Semana On

Quarta-Feira 20.mar.2019

Ano VII - Nº 342

Coluna

JBS, BRF e Marfrig não estão na lista de frigoríficos que podem voltar a exportar para a Rússia

Mercado russo estava fechado para a carne brasileira desde dezembro do ano passado por conta de contaminação com substância proibida no país

Postado em 31 de Outubro de 2018 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Frigoríficos da JBS, BRF e Marfrig ficaram de fora das unidades que podem voltar a exportar carne para a Rússia. O mercado russo estava fechado para a carne brasileira desde dezembro do ano passado.

O embargo havia sido imposto porque o país havia identificado contaminação com ractopamina e outros estimulantes de crescimento nos produtos. O uso da substância na alimentação dos animais é permitido no Brasil, mas proibido na Rússia e outros países da Europa.

Segundo comunicado do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) nove empresas que estavam com as exportações suspensas poderão voltar a comercializar carne com a Rússia. São elas:

  • Barra Mansa Comércio de Carnes e Derivados Ltda (SIF 941 - carne bovina desossada e carne suína e carne suína in natura)
  • Agra Agroindustrial de Alimentos S/A (SIF 3941 - abate de gado, corte, armazenamento de carne bovina; carne suína crua)
  • Alibem Alimentos S/A (SIF 2146 - carne suína e carne suína crua)
  • Alibem Alimentos S/A. (SIF 915 - carne suína e carne suína crua)
  • Adelle Indústria de Alimentos Ltda (SIF 15 - suínos para abate, corte e estocagem de carne suína, produção de subprodutos e carne de suíno gordo)
  • Minerva S/A (SIF 431 - carne bovina desossada e carne crua)
  • Cooperativa Central Aurora Alimentos (SIF 3847 - carne suína e carne suína crua)
  • Frigorífico Astra do Paraná Ltda (SIF 1251- abate e corte de gado)
  • Frigorífico Vale do Sapucaí Ltda (SIF 1883 - abate de bovinos, corte, armazenamento de carne bovina, produção de subprodutos e gorduras bovinas)

O secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, Luis Rangel, disse que espera que, com a reabertura do mercado russo, os frigoríficos consigam recuperar o fôlego perdido com a greve dos caminhoneiros.

“Esperamos que o setor privado entenda que as ações de certificação e segregação são necessárias para preservar este mercado”, disse em nota.

Na véspera, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, comemorou a queda do embargo e agradeceu ao presidente russo, Vladimir Putin, com quem tratou sobre o assunto por telefone.

“É difícil abrir mercado, é fácil perder mercado e muito mais difícil recuperar mercado”, disse em vídeo distribuído pelo Whatsapp.


Voltar


Comente sobre essa publicação...