Semana On

Segunda-Feira 15.out.2018

Ano VII - Nº 324

Governo

Entrevista

Bolsonaro é a caricatura do extremista de direita

Em entrevista, pesquisador alemão que estuda a nova direita brasileira diz que movimento no Brasil não é caso isolado no mundo, mas possui particularidades perigosas, é mais poderoso e abrangente

Postado em 05 de Outubro de 2018   - Clarissa Neher - DW

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

As eleições deste ano marcam a expansão política da nova direita no Brasil. Seu maior representante é Jair Bolsonaro, candidato à Presidência pelo PSL que, no momento, lidera nas pesquisas de intenção de voto.

Para o alemão professor de estudos brasileiros Georg Wink, que estuda a ascensão da direita no Brasil, ela não é um fato isolado no mundo. Mas há particularidades que tornam o caso brasileiro mais perigoso, como o poder econômico e político que esses grupos possuem e o próprio contexto do país, que enfrenta recessão e desemprego.

"A nova direita não defende nada substancialmente diferente do que a velha direita. O que mudou foi a forma, a linguagem, e o potencial", afirma Wink, que é o professor na Universidade de Copenhague e pesquisa atualmente esse movimento.

O pesquisador aponta as diferenças entre a nova direita brasileira e movimentos semelhantes em outros países, comenta a ascensão de Bolsonaro e perspectivas que um eventual governo teria.

 

DW Brasil: Como essa nova direita difere da velha no Brasil?

Comecei a trabalhar com o fenômeno da nova direita com algumas ressalvas e, no início, não sabia se o conceito "nova direita” realmente seria adequado. Entretanto, já existe um trabalho substancial de pesquisadores brasileiros, embora esparso, e quanto mais fui estudando, mais fui ficando preocupado, porque na verdade só vemos a superfície, que são os discursos meio polêmicos e bizarros de alguns políticos, mas por trás disso há estruturas consolidadas com muito poder político, midiático e financeiro. É só pensar na poderosa infraestrutura internacional dos diversos institutos "liberais”, como o Millenium, o Mises e o Liberal, que estão por trás de movimentos como o MBL.

Em princípio, a nova direita não defende nada substancialmente diferente do que a velha direita, como o antigo PFL, vinha defendendo, a combinação de conservadorismo moral com princípios neoliberais. O que mudou foi a forma, a linguagem, e o potencial. Ela sempre existiu, mas com muita razão agora está sendo chamada de "direita desavergonhada”, porque "ser de direita” deixou de ser um estigma em algum momento, provavelmente por volta de 2013. Passa a sair do armário e percebe que defender suas posições de forma não velada é a fórmula do sucesso, especialmente entre os mais jovens e os mais ricos.

A ascensão de Jair Bolsonaro, um candidato populista com ideias radicais de direita, é fenômeno isolado ou faz parte de um contexto global?

Nada é isolado, é só pensar na Polônia, na Hungria, na França, na Alemanha, nos EUA, entre muitos outros países, mas cada caso é diferente. O que faz do Bolsonaro especial é que ele, como nenhum outro, reúne absolutamente 100% do repertório extremista. Quando comparamos com outros políticos de destaque da direita, eles não mostram a mesma radicalidade em todas as suas atitudes, por exemplo, não são necessariamente sempre misóginos ou homofóbicos. Bolsonaro tem tudo, é a caricatura do extremista de direita. Estou no início da pesquisa, mas a hipótese que me norteia é que o caso da nova direita no Brasil tem uma relevância especial, maior do que os EUA do Trump, por ser um fenômeno mais abrangente, mais poderoso e que se manifestou muito de repente. Revelador para o mundo inteiro, aliás.

O que difere a nova direita do Brasil da dos outros países?

No Brasil, a nova direita envolve um maior número de agentes políticos e sociais do que em outros países e são mais variados. Por exemplo, as principais igrejas pentencostais e neopentecostais, partes das forças repressivas, empresários que pouco se importam com programas políticos, desde que siga a doutrina neoliberal, os neointegralistas, que muitas vezes são esquecidos, mas em 2004 fizeram seu o primeiro congresso depois de anos. Temos ainda os monarquistas, que também têm poder sobre a mídia social, aliás, é justamente a dominação das mídias sociais que acontece no Brasil de forma incomparável, como uma série de estudos tem mostrado. Tem ideólogos, muitos além de Olavo de Carvalho. E a nova direita tem o apoio de uma infraestrutura internacional, os 'think tanks' que mencionei, bem abastecidos com verba de empresas conhecidas e desconhecidas. Isso tudo junto dá mais poder e substância ao movimento da nova direita.

Considerando o contexto do Brasil, que é muito mais vulnerável do que no caso dos outros países que mencionei, que não passaram por um processo tão draconiano de desestabilização do consenso democrático, o tal "impeachment”, e, em consequência, também recessão e desemprego, isso é uma mistura muito explosiva. Por isso, a ascensão da direita no Brasil não é um fato isolado, mas em comparação com a situação global, concentra e acentua os fatores de tal forma que torna o caso periclitante.

Jair Bolsonaro é o candidato mais à frente nas pesquisas de intenção de voto. Você acha que ele coloca em risco à democracia brasileira?

Tendo a achar que sozinho ele não coloca a democracia brasileira mais em risco do que já está. Assim com o ex-presidente Fernando Collor, em 1990, se eleito, ele teria uma base pífia no Congresso e dependeria totalmente das coalizões, quase inevitavelmente com grandes partidos do centro. A não ser que o Congresso fique ainda mais conservador. Quero ver ele enchendo os ministérios com generais se precisar satisfazer uma dúzia de partidos da base aliada. Mas duvido que sua eleição represente uma ameaça necessariamente maior à democracia do que agora com Michel Temer.

Como Temer representa uma ameaça à democracia?

Com a exclusão e precarização de milhões de pessoas por meio de políticas macroeconômicas, que impactam suas possibilidades de participação democrática, com o enfraquecimento de mecanismos e instituições da democracia, Exército na rua, manipulação do Judiciário, censura de professores universitários. A diferença do Bolsonaro seria provavelmente o tom, a retórica, o que não deixa de ter importância. Mas talvez até fique mais fácil perceber a ameaça à democracia, fazer oposição, quando um presidente Bolsonaro se manifesta de forma mais tosca e menos dissimulada do que agora ou num hipotético governo liderado por um partido de centro-direita que segue o mesmo caminho de Temer.

Há aqueles que falam que uma eleição do Fernando Haddad, candidato do PT, pode também levar a uma ameaça à democracia, diante do ódio que muitos têm pelo partido no Brasil. Você acha que isso é possível?

Trabalhando com a nova direita me assustei com sua firmeza estratégica. Muitas vezes eles próprios definem o seu caminho como uma "guerra cultural” para conquistar a juventude, principalmente por meio do ciberativismo. São hipsters, se apresentam como vanguarda, e parece que está funcionando. Um dos sintomas desta parcela da população é o antipetismo patológico, independente de políticas de um suposto governo do PT que poderiam beneficiá-los. Agora, tirando a nova direita, acredito que será difícil uma reconciliação com o centrão como ocorreu em 2003. Algo substancial mudou no Brasil nos quase 14 anos de governo do PT. Num determinado momento acabou a tolerância das elites econômicas com este projeto e com uma solução democrática de conflitos de interesse. Não vejo como e por que esta tolerância poderia voltar.

Se Haddad ganhar, será um confronto constante dos dois lados, não será possível contornar mais uma vez o miolo do problema e fazer paliativo: a manutenção do privilégio para alguns e a brutal exploração da maioria. Agora não sei se esta nova situação seria necessariamente uma ameaça à democracia.


Voltar


Comente sobre essa publicação...