Semana On

Segunda-Feira 17.dez.2018

Ano VII - Nº 332

Super Banner na capa e em toda a revista

Auau Miau

Cachorro pode comer pepino, mas berinjela é vetada

Veja os legumes e hortaliças permitidos para o seu amigão

Postado em 02 de Outubro de 2018   - Lívia Marra - Bom pra Cachorro

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Cachorro pode comer cenoura, beterraba ou salsão? Legumes e vegetais podem ser oferecidos como refeição ou apenas como petisco?

Segundo a veterinária e diretora operacional do aplicativo Dot Pet, Lara Torrezan, se alguns alimentos podem ser ótimos para a saúde dos pets, outros são perigosos e não devem ser consumidos.

Ela afirma que, sem excessos, legumes podem ser boas alternativas de petiscos. Mas se a decisão do tutor for por uma alimentação natural, legumes não devem ser o único ingrediente da refeição —e a dieta deve ser orientada por um veterinário nutrólogo.

“Precisamos considerar que rações de qualidade são produzidas com todos os nutrientes de forma equilibrada e balanceada de acordo com a necessidade de cada pet: peso, condição corporal do animal, seu estágio de vida, tamanho, entres outras particularidades. A alimentação natural também deve ser equilibrada e balanceada levando em consideração os mesmos indicadores.”

Antes de incluir qualquer alimento na dieta do pet, o veterinário deve ser consultado, para indicar quantidade e frequência —cada animal tem sua particularidade, e idade e problemas de saúde devem ser levados em conta.

Veja abaixo dez alimentos permitidos para cães e gatos, dez vetados e as explicações de Lara.

PERMITIDOS

– Abobrinha: além de conter vitamina A —que é boa para a visão pele e o bom desenvolvimento dos ossos e do sistema nervoso— a abobrinha é fonte rica em vitaminas do complexo B, que dão apoio ao sistema imunológico, digestivo e neurológico. O legume também contém minerais como magnésio, fósforo, cálcio, potássio e sódio.

– Beterraba: contém propriedades nutricionais que garantem o bom funcionamento do intestino. O tubérculo ainda fortalece o sistema imunológico, é fonte de ferro, potássio, fibras, proteínas, vitaminas B e C. Além disso, ajuda a regular a pressão, diminuir inflamações, relaxar os músculos e pode prevenir doenças cardíacas.

– Brócolis: alimento de pouquíssimas calorias, o brócolis contém diversas vitaminas como A, C, B1, B2, B6 e K e é rico em minerais como o potássio, ferro, zinco, cálcio e sódio. Além disso, possui propriedades anticancerígenas, melhora o sistema digestivo, reduz o colesterol e é benéfico especialmente para o sistema imunológico.

– Cenoura: fonte de vitamina A e betacaroteno, a cenoura melhora a qualidade da pele e da pelagem e garante o bom estado das vistas. Os sais minerais como cálcio sódio, fósforo, cloro e potássio ajudam na digestão e no sistema nervoso. A mastigação da cenoura ainda limpa os dentes sendo ótima para a saúde bucal.

– Chuchu: fonte de fibras e de fácil digestão, o chuchu é muito rico em água e ótimo para usar como petisco para animais que estão fazendo dieta.

– Couve-flor: O conteúdo nutricional da couve-flor é bastante parecido com o brócolis, com a diferença de que o brócolis contém mais caroteno e maiores quantidades de fibras alimentares. A couve-flor é carregada com vitaminas fonte de Vitamina C, K, B6, B1, B2, B3, Ácido Fólico e fibras solúveis.  Entre seus benefícios, destaca-se o fortalecimento do sistema imunológico, possível retardamento do envelhecimento, proteção contra a osteoporose, auxilio na digestão, além de sua potencial ajuda para manter os dentes limpos. Os cães podem comer couve-flor cru ou cozida —forma mais fácil para o animal mastigar e digerir. Tanto seus dentes como seu trato digestivo são projetados para mastigar e digerir a carne, então um vegetal crocante é bastante estranho aos seus corpos. Cozinhar significa que será mais fácil de mastigar e quebrar, então, se você vai alimentá-lo, é ideal o vapor ou assar primeiro.

– Ervilha: rica em vitamina A, C e K e pouco calórica, a ervilha auxilia no equilíbrio do colesterol, gordura e sódio. As proteínas de origem vegetal ainda desempenham um papel importante na regulação do açúcar no sangue. Os minerais como ferro, cálcio, zinco, cobre e manganês fortalecem o sistema imunológico.

– Pepino: É rico em água e pode ser uma excelente opção de petisco para os pets, principalmente para os precisam perder peso, uma vez que o pepino possui baixas calorias e alta quantidade de fibras, o que dá a sensação de saciedade. Esse legume também contém fitoquímicos que matam as bactérias na boca que originam o mau hálito. É rico em vitaminas (vitamina K, vitamina B, ácido pantotênico, vitamina C, vitamina B1 e biotina) e minerais (silício, cobre, magnésio, manganês, fósforo e potássio) que funcionam para regular a pressão arterial e proporcionam fortalecimento da imunidade. O legume também é rico em fitonutrientes, isto é, nutrientes poderosos que são encontrados nas plantas. Essas substâncias funcionam como antioxidantes e anti-inflamatórios, contribuindo na prevenção ou redução dos danos que os radicais livres causam às células, consequentemente diminuem os riscos de certas doenças como artrite, câncer e doenças cardíacas.

– Salsão:  Trata-se de uma excelente alternativa de petisco. Rico em fitonutrientes fenólicos com propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, possui vitamina K —importante para a saúde dos ossos e coagulação sanguínea— e fornece doses decentes de ácido fólico, potássio, fibras, manganês, vitamina B12, cobre, vitamina C, magnésio e vitamina A (na forma de carotenóides). É possível oferecer aos pets o salsão cru, cozido no vapor ou com as folhas trituradas e misturadas aos outros legumes.

– Vagem: altamente nutritiva é uma boa fonte de ferro e magnésio, minerais benéficos para o sistema imunológico e fortalecimento muscular. Atuam também na saúde das articulações e é rica em fibras, o que garante o bom funcionamento do intestino. Destaca-se ainda sua ajuda no controle dos níveis de açúcar no sangue.

COMO OFERECER?

Segundo a veterinária, para ser mais palatável e ter melhor absorção, os alimentos devem ser cozidos e oferecidos em pequenos pedaços.

O ideal é ferver os legumes, em média, por 15 minutos, para que permaneçam crocantes e preservem seus nutrientes.

De acordo com Lara, o caule e as plantas devem ser retirados de vegetais e legumes, pois eles comprometem a fisiologia normal do animal.

VETADOS

Confira alimentos que não devem ser oferecidos aos animais e os comentários da veterinária:

– Alho, alho poró e cebola: podem causar anemia hemolítica em cães e gatos quando, além de causar irritação gástrica ou até problemas mais graves. Isso porque alguns de seus componentes são tóxicos e capazes de oxidar a hemoglobina, cuja principal função é o transporte de oxigênio.

– Batata crua, jiló, pimentão, berinjela: há um perigo em comum nesses legumes: todos contêm um glicoalcalóide chamado solanina, que prejudica o sistema nervoso central e causa transtornos gastrointestinais.

– Brotos da batata: afetam o sistema nervoso central e podem causar problemas gastroentéricos nos pets.

– Mandioca brava: é absolutamente tóxica para os pets e não deve ser consumida em hipótese nenhuma. Sua ingestão pode causar problemas gastrointestinais, vômitos, cólicas, diarreias, midríase, cianose, problemas de coração e até matar.

– Tomate verde: não são legumes, são frutas. Tomates verdes não são um tipo diferente de tomate, são apenas tomates normais que ainda não amadureceram. Os cachorros de sítios e fazendas muitas vezes comem esses tomates devido ao seu fácil acesso. Essa fruta, quando verde, pode causar arritmias cardíacas, dificuldade de respirar, salivação abundante, diarreia e até vômito. Se você mora em um local onde tem pés de tomate, cerque-os para que os cães não tenham acesso.


Voltar


Comente sobre essa publicação...