Semana On

Sexta-Feira 05.mar.2021

Ano IX - Nº 432

Coluna

Pesquisa anima Delcídio

As notícias que fizeram a semana política em MS, com Marco Eusébio

Postado em 26 de Setembro de 2018 - Marco Eusébio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Delcídio do Amaral (PTC) ficou animado ao estrear em quarto lugar na pesquisa Ibope divulgada pela TV Morena, uma semana depois de registrar no TRE-MS sua candidatura ao Senado. Para o ex-senador, apesar da campanha curta, a projeção apresenta uma "perspectiva extremamente favorável". Ouça o áudio.

Na pesquisa Ranking: Nelsinho lidera, Moka passa Zeca e Delcídio estreia em 4º

Sobre a disputa das duas vagas de MS no Senado, a nova pesquisa Ranking divulgada pelo site Diário da Mídia, do Antônio (Tony) Ueno, de Campo Grande, aponta que Nelsinho Trad (PTB) segue na frente após oscilar de 38,16% para 38,25% em comparação à divulgada na sexta-feira anterior (veja aqui) e que Waldemir Moka (MDB) foi de 19,41% para 21,58% e passou Zeca do PT que oscilou de 19,41% para 19%, mas os dois mantiveram o empate técnico na margem de erro de 2,83 pontos para mais ou para menos.

Delcídio do Amaral (PTC), incluído pela primeira vez depois de registrar candidatura na semana passada, aparece em quarto com 14.25%, seguido de Dorival Betini (PMB) que foi de 10,33% para 12,16%, de Marcelo Miglioli (PSDB) que foi de 10,16% para 11,58% e de Sergio Harfouche (PSC) que oscilou de 11,83% para 10,41%.

Dos demais, Soraya Thronicke (PSL) foi de 3,58% para 5,58%, Gilmar da Cruz (PRB) de 4,58% para 5,50%, Beto Figueiró (Podemos) de 2,83% para 3,33%, Mario Fonseca (PCdoB) de 2% para 2,08%, Thiago Freitas (PPL) de 2,66% para 1,91% e Anisio Guató (Psol) de 2,16% para 1,66%. Brancos, nulos e indecisos são 52.30% e o site explica que com duas vagas ao Senado a soma ultrapassa os 100% devido a múltiplas respostas. A pesquisa ouviu 1.200 eleitores, de 20 a 24 (segunda-feira) e está registrada na Justiça Eleitoral com nº MS-07535/2018 e nº BR-03768/2018.

Troca de acusações de Odilon e Azambuja marca debate de candidatos ao governo

A troca de acusações entre os dois principais colocados nas pesquisas – o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e o juiz aposentado Odilon de Oliveira (PDT) – marcou o segundo debate dos candidatos ao governo de MS promovido pelo site Midiamax, que voltou a reunir todos os candidatos, incluindo Júnior Mochi (MDB), Humberto Amaducci (PT), João Alfredo (Psol) e Marcelo Bluma (PV).

Logo nas apresentações iniciais, Odilon, em alusão à Operação Vostok da PF, mirou o atual governo defendendo a necessidade de enfrentar a corrupção" que "prejudica a imagem" de MS. Azambuja reagiu, afirmando que corrupção deve ser banida "principalmente no Judiciário, porque aqui ninguém é juiz, aqui todo mundo é candidato" e citou que "sumiu o dinheiro da sala de um juiz que se prega como dono da moral".

Durante o debate, novas trocas de farpas levaram o juiz a ganhar direito de resposta para se defender de acusações de irregularidades na vara federal que esteve sob seu comando. Veja em vídeo a íntegra do debate.

Odilon promete processar Azambuja

O juiz aposentado Odilon de Oliveira, candidato ao governo de MS pelo PDT, disse à Rádio Caçula, de Três Lagoas, que vai processar o governador e candidato à reeleição Reinaldo Azambuja (PSDB) pelas acusações feitas contra ele no debate promovido na noite anterior em Campo Grande pelo Midiamax. Questionado por Odilon sobre sua proposta para combater a corrupção, o tucano afirmou que sumiram R$ 11 milhões da Vara da Justiça Federal onde o adversário era juiz. "O Ministério Público Federal mandou te investigar porque o seu primo que veio com você lá do nordeste para o Mato Grosso denunciou que você sumiu com R$ 11 milhões da Vara que você administrava. Desapareceu da sua sala” disparou, acrescentando que o juiz seria acusado de vender sentenças. "O senhor governador vai ter que provar aquilo que disse, de que eu desviei dinheiro", disse Odilon à rádio. Ouça abaixo a declaração do governador no debate.

Azambuja vai a 36,25%, Odilon 25,26% e Mochi 20,41% diz pesquisa Ranking

Pesquisa Ranking Comunicação & Pesquisa sobre a disputa pelo governo de MS divulgada hoje pelo site Diário da Mídia, do Antônio (Tony) Ueno, de Campo Grande, diz que em comparação à anterior, Reinaldo Azambuja (PSDB) subiu de 32,50% para 36.25% na estimulada (quando nomes dos candidatos são mostrados ao eleitor), o segundo colocado Juiz Odilon (PDT) oscilou de 24,25% para 25.16% e o terceiro Junior Mochi (MDB) de 19,08% para 20.41%.

Dos demais, Humberto Amaducci (PT) oscilou de 2,16% para 3.41%, Marcelo Bluma (PV) de 1,33% para 2.08% e João Alfredo (Psol) de 0,41% para 0.83%. Brancos, nulos e indecisos eram 15,59% e agora são 11.86%. A pesquisa ouviu 1.200 eleitores, de 20 a 24 (segunda-feira), tem margem de erro de 2,83 pontos para mais ou para menos e está registrada na Justiça Eleitoral com nº MS-07535/2018 e nº BR-03768/2018.

Ibope aponta para governador de MS Azambuja com 40% e juiz Odilon com 29%

A segunda pesquisa Ibope sobre a disputa pelo Governo de Mato Grosso do Sul divulgada hoje pela TV Morena (afiliada Globo) mostra que o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) manteve a liderança passando de 39% para 40% em relação a pesquisa divulgada em agosto, apesar da Operação Vostok que atingiu sua gestão. O juiz Odilon de Oliveira (PDT) avançou em segundo de 24% para 29%. Os demais estão distantes: Júnior Mochi (MDB) foi de 3% para 5%, Humberto Amaducci (PT) de 2% para 4%, João Alfredo (PSol) e Marcelo Bluma (PV) mantiveram os 2% cada. Brancos e nulos caíram de 17% para 10%. Não souberam ou não responderam eram 9% e agora são 11%.

Em rejeição, Azambuja lidera com 24%, seguido por Bluma 22%, Amaducci, João Alfredo e Mochi 19% cada, Odilon 14%. Poderia votar em todos 7% e não sabem ou não responderam 28%. Com margem de erro de 3 pontos para mais ou para menos, a pesquisa ouviu 812 eleitores em 30 municípios de MS de sexta (21) a domingo (23) e está registrada no TRE-MS com nº MS-03695/2018 e no TSE com nº BR?03166/2018.

Casa de candidato é alvo de busca da Polícia Federal em Campo Grande

A Polícia Federal cumpriu em Campo Grande quatro mandados de busca e um de sequestro de veículo em apoio à Promotoria do Patrimônio Público, em investigação sobre desvio de verbas públicas repassados à instituição de microcrédito Credquali, antigo “Banco do Cidadão”, ligada à Fundação de Trabalho de Mato Grosso do Sul (Funtrab). Um dos alvos foi o presidente estadual do PRB e candidato à Câmara dos Deputados, Wilton Acosta, ex-presidente da Funtrab.

O advogado Luiz Carlos Bueno, que acompanhou a busca, afirmou ao Correio do Estado que nenhum documento foi apreendido na casa do cliente, em condomínio no Parque dos Poderes. O advogado disse que Acosta já havia prestado esclarecimentos, está à disposição da justiça. "Ele era diretor da Funtrab, sim, é fato. Mas não jamais ocupou qualquer cargo de gestão na instituição investigada [Crediqualli]. Quem deve prestar esclarecimentos agora é o diretor da instituição", disse Bueno.

Juiz proíbe protesto em Aquidauana no sábado, dia de ato de apoio a Bolsonaro

A pedido do grupo Direita MS, que marcou carreata em favor da candidatura de Jair Bolsonaro para este sábado (29) em Aquidauana, o juiz Juliano Duailibi Baungart, da 10ª Zona Eleitoral do município, proibiu a realização de ato contra o candidato marcado para o mesmo dia na cidade, como parte dos protestos denominados "Mulheres contra Bolsonaro".

No despacho, o juiz diz que a carreata em favor do candidato foi informada à Polícia Militar local na segunda-feira (24) e só depois o movimento contrário anunciou protesto para o mesmo dia. "Em que pese tenham sido marcadas para lugares distintos, a sede do município de Aquidauana é pequena e certamente essa pretensão de que ambas aconteçam ao mesmo tempo tem por objetivo o enfrentamento e a desordem, o que não será tolerado pelo Poder Judiciário", diz o juiz, que determinou que o protesto contra Bolsonaro seja marcado para outra data e comunicado ao juízo.

Em áudio, Bolsonaro diz que não poderá voltar ao Mato Grosso do Sul até a eleição

Em áudio via WhatsApp enviado ao seu correligionário, Coronel David, candidato à Assembleia de MS pelo PSL, o presidenciável Jair Bolsonaro, ainda internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, diz que está "começando a poder falar", desejou "boa sorte" ao coronel e a todos os candidatos do PSL, agradeceu as orações e afirmou: "infelizmente não vou poder voltar ao Mato Grosso do Sul até as eleições, mas vamos juntos trabalhar até o último segundo, se Deus quiser chegaremos lá". Ouça

Candidato aposta em 'efeito Bolsonaro' para eleger deputado em MS

Candidatos da "Chapa 2" para deputado federal da coligação encabeçada pelo governador Azambuja (PSDB) apostam em uma expressiva votação em Jair Bolsonaro (PSL) em MS para ajudar o grupo. Um desses candidatos, Vitor Eugênio Filho (PTB), o Tatão, acredita que o PSL terá muitos votos de legenda pelo "efeito Bolsonaro" que, avaliação dele, pode ajudar a chapa eleger dois. Além do PTB e do PSL do médico Luís Ovando, Tio Trutis, Sindolei e Zé da Viola, a "Chapa 2" inclui o PSB do deputado federal Elizeu Dionízio; o PSC da radialista Keliana, de Dourados; o SD do Salomão de Três Lagoas e mais sete candidatos.

TSE autoriza Grandão a fazer campanha

Com a candidatura à reeleição impugnada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MS) a pedido do MP com base na Lei da Ficha Limpa por causa de condenação no caso da   "Máfia das Sanguessugas" sobre ambulâncias superfaturadas em 2006, o deputado estadual João Grandão (PT) poderá continuar a campanha e aparecer no horário eleitoral, até que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) julgue seu recurso. A decisão é do ministro Tarcisio Vieira de Carvalho Neto, do TSE, a pedido da defesa do petista.


Voltar


Comente sobre essa publicação...