Semana On

Quarta-Feira 21.nov.2018

Ano VII - Nº 328

Gov dengue

Comportamento

Por que muita gente insiste em um namoro mesmo estando infeliz?

Muitas vezes, o sentimento do outro é mais importante do que o da pessoa que quer terminar

Postado em 30 de Outubro de 2018   - Ingrid Luisa – Super Interessante

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Talvez isso já tenha acontecido com você ou com alguém próximo: a relação com o(a) namorado(a) está claramente ruim, mas ninguém consegue terminar. Por quê? Nem sempre o motivo é comodismo – ao contrário. A principal razão pode estar ligada ao nosso altruísmo.

Ou pelo menos é o que afirma um estudo publicado no periódico Journal of Personality and Social Psychology, liderado pela pesquisadora Samantha Joel, da Universidade Western, no Canadá. Segundo o artigo, a dificuldade de terminar pode estar na percepção de que o outro quer muito ou até mesmo depende daquele relacionamento. Isso faz as pessoas priorizarem os sentimentos do parceiro – que, querendo ou não, é alguém especial. E, assim, a infelicidade continua…

“Quanto mais dependente um achar que o outro é no relacionamento, menor é a chance de um rompimento”, disse Samantha, em comunicado à imprensa. Para chegar a essas conclusões, a autora e sua equipe analisaram 500 pessoas, que estavam pensando em terminar o namoro. Os cientistas fizeram um questionário para saber os motivos que prendiam os voluntários à relação. Dois meses depois, os estudiosos entraram em contato novamente e detectaram que muitos participantes não tinham dado um pé na bunda de seus parceiros para não “ferir seus sentimentos”.

“Isso aconteceu até com quem não estava realmente envolvida ou que estava insatisfeita com a relação”, afirma Samantha. Para ela, ao fazer essa escolha, o indivíduo infeliz aposta na esperança de que as coisas melhorem.

Estudos anteriores mostraram que a quantidade de tempo, esforço e sentimento investido em um namoro também são fatores determinantes para a decisão de não pôr fim a ele. Razões contrárias às do estudo canadense, como sentimentos individualistas (“melhor ficar com fulano que sozinho”), também são motivos plausíveis para muita gente.


Voltar


Comente sobre essa publicação...