Semana On

Quarta-Feira 21.ago.2019

Ano VII - Nº 359

Coluna

Quem são os LGBTs eleitos em 2018

Pela primeira vez, um senador gay do Espírito Santo e deputadas trans em São Paulo e Pernambuco assumem cargos legislativos no Brasil.

Postado em 10 de Outubro de 2018 - Bruno Costa - VICE

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Passado o primeiro turno das eleições 2018, paira sobre a nação uma nébula incerta de quem comandará o país até a decisão em segundo turno entre os candidatos à presidência Fernando Haddad (PT-SP) e Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

Ainda assim, há aquela dúvida gigantesca da perplexidade dos futuros parlamentares no Legislativo, uma vez que o Congresso Nacional está se tornando cada vez mais conservador, segundo o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP).

Contrário a esse cenário aparentemente de retrocesso, o Brasil conquistou pequenos avanços em relação a diversidade. Por exemplo, neste ano, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou a mudança para o nome social de pessoas T no título de eleitor, exatamente no mesmo ano em que mais candidatos LGBTs concorreram nas eleições. Um aumento de quase 386% comparado as últimas eleições estaduais e federais de 2016, como informa a ONG Aliança Nacional LGBTI+.

O único respiro que cabe ao eleitor brasileiro é saber que ainda há quem lute pela diversidade e minorias nas casas legislativas. Saca só quem são os LGBTs que irão representar a comunidade nas Câmaras estaduais, Federal e Senado pelos próximos quatro anos:

Deputados Estaduais

Erica Malunguinho (PSOL-SP) - criadora do centro cultural Aparelha Luiza, que celebra a cultura afro-brasileira da cidade de São Paulo, Erica irá estrear como deputada trans na Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP). Natural de Pernambuco, ela irá representar os LGBTs negros, principalmente a comunidade T.

Erika Hilton (PSOL-SP) - a deputada trans natural de Itu, em São Paulo, se elege pela primeira vez na assembleia paulista e fará parte da Bancada Ativista, composta por políticos ligados às pautas de diversidade, feminismo e movimento negro.

Fábio Felix (PSOL-DF) - o assistente social é o primeiro LGBT representante de Brasília a se eleger como deputado no Distrito Federal.

Isa Penna (PSOL-SP) - ex-vereadora de São Paulo, Isa é bissexual e feminista e representará as mulheres e a comunidade LGBT na ALESP.

Leci Brandão (PC do B-SP) - reeleita para um terceiro mandato, a cantora carioca Leci Brandão atua na ALESP com pautas ligadas à Lei Maria da Penha, população periférica, negra e LGBT.

Robeyoncé Lima (PSOL-PE) - primeira advogada trans, das regiões Norte e Nordeste, a usar o nome social na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e atuar no STF, Robeyoncé foi eleita deputada no estado de Pernambuco.

Deputados Federais

Jean Wyllis (PSOL-SP) - representante dos LGBTs na Câmara Federal desde 2011, o jornalista e professor universitário natural da Bahia irá para seu terceiro mandato representando o Rio de Janeiro.

Talíria Petrone (PSOL-RJ) - ex-vereadora de Niterói, a professora de História Talíria é lésbica e foi eleita pelo Rio de Janeiro para representar os LGBTs na Câmara Federal.

Senadores

Fabiano Contarato (REDE-ES) - representante do estado do Espírito Santo, o professor universitário de Direito já foi delegado e Corregedor Geral do estado capixaba. Fabiano é o primeiro LGBT a assumir um cargo de senador no Congresso Nacional.


Voltar


Comente sobre essa publicação...