Semana On

Quarta-Feira 19.set.2018

Ano VI - Nº 320

Super Banner na capa e em toda a revista

Poder

Ibope e Datafolha trazem Bolsonaro na frente e empate entre Ciro, Marina, Alckmin e Haddad

Bolsonaro é o mais rejeitado, apontam ambas as pesquisas

Postado em 14 de Setembro de 2018   - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Pesquisa Ibope divulgada no dia 11 indica que cresceu a vantagem do candidato Jair Bolsonaro (PSL) sobre seus adversários na comparação com levantamento feito pelo instituto entre os dias 1º e 3.

Bolsonaro aparece com 26% (quatro pontos a mais), e Ciro Gomes (PDT), com 11%. O pedetista está em empate técnico com outros três candidatos: Marina Silva (Rede) e Geraldo Alckmin (PSDB), com 9%, e Fernando Haddad (PT), com 8%. Os números do Ibope são mais favoráveis para o presidenciável do PSL, que se recupera de ferimentos no abdômen após um atentado, em relação à pesquisa divulgada nesta semana pelo Datafolha (veja abaixo).

Veja as intenções de votos alcançadas pelos 13 candidatos, segundo o Ibope:

Jair Bolsonaro (PSL): 26%
Ciro Gomes (PDT): 11%
Marina Silva (Rede): 9%
Geraldo Alckmin (PSDB): 9%
Fernando Haddad (PT): 8%
Alvaro Dias (Podemos): 3%
João Amoêdo (Novo): 3%
Henrique Meirelles (MDB): 3%
Vera (PSTU): 1%
Cabo Daciolo (Patriota): 1%
Guilherme Boulos (Psol): 0%
João Goulart Filho (PPL): %
Eymael (DC): 0%

Brancos e nulos somam 19%. Não responderam 7%. O Ibope ouviu 2.002 eleitores entre 8 e 10 de setembro. O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral (BR-05221/2018). A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos e o nível de confiança é de 95%.

No levantamento anterior, feito entre 1º e 3 de setembro, Bolsonaro aparecia com 22%; Ciro com 11%, e Marina com 12%. Alckmin tinha 9%; Haddad, 6%, e Alvaro Dias (Podemos), 3%.

Segundo turno

O Ibope também fez simulações de segundo turno. Em todas o cenário é de empate técnico, ou seja, está dentro da margem de erro:

Ciro 40% x 37% Bolsonaro
Brancos/nulos: 18%
Não sabe/não respondeu: 4%

Alckmin 38% x 37% Bolsonaro
Brancos/nulos: 21%
Não sabe/não respondeu: 4%

Bolsonaro 38% x 38% Marina
Brancos/nulos: 20%
Não sabe/não respondeu: 4%

Haddad 36% x 40% Bolsonaro
Brancos/nulos: 19%
Não sabe/não respondeu: 5%

Rejeição

Jair Bolsonaro também lidera o índice de rejeição. Veja os números:

Jair Bolsonaro: 41%
Marina Silva: 24%
Fernando Haddad: 23%
Geraldo Alckmin: 19%
Ciro Gomes: 17%
Henrique Meirelles: 11'%
Cabo Daciolo: 11%
Eymael: 11%
Guilherme Boulos: 11%
Vera Lúcia: 11%
João Amoêdo: 10%
Alvaro Dias: 9%
João Goulart Filho: 8%
Poderia votar em todos: 2%
Não sabe/não respondeu: 11%.

Bolsonaro mantém liderança da corrida com 24% após ataque, diz Datafolha

Bolsonaro manteve a liderança da corrida presidencial após o início da propaganda eleitoral no rádio e na televisão e o atentado que sofreu na semana passada, de acordo com a nova pesquisa realizada pelo instituto Datafolha. Segundo o levantamento, Bolsonaro tem 24% das intenções de voto.

Na pesquisa anterior do Datafolha, realizada nos dias 20 e 21 de agosto, antes do início do horário eleitoral, Bolsonaro tinha 22% das intenções de voto. A oscilação observada desde então está dentro da margem de erro da pesquisa, que é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Quatro candidatos aparecem empatados em segundo lugar, dentro da margem de erro. Ciro Gomes tem 13% das intenções de voto, Marina Silva está com 11%, Geraldo Alckmin aparece com 10% e Fernando Haddad, com 9%.

O Datafolha entrevistou 2.804 eleitores de 197 municípios no dia 10. A pesquisa foi realizada em parceria com a TV Globo. O primeiro turno das eleições está marcado para 7 de outubro, daqui a quatro semanas.

O novo levantamento mostra que Bolsonaro é o candidato com maior rejeição hoje. Segundo o Datafolha, 43% dos eleitores dizem que não votariam de jeito nenhum no capitão reformado do Exército. A resistência é maior entre mulheres (49%), os mais jovens (55%) e no Nordeste (51%). 

A alta rejeição explica o mau desempenho de Bolsonaro nas simulações feitas pelo Datafolha para o segundo turno da disputa. De acordo com os cenários estudados, ele perderia para Alckmin, Marina e Ciro e chegaria à segunda rodada da eleição empatado com Haddad se ela fosse realizada hoje. 

A pesquisa mostra também que a vantagem de seus adversários sobre ele em algumas dessas simulações aumentou. Se o segundo turno fosse hoje, Alckmin e Marina teriam 43% no confronto com Bolsonaro, Ciro alcançaria 45% e o capitão oscilaria entre 34% e 37%. 

A disputa seria mais acirrada se Bolsonaro chegasse ao segundo turno com Haddad. Se fosse hoje, o candidato petista teria 39% e seu adversário, 38%. 

A pesquisa mostra que Lula mantém o poder de transferir boa parte de seu prestígio a outro candidato. Apesar do veto da Justiça à sua candidatura, o PT pode apresentá-lo como apoiador na propaganda eleitoral, usando imagens que ele gravou antes da prisão.

Segundo o Datafolha, 33% dizem que votariam com certeza num candidato indicado pelo líder petista e 39% já identificam Haddad como seu provável substituto. O ex-prefeito de São Paulo dominou os programas do PT na primeira semana do horário eleitoral.

Ainda pouco conhecido, Haddad cresceu especialmente no Nordeste, o mais fiel reduto de Lula. Ele alcançou 13% das intenções de voto na região e aparece empatado ali com Bolsonaro, que tem 14%.

Na disputa pelo segundo lugar da corrida, Haddad foi quem mais cresceu nas últimas duas semanas. Ciro e Alckmin tiveram variações positivas, mas dentro da margem de erro. Marina perdeu apoio com o horário eleitoral.

Segundo o Datafolha, os eleitores de Bolsonaro são os mais convictos hoje. Entre os seus apoiadores, 74% dizem estar totalmente decididos e só 26% admitem mudar de ideia. 

Os eleitores de Haddad estão mais decididos do que os dos outros candidatos que estão embolados na disputa pelo segundo lugar da corrida. Os menos convictos são os eleitores de Marina, dos quais 71% admitem mudar.


Voltar


Comente sobre essa publicação...