou reprimir, o que geralmente pode gerar sentimentos de irritabilidade ou frustração.

Este aroma nos auxilia também a entrarmos em contato com o arquétipo da Mulher Madura, maternal, capaz de expressar sua sensibilidade e amorosidade de forma balanceada para si e para os outros, sendo útil para pessoas que se sentem desconectadas de sua sensibilidade, que estejam vivendo polarizadas em sua racionalidade.

Sistema hormonal

Não à toa, o óleo essencial de Gerânio possui propriedades químicas reguladoras do sistema hormonal feminino, capazes de atuar nos desconfortos relacionados com o ciclo menstrual, como oscilações de humor, cólicas, irregularidades nos ciclos, dores nas mamas (mastite), desconfortos causados na menopausa e climatério, tonificando e fortalecendo o sistema reprodutor, além de ter propriedades cicatrizantes, anti inflamatórias e antifúngicas.

Já o óleo essencial da Sálvia Esclareia traz um convite no nível psíquico de entrarmos em contato com nossas qualidades joviais, com o arquétipo da Donzela, da mulher jovem e aventureira, revigorando nossa disposição e alegria de sairmos em busca de aventuras.

Empatia

Este é um aroma que pode auxiliar pessoas que estejam se sentindo apáticas, resignadas, deprimidas, necessitando de estímulo para lidarem com mais jovialidade com a vida. Suas propriedades terapêuticas assemelham-se com os benefícios do Gerânio no que diz respeito às propriedades reguladoras hormonais e alívio dos sintomas nos ciclos menstruais. Possui propriedades antiespasmódicas (alivia as contrações musculares, cólicas), antidepressivas, ansiolíticas, bactericidas; alivia a sensação de sufocamento e opressão torácica causadas por asma e bronquite, auxilia também em casos de impotência e anorgasmia.

Sugestões de uso

Uma sugestão de uso seria utilizar uma gota por dia do óleo essencial escolhido em um colar para aromaterapia ou pingar 4 gotas diluídas em água em um aromatizador de tomada para aromatizar o ambiente, para ter os benefícios por meio da inalação; ou ainda diluir 4 gotas do óleo essencial em 10 ml de óleo vegetal (de semente de uva, côco ou amêndoas), e massagear a região desejada com movimentos circulares, se permitindo uma relaxante  automassagem.

Atenção! É importante reforçar aqui a importância da orientação de profissionais especializados em Aromaterapia, os aromaterapeutas, naturólogas, terapeutas naturais, dentre outros, pois apesar de naturais, os óleos essenciais são também substâncias bastante concentradas para o organismo metabolizar, e que demandam muitos recursos naturais para serem extraídos.

A quantidade de uso é sempre de poucas gotas, dependendo do tipo de uso e do tipo de óleo. O uso contínuo pode ser feito por até 15 dias, desde que se observe se não há reações adversas como dores de cabeça, dificuldades de digestão, enjoos. Também é importante lembrar que não se deve aplicar os óleos essenciais diretamente na pele, pois necessitam de diluição para serem metabolizados e muitos podem causar queimaduras de pele ao serem expostos ao sol. E para as gestantes, por falta de estudos suficientes nesta área e por alguns óleos terem ações abortivas e tóxicas, os óleos acima citados são contraindicados.

Dessa forma, espero que a Aromaterapia possa auxiliar no seu caminho e busca por uma saúde integral, que os aromas da natureza possam te auxiliar a acessar suas forças curativas, e que seu contato com o feminino e sua vivência aqui como mulher possa ser mais saudável, benéfica e harmônica.

Stephany Nicolli - Graduada em Naturologia pela Universidade Anhembi Morumbi, e atua como naturóloga e professora de yoga. Em seus atendimentos individuais prioriza o olhar integrativo em saúde, onde utiliza como uma de suas ferramentas terapêuticas a Aromaterapia.


Voltar


Comente sobre essa publicação...