Semana On

Terça-Feira 15.out.2019

Ano VIII - Nº 367

Mato Grosso do Sul

Mandetta é cotado para ser ministro da Saúde, diz Bolsonaro

Nome mais cotado para assumir o Ministério da Saúde é suspeito de fraude em licitação, tráfico de influência e caixa dois

Postado em 13 de Novembro de 2018 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, está examinando o nome do deputado federal sul-mato-grossense Luiz Henrique Mandetta (DEM) para assumir o Ministério da Saúde. Mandetta é ortopedista pediátrico, não se candidatou novamente e portanto ficará sem mandato no próximo ano. Ele já se reuniu com Bolsonaro e conversaram sobre a possibilidade de assumir a pasta.

Segundo Bolsonaro, Mandetta, de 53 anos, se for nomeado para a Saúde terá missões específicas. “Tem que tapar os ralos”, afirmou. “Queremos facilitar a vida do cidadão e economizar recursos”, acrescentou o presidente eleito, em defesa da implantação do prontuário eletrônico. “Não temos como falar em investir mais em saúde porque estamos no limite em todas as áreas.”

Mandetta investigado

Mandetta está sob investigação. Ele é suspeito de fraude em licitação, tráfico de influência e caixa dois na implementação de um sistema de informatização quando foi secretário municipal de saúde de Campo Grande. Teria favorecido empresas para, em troca, receber favores na campanha eleitoral de 2010, como o pagamento de viagens.

As investigações se desenrolam há algum tempo e Mandetta já chegou a ter o sigilo bancário quebrado e bens bloqueados pela Justiça. Além das acusações na esfera criminal, o parlamentar é acusado na esfera civil de improbidade administrativa, uma vez que o sistema (que facilitaria agendamentos e implementaria o tão falado prontuário eletrônico) nunca foi instalado nas unidades de saúde. Mas custou quase R$ 10 bilhões aos cofres públicos. Como a maior parte do dinheiro foi repassado pelo Ministério da Saúde, o município entrou em acordo para a devolução dos recursos em 2015. Com a correção da inflação, a conta ficou em R$ 14,8 milhões, a serem pagos em 60 parcelas.

Mas, segundo Mandetta, o presidente eleito não deu muita bola quando ele avisou que é investigado. “Pô, você ficou seis anos numa secretaria de saúde e tem só um processo”, teria respondido Bolsonaro. O parlamentar acredita que essa história toda não é um obstáculo a sua nomeação para o Ministério da Saúde.


Voltar


Comente sobre essa publicação...