Semana On

Domingo 25.ago.2019

Ano VII - Nº 360

Comportamento

Hostilidade, estresse e depressão aumentam risco de AVC

Estudo mostra que fatores psicológicos também são importantes para AVC.

Postado em 15 de Julho de 2014 - Redação Semana On

A pesquisa contou com a participação de mais de 6.700 adultos com idades entre 45 e 84 anos. A pesquisa contou com a participação de mais de 6.700 adultos com idades entre 45 e 84 anos.

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Ter sentimentos de agressividade, cinismo ou hostilidade em relação às outras pessoas pode dobrar os riscos de acidente vascular cerebral (AVC) em adultos com mais de 45 anos, revelou um estudo publicado no periódico "Stroke", da Associação Americana do Coração.

A pesquisa contou com a participação de mais de 6.700 adultos com idades entre 45 e 84 anos que responderam a questionários sobre seu estado mental e seu comportamento. Com isso, foi possível avaliar estresse crônico, depressão, raiva e hostilidade nesses indivíduos durante dois anos. Os voluntários, compostos por caucasianos, afro-americanos, hispânicos e asiáticos, não reportaram doenças cardíacas no início do estudo.

Eles foram acompanhados por um tempo que variou entre 8 e 11 anos, período no qual 147 tiveram AVC e 48 tiveram ataques isquêmicos transitórios (AITs), um bloqueio temporário do fluxo sanguíneo no cérebro.

Resultados

Os cientistas descobriram que os indivíduos com os maiores níveis de hostilidade - medidos pela avaliação das expectativas cínicas de uma pessoa a respeito das motivações dos demais - foram mais de duas vezes mais propensos a sofrer AVC ou AIT, em comparação com aqueles indivíduos com menos hostilidade.

De forma similar, taxas elevadas de sintomas depressivos representam um risco 86% de sofrer AVC ou AIT. Nos cronicamente estressados, esse risco foi 59% maior. De forma surpreendente, a raiva não foi associada com qualquer risco maior de derrame.

A associação entre os fatores psicológicos e o risco de AVC se manteve mesmo depois que os cientistas consideraram fatores como idade, raça, sexo, cuidados com a saúde e outros fatores reconhecidamente ligados ao AVC.

"Dão muita ênfase em fatores de risco tradicionais - níveis de colesterol, pressão sanguínea, tabagismo e assim por diante - e estes realmente são muito importantes, mas estudos como este mostram que as características psicológicas são igualmente importantes. Em vista do envelhecimento da nossa população, é importante considerar estes outros fatores que podem representar um papel no risco da doença", disse a principal autora do estudo, Susan Everson-Rose, professora associada de medicina na Universidade de Minnesota, em Mineápolis.


Voltar


Comente sobre essa publicação...