Semana On

Quarta-Feira 23.out.2019

Ano VIII - Nº 368

Campo Grande

Emenda de R$ 1,8 milhão permitirá 2,1 km de asfalto no Tijuca

Expectativa é que ainda no primeiro trimestre de 2019 a obra seja iniciada, com previsão de entrega em 4 meses

Postado em 10 de Outubro de 2018 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O prefeito Marquinho Trad assinou o contrato com a Caixa Econômica Federal para liberação de R$ 1,8 milhão, dos recursos de uma emenda de 2016 do deputado Luiz Henrique Mandetta, que vai garantir a implantação de 460 metros de drenagem e 2,1 quilômetros de pavimentação no Residencial Barra da Tijuca, que fica no Jardim Tijuca. “Fizemos uma articulação junto ao Ministério das Cidades para evitar a perda do recurso”, destacou o chefe do Executivo.

O projeto da obra já está em análise na Caixa e a Prefeitura terá de complementar a verba federal com contrapartida de R$ 291 mil de recursos próprios. A expectativa é que ainda no primeiro trimestre de 2019 a obra seja iniciada, com previsão de entrega em 4 meses, a partir de assinada a ordem de serviço.

Os recursos para pavimentação no Tijuca estão previstos em dois contratos, um de R$ 938.150,00 (complementados por R$ 117.760,92 de contrapartida) da etapa A e mais R$ 802.681,99 da etapa B,  com mais de R$ 173.916,05 de recursos da Prefeitura. Do valor total, serão R$ 1.740.831,99 e mais R$ 291.661,05 de contrapartida. “O residencial hoje é rodeado de ruas do Jardim Tijuca, que foi asfaltado ainda quando eu era vereador”, lembra o prefeito.

Segundo o secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Rudi Fiorese, o projeto prevê a pavimentação de trechos das ruas Visconde de Suassuna; Tabira; Alfredo Lisboa; Visconde de Boa Vista; Bartolomeu Mitre e Severino Pinheiro.

Busca de recursos

Esta é a terceira emenda parlamentar que a administração conseguiu recuperar, porque os recursos deixaram de ser aplicados na gestão anterior.  Foram garantidos, por exemplo, R$ 650 mil para a reforma do Anfiteatro José Otávio Guizzo, fechado há 30 anos. “Vamos devolver um espaço cultural importante. Campo Grande é a única capital do país sem um teatro municipal em funcionamento”.

Já estão em andamento as obras de drenagem e pavimentação no Jardim Morenão, com a recuperação de uma emenda de R$ 1,3 milhão aprovada em 2010.


Voltar


Comente sobre essa publicação...