Semana On

Quarta-Feira 21.nov.2018

Ano VII - Nº 328

Gov Inst

Poder

Em contraponto a PT, Ciro articula movimento de oposição a Bolsonaro

Líderes de PDT, PCdoB e PSB discutem atuação conjunta como oposição

Postado em 02 de Novembro de 2018   - Gustavo Uribe (Folha de SP) e Fernanda Vivas (G1)

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Terceiro colocado na disputa presidencial, Ciro Gomes (PDT) articula a formação de um movimento que seja um contraponto à frente de esquerda, mas que também faça oposição ao presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) no Congresso Nacional.

A ideia é formar uma frente parlamentar com integrantes de partidos como PSB, PSDB, PPS e DEM que não pretendem aderir à base aliada do capitão reformado e que têm resistência ao grupo liderado por siglas como PT e PCdoB.

Pelos cálculos de Ciro, Bolsonaro deve contar com o apoio de cerca de 175 deputados federais da próxima legislatura. O campo oposicionista formado por partidos de esquerda soma em torno de 90. A estratégia é tentar elevar o último número para pelo menos 120.

"O objetivo é ampliar a centro-esquerda. Eu imagino que o PSDB não vai querer se associar ao PT e, pelo menos a parte mais sadia da sigla, não vai querer se associar ao Bolsonaro. E por antipetismo vamos ficar longe deles?", disse Ciro.

O pedetista não exclui a participação de petistas no movimento, mas critica a formação de uma frente de esquerda articulada pelo partido. Segundo ele, ela seria uma "mentira da burocracia petista" para enganar "abestados".

"Francamente, não excluo o PT. Apenas não podemos permitir que o PT venha exercitar a sua fraude em cima desse momento tão crítico do país", disse.

Para ele, além de fazer oposição ao governo, a ideia é que o movimento de centro-esquerda funcione como uma "guarda da institucionalidade democrática", protegendo o interesse nacional e e o direitos das classes mais pobres.

"O deputado federal Onyx Lorenzoni [ministro da Casa Civil de Bolsonaro] é do DEM. O que vai acontecer com o DEM? Vamos entregar de barato ou temos uma conversa com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia?", questionou.

A ideia é que, na próxima semana, Ciro visite Brasília para intensificar conversas para a formação do movimento. Os partidos do chamado centrão, como PP e PSD, também devem ser procurados.

Miseravelmente traído

Ciro afirmou em entrevista à Folha de S.Paulo que foi “miseravelmente traído” pelo ex-presidente Lula e seus “asseclas”. O terceiro colocado na disputa presidencial disse que não declarou voto em Fernando Haddad (PT), no segundo turno, por não querer fazer campanha nunca mais para o PT.

Criticou a atuação do PT para impedir o apoio do PSB à sua candidatura e classificou como “insulto” o convite do ex-presidente Lula para que ele assumisse a vaga de vice no lugar de Haddad.

Ciro afirmou que ouviu “um milhão de apelos” para não deixar a política e que sua responsabilidade aumentou porque o "país ficou órfão". O pedetista afirmou que não lavou as mãos ao deixar o Brasil entre o primeiro e o segundo turno e não declarar apoio a Haddad e que compreendeu, durante a viagem, o que aconteceu na eleição presidencial.

“O que aconteceu foi uma reação impensada, espécie de histeria coletiva a um conjunto muito grave de fatores que dão razão a uma fração importante dessa maioria que votou no Bolsonaro. O lulopetismo virou um caudilhismo corrupto e corruptor que criou uma força antagônica que é a maior força política no Brasil hoje. E o Bolsonaro estava no lugar certo, na hora certa.”

O ex-governador disse que Lula se corrompeu e não faz autocrítica por conviver apenas com “bajuladores”.

“Você acha que votei em quem com a minha história? Eles podem inventar o que quiserem. Pega um bosta como esse Leonardo Boff [que criticou Ciro por não declarar voto a Haddad]. Estou com texto dele aqui. Aí porque não atendo o apelo dele, vai pelo lado inverso. Qual a opinião do Boff sobre o mensalão e petrolão? Ou ele achava que o Lula também não sabia da roubalheira da Petrobras? O Lula sabia porque eu disse a ele que, na Transpetro, Sérgio Machado estava roubando para Renan Calheiros. O Lula se corrompeu por isso, porque hoje está cercado de bajulador, com todo tipo de condescendências”, disparou. “Cadê os críticos? Quem disse a ele que não pode fazer o que ele fez? Que não pode fraudar a opinião pública do país, mentindo que era candidato?”, emendou.

Ciro contou que Lula chegou a chamá-lo para ser seu vice no lugar de Haddad. “Por que o senhor não aceitou ser candidato a vice-presidente de Lula? Porque isso é uma fraude. Para essa fraude, fui convidado a praticá-la. Esses fanáticos do PT não sabem, mas o Lula, em momento de vacilação, me chamou para cumprir esse papelão que o Haddad cumpriu. E não aceitei. Me considerei insultado.”

O pedetista criticou a manobra feito pelo PT para isolá-lo e impedir que o PSB o apoiasse e responsabilizou o PT pela eleição de Bolsonaro. “Pelo ex-presidente Lula e seus asseclas. Você imagina conseguir do PSB neutralidade trocando o governo de Pernambuco e de Minas? Em nome de que foi feito isso? De qual espírito público, razão nacional, interesse popular? Projeto de poder miúdo. De poder e de ladroeira. O PT elegeu Bolsonaro.”

Segundo o pedetista, o momento não é de reaglutinar a esquerda, mas de criar um novo campo político. “Não quero participar dessa aglutinação de esquerda. Isso sempre foi sinônimo oportunista de hegemonia petista. Quero fundar um novo campo, onde para ser de esquerda não tem de tapar o nariz com ladroeira, corrupção, falta de escrúpulo, oportunismo. Isso não é esquerda. É o velho caudilhismo populista sul-americano.”

Líderes de PDT, PCdoB e PSB discutem atuação conjunta

Os líderes de PDT, PCdoB e PSB se reuniram no dia 30, em Brasília, para discutir uma atuação conjunta como oposição ao governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados.  Juntas, as três legendas elegeram 69 deputados para a próxima legislatura, que começa no ano que vem.

Um dos presentes à reunião, o líder do PDT, André Figueiredo (CE), afirmou que um dos objetivos é fazer frente ao "hegemonismo" que o PT, na opinião dele, "quer impor" aos demais partidos que farão oposição a Bolsonaro – o PT elegeu 56 deputados.

"Trabalharemos um modelo de oposição que seja construtivo para o Brasil", disse Figueiredo. "O que não podemos aceitar, de forma alguma, é o hegemonismo que infelizmente o PT quer impor aos demais partidos do campo dele", acrescentou.

André Figueiredo foi ministro das Comunicações entre 2015 e 2016, no segundo mandato da então presidente Dilma Rousseff – quando o presidente Michel Temer assumiu, em 2016, uniu o ministério à pasta da Ciência e Tecnologia, atualmente chefiada por Gilberto Kassab (PSD).

Ao dizer que o grupo pretende fazer "oposição propositiva" a Bolsonaro, André Figueiredo informou que, no modelo em discussão, os partidos apresentarão alternativas a propostas apresentadas por Bolsonaro.


Voltar


Comente sobre essa publicação...