Semana On

Segunda-Feira 15.out.2018

Ano VII - Nº 324

Governo

Comportamento

Existem quatro tipos de personalidades, afirma estudo

Análise de dados aprofunda o conhecimento estabelecido pela psicologia nas últimas décadas

Postado em 18 de Setembro de 2018   - Galileu

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Pesquisadores da Northwestern University, nos Estados Unidos, examinaram dados de mais de 1,5 milhão de pessoas e descobriram que existem pelo menos quatro grupos distintos de personalidade: regular, reservada, egocêntrica e exemplar. As descobertas desafiam paradigmas existentes na psicologia.

Publicado na revista Nature Human Behavior, o estudo utilizou questionários com 44 a 300 perguntas, nos quais voluntários se candidataram para responder em troca de ter mais informações sobre a própria personalidade. 

"As pessoas tentaram classificar os tipos de personalidade desde o tempo de Hipócrates, mas a literatura científica descobriu que isso não fazia sentido", disse William Revelle, professor de psicologia na Faculdade de Artes e Ciências de Weinberg, nos EUA. 

"Agora, esses dados mostram que há densidades mais altas de personalidades", falou Luís Amaral, da McCormick School of Engineering. "Os tipos de personalidade só existiam na literatura de autoajuda e não tinham lugar nas revistas científicas. Achamos que isso vai mudar por causa deste estudo."

A partir das respostas dos questionários, os especialistas apontaram os cinco traços básicos de personalidade: neuroticismo, extroversão, abertura a novas experiências, simpatia e conscienciosidade. Depois de desenvolver novos algorítmos, surgiram quatro tipos de personalidades. 

Regular
Pessoas regulares são ricas em neuroticismo e extroversão, e apresentam baixos níveis de abertura a novas experiências. As mulheres são mais propensas do que os homens a entrar nessa categoria. 

Reservada
O indivíduo reservado é emocionalmente estável, mas não tem abertura ou neuroticismo. Não é extrovertido, mas é agradável e consciente. 

Exemplar
Pessoas exemplares pontuam baixo em neuroticismo e alto em todas as outras características. Há mais mulheres nesta categoria. A probabilidade de alguém ser exemplar aumenta com a idade. "São pessoas confiáveis ​​e abertas a novas idéias", falou Amaral. "Essas são pessoas boas para se encarregarem das coisas. Na verdade, a vida é mais fácil se você tiver mais negócios com exemplares." 

Egocêntrica
Esse grupo pontua muito em extroversão e abaixo da média em abertura, simpatia e consciência. "São pessoas com quem você não quer sair", afirmou Revelle. Há uma diminuição dramática no número de egocêntricos à medida que as pessoas envelhecem, tanto com mulheres quanto com homens.

Segundo Amaral, a primeira tentativa dos especialistas de classificar os dados utilizou algoritmos de agregação tradicionais, mas isso gerou resultados imprecisos.

"No começo, vieram 16 tipos de personalidade, e há pesquisas o suficiente para que soubesse que isso era ridículo", declarou Revelle. "Eu acreditava que não havia tantos tipos."

Por isso, os pesquisadores desenvolveram um novo método, reduzindo as possibilidades de agregação dos algorítmos. Esse procedimento revelou os quatro grupos. 

Para ter certeza de que as categorias eram precisss, eles usaram um grupo de egocêntricos – garotos adolescentes – para validar as informações. "Sabemos que os adolescentes se comportam de maneira egocêntrica", disse Amaral. "Se os algorítmos estivessem corretos e selecionados para dados demográficos, os resultados apontariam para os egocêntricos como o maior grupo de pessoas naquela situação."

De acordo com os especialistas, esta pesquisa pode ajudar profissionais de saúde a avaliar as pessoas com personalidades extremas. Além disso, pode colaborar com a seleção de candidatos em vagas de emprego ou até para quem está procurando um parceiro amoroso. 

A análise também aponta que, à medida que as pessoas amadurecem, seus tipos de personalidade mudam. Por exemplo, pessoas mais velhas tendem a ser mais conscientes e simpáticas do que aquelas com menos de 20 anos de idade. "Quando olhamos para grandes grupos de pessoas, fica claro que há tendências", afirmou Amaral. "Algumas pessoas podem mudar suas características ao longo do tempo."


Voltar


Comente sobre essa publicação...