Semana On

Quarta-Feira 21.nov.2018

Ano VII - Nº 328

Super Banner na capa e em toda a revista

Artigo da semana

Brasil mergulha na escuridão

Vitória de Jair Bolsonaro ameaça levar o país de volta a um dos capítulos mais sombrios de sua história. Ele terá quatro anos para provar seu real compromisso com valores democráticos, opina editora-chefe da DW Brasil

Postado em 31 de Outubro de 2018   - Francis França

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O inconcebível aconteceu. O candidato da direita autoritária e ultraconservadora Jair Bolsonaro foi eleito presidente do Brasil. Após cinco anos de crise política, econômica, escândalos de corrupção e um clima político tóxico, 58 milhões de brasileiros depositaram seu voto no capitão reformado do Exército pelo desejo de mudança. Qualquer mudança, a qualquer preço.

A imensa rejeição ao PT, que governou o país entre 2003 e 2016, misturada a medos infundados de uma ameaça comunista – fórmula infalível que já havia garantido apoio popular a duas ditaduras no Brasil, nas décadas de 30 e 60 – e a desinformação perpetrada por uma onda avassaladora de notícias falsas garantiram a vitória de Bolsonaro por ampla vantagem.

No fim das contas, #PTnão foi mais forte do que #elenão. Dezenas de milhões de pessoas estão celebrando a derrota de Fernando Haddad e, por extensão, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está preso há seis meses por corrupção e lavagem de dinheiro e foi proibido pela Justiça de se candidatar ou participar da campanha eleitoral.

A vitória dos eleitores de Bolsonaro, porém, começa e termina com o resultado da eleição. Daqui para frente, o Brasil navega no escuro. Não há como saber o que Bolsonaro realmente fará, porque ele se recusou a ir a debates, concedeu entrevistas apenas a jornalistas amigos e construiu seu plano de governo – tosco, em parte inconstitucional e por vezes delirante – baseado em premissas simplesmente falsas. Até agora, tudo o que o presidente eleito fez foi disseminar ódio contra seus oponentes e dizer que vai mudar "tudo isso aí".

O que se sabe de Bolsonaro é o que ele tem demonstrado ao longo de seus quase 30 anos de vida pública: glorificação do regime militar brasileiro e dos crimes de tortura cometidos pelo Estado, admiração por ditadores e desprezo por minorias e valores democráticos como direitos humanos, liberdade de imprensa e independência da Justiça. O presidente eleito não confia no sistema eleitoral e menospreza o valor do voto.

Também se sabe que Bolsonaro não está em boa companhia. Entre seus apoiadores estão o ex-estrategista de Trump Steve Bannon e David Duke, ex-líder do Ku Klux Klan – já Marine Le Pen considera as declarações de Bolsonaro "desagradáveis".

Ao longo da campanha, Bolsonaro atacou indígenas, afrodescendentes, LGBTs, feministas e a imprensa. Dias antes do segundo turno, ameaçou prender, banir e até assassinar opositores, prometeu uma "limpeza nunca antes vista" no país e declarou que "o ser humano só respeita o que teme". Após receber críticas de organizações internacionais e do setor produtivo, abrandou aqui e ali o discurso: disse que já não quer mais abandonar o Acordo de Paris nem submeter o Ministério do Meio Ambiente ao da Agricultura; que vai, sim, respeitar a oposição e não fará nada ao arrepio da lei. Veremos.

O que se anuncia, concretamente, é um governo autoritário, militarista e apoiado por forças religiosas ultraconservadoras que saíram fortalecidas da eleição para o Congresso. Um governo que condena o aborto, mas aprova grupos de extermínio.

Esse será o governo encarregado de tirar o país da crise. E não é pouca crise. O Brasil tem um déficit orçamentário alarmante, 13 milhões de desempregados e um sistema previdenciário falido. O novo presidente, que declaradamente não entende nada de economia, vai deixar a solução para esses problemas nas mãos de seu guru Paulo Guedes, economista ultraliberal doutorado pela escola de Chicago, o qual, por sua vez, demonstra pouco apreço pela política.

Guedes pretende privatizar tudo o que puder, reduzir a carga tributária – música para os ouvidos dos mais ricos - e "desburocratizar" as relações de trabalho. O mercado financeiro está feliz, porque deve ganhar no curto prazo. As agências de classificação de risco, porém, manifestam preocupação com o governo do militar no longo prazo. A própria escola de Chicago tem medo de ser associada aos excessos do presidente eleito.

Pois impedir os excessos de seu governo é o dever, a partir de agora, de todas as forças moderadas, de centro esquerda e centro direita, que, por ação ou omissão, permitiram que ele chegasse ao posto mais alto da República. A defesa intransigente dos princípios democráticos deve ser a missão do Legislativo, do Judiciário, da imprensa e de cada cidadão. O Brasil não pode normalizar a tirania – nem no Planalto, nem nas ruas. É preciso tolerância zero com declarações e atitudes que afrontem a Constituição. Da comunidade internacional e, principalmente, de parceiros comerciais e diplomáticos de peso, como a União Europeia, espera-se a devida pressão para que o Brasil não abandone os princípios democráticos.

O próprio Bolsonaro admite que pode não ser um bom presidente, e tudo indica que o Brasil caminha para uma década perdida. Diante do cenário atual, os brasileiros podem se dar por satisfeitos se tiverem eleições livres em 2022. A mudança a qualquer preço pode custar caro.

Francis França – Jornalista, editora-chefe da DW Brasil


Voltar


Comente sobre essa publicação...