Semana On

Quinta-Feira 22.ago.2019

Ano VII - Nº 359

Mundo

Como o populismo instrumentaliza o medo pelo mundo

Populistas vêm ganhando força mundo afora, explorando temores da população e descontentamento com a política. Uma análise sobre os casos de Estados Unidos, Itália, França, Alemanha e Brasil.

Postado em 25 de Outubro de 2018 - Kersten Knipp – DW

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Algum tempo atrás, o jornalista italiano Ernesto Galli della Loggia, editorialista do diário Corriere della Sera, confessou aos leitores do jornal que, embora tenha nascido italiano, não sabia se morreria como tal.

Segundo ele, o país estaria mudando rápido demais – e para pior. Ele disse notar as mudanças em pequenas coisas. Por exemplo, não houve nenhum filme italiano concorrendo no Festival de Cannes de 2017 – pela primeira vez na história do festival.

Della Loggia escreveu que o fracasso em Cannes faz parte de uma série de outros fenômenos muito mais sérios: a estagnação da economia; a decrescente renda da população; estradas malcuidadas; o mau estado do transporte público; a falta de eficiência da burocracia. A lista é grande.

Tudo isso leva a um difuso desconforto para o qual os italianos não conhecem resposta – sobretudo uma resposta política, de acordo com o sociólogo Marco Revelli. Os antigos partidos tradicionais se dissolveram após numerosos escândalos, aponta.

Esses partidos fazem falta agora, e as consequências disso são dramáticas, afirma Revelli: "Sem uma linguagem adequada com a qual possam contar a sua própria história, os cidadãos são catapultados ao ressentimento e ao rancor." E aí que os populistas se aproveitam da situação, apontou o sociólogo.

Crítica às elites

O problema não se limita à Itália. Alexander Gauland, um dos líderes e um dos chefes da bancada parlamentar da legenda Alternativa para a Alemanha (AfD), delineou no início de outubro, em ensaio para o jornal alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, quais grupos convergiram para seu partido.

"Por um lado, a classe média, à qual também pertence o setor de médio porte, que não pode simplesmente transferir seus negócios para a Índia e lá produzir de forma especialmente barata. Em segundo lugar, as chamadas pessoas comuns, cujos empregos são muitas vezes pessimamente remunerados ou não existem mais, e que deram duro a vida inteira e hoje têm que sobreviver com uma aposentadoria miserável. Esses também são aqueles para quem a pátria ainda é um valor em si e são os primeiros a perdê-la, já que o meio social em que vivem é para o qual os imigrantes estão fluindo. Eles não podem simplesmente se mudar e jogar golfe em outro lugar", escreveu o colíder da legenda populista de direita.

O artigo de Gauland foi amplamente censurado. Na repreensão à elite, alguns críticos viram, por exemplo, uma reformulação contemporânea de antigos motivos antissemitas. Gauland dá agora uma nova roupagem ao tema da "ausência de pátria", antes um dos tópicos centrais de incitamento antissemita, só que agora ele o direciona contra as elites globalizadas. Outros se queixaram da exacerbação polêmica ou xenofóbica no artigo, por exemplo, na passagem dedicada aos imigrantes.

França vista da periferia

No entanto, Gauland formula problemas que são vistos de forma similar por esquerdistas. Na França, por exemplo, o geógrafo social Christophe Guilluy, que não é suspeito de quaisquer atividades populistas, investigou em vários livros o declínio dos socialistas franceses.

La France Periphérique (A França periférica) é o nome de seu livro mais famoso, no qual ele se dedica à classe desprivilegiada francesa, que foi marginalizada tanto em sentido social quanto geográfico e que, após o desmantelamento das grandes indústrias, foi entregue a uma existência miserável à margem da sociedade.

"Nenhum partido, principalmente nenhum esquerdista, defende seus interesses, assume o seu desespero. E as organizações responsáveis, incluindo os sindicatos, não os representam mais", escreveu Guilluy, explicando que muitos cidadãos recorreram então a novas figuras políticas, mais especificamente a uma mulher: Marine Le Pen, líder do partido Rassemblement National (Agrupamento ou Comício Nacional), antes chamado de Frente Nacional.

Medo dos outros

A análise de Guilluy não se limita à Europa. Também se aplica em grande parte aos Estados Unidos. Ali, a ameaçada parcela do centro da sociedade, ou ao menos que se sente ameaçada, contribuiu para a vitória eleitoral de Donald Trump, apontou em entrevista à DW Daniel Stein, especialista em assuntos americanos na Universidade de Siegen.

"Foram principalmente os votos de cidadãos do centro da sociedade que fizeram a diferença. Essas pessoas têm frequentemente a impressão de não reconhecer mais o seu país. Alguns temem o declínio social, outros são contra uma América pluralista e aberta. E então aparece alguém como Trump, que ignora todas as regras estabelecidas e se apresenta como alguém que quer consertar tudo em Washington e no mundo e que pretende impor os interesses de seus eleitores contra qualquer correção política. E muitos têm simpatia por isso, considerando que emissoras de TV, como Fox News, corroboram essa imagem 24 horas por dia", afirmou o especialista.

Trump faz com que suas promessas políticas e sua agenda real divirjam amplamente, sem atrair críticas por parte de seus correligionários, aponta Stein.

"A reforma do sistema de saúde iniciada por Obama seria, por exemplo, uma possibilidade de aliviar o medo do declínio social. Mas é exatamente dessa reforma que os republicanos querem se livrar. Existe aí uma contradição entre as demandas populistas da campanha eleitoral e uma política dura de direita, que favorece principalmente as classes mais abastadas e as grandes empresas", apontou o docente da Universidade de Siegen.

Desconfiança no Brasil

As eleições presidenciais no Brasil caminham para o segundo turno. O candidato à frente nas pesquisas é o populista de direita Jair Bolsonaro (PSL) – um homem que encontra sempre boas palavras para descrever a ditadura militar brasileira dos anos 1960 e 1970.

Também Bolsonaro atrai a classe média bem formada, afirma Claudia Zilla, líder do grupo de pesquisa sobre o continente americano no Instituto Alemão de Relações Internacionais e Segurança (SWP) em Berlim.

"Essas pessoas também têm a impressão de que os outros partidos pouco diferem um dos outros e de que a política é um negócio corrupto" – o que não seria um pensamento de todo errado, afirma. Zilla destaca que, nos últimos anos, os brasileiros foram testemunhas de grandes escândalos de corrupção envolvendo políticos.

Zilla ressalta que o fato de Bolsonaro dever parte de seu sucesso a influentes grupos evangélicos não é nenhuma coincidência, pois os populistas de direita e os evangélicos mantêm semelhantes agendas de valores conservadores. "Trata-se de ordem, trata-se de família, trata-se de valores tradicionais, trata-se de privilegiar casamentos heterossexuais", diz a especialista do SWP.

Além disso, em seus cultos, as igrejas evangélicas neopentecostais costumam usar estratégias de encenação semelhantes às dos populistas, aponta Zilla, explicando que ambos os grupos buscam o contato direto com o povo, ambos apelam primariamente para as emoções e – se for o caso – apenas em segundo plano ao intelecto.

O populismo como luta pelo todo

No jornal Clarín, o cientista político argentino Loris Zanatta escreveu que o populismo transformou discussões políticas numa luta pelo todo.

"O horizonte do populismo é a terra prometida, a extinção do pecado, o retorno do povo à sua pureza original. Não se trata de nada menos do que isso. Este é o material que alimenta a sua grande narrativa: a eterna luta do bem contra o mal", ponderou o cientista político.

Zanatta advertiu, no entanto, que é preciso ver o que realmente vai se concretizar no final. Num mundo movido pelo medo, os populistas fizeram várias promessas. Agora eles têm que mostrar como pretendem concretizá-las.


Voltar


Comente sobre essa publicação...