Semana On

Sábado 24.ago.2019

Ano VII - Nº 360

Coluna

Ex-assessor diz à Folha que Odilon abria brechas para escutas clandestinas

As notícias que fizeram a semana política em MS, com Marco Eusébio

Postado em 29 de Agosto de 2018 - Marco Eusébio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Candidato ao Governo de MS, o juiz Odilon de Oliveira (PDT) virou notícia da Folha de S.Paulo, alvo DE acusações feitas por ex-assessor, o bacharel em direito Jedeão de Oliveira, de 49 anos que, conforme o jornal, procurou o MPF para fazer um acordo de colaboração premiada e acusa o magistrado de ter concedido à Polícia Federal autorizações genéricas de interceptações telefônicas, o que abria espaço para gravações clandestinas. Jedeão também diz que o juiz mandava inflar dados divulgados à imprensa sobre a apreensão de bens, a fim de "manter a aura de magistrado implacável e inimigo dos poderosos". Odilon negou irregularidades e disse à Folha que as acusações são de "fundo político". "Ele quer jogar lama no ventilador para atinGir qualquer pessoa e afastar dele qualquer possibilidade [de investigação]", afirmou ao jornal. A PF também negou irregularidades.

Juiz Odilon diz em nota que matéria da Folha tem conotação política

O juiz aposentado Odilon de Oliveira, rebateu denúncias feitas contra ele pelo ex-servidor da Justiça Federal de Campo Grande, Jedeão de Oliveira (leia a nota acima). Na nota, Odilon afirma que a notícia tem "motivação política" e o "título já deixa claro isso ao se referir ao magistrado como '…juiz candidato…'". O juiz afirma o ex-servidor foi exonerado a seu pedido, virou alvo de inquérito policial, e assegura que a "Justiça Federal, a PF o MPF nunca estiveram envolvidos com escutas telefonônicas ilegais". Rebate que tais acusações foram feitas como "mera estratégia de defesa" e para atender "interesses de adversários políticos". "Com certeza, o ex-servidor deverá responder na Justiça o processo pelo desvio dos recursos na Vara Federal e também por essas acusações falsas contra o juiz Odilon e as instituições citadas", acrescenta. Leia aqui a íntegra no site do juiz.

Juiz Odilon afirma que vai pedir à PF abertura de inquérito para investigá-lo

O juiz aposentado Odilon de Olivera, candidato ao governo de MS pelo PDT, disse que vai pedir à Polícia Federal abertura de inquérito para apurar acusações feitas contra ele por seu ex-assessor Jedeão de Oliveira (leia as duas notas acima).

"Depois de dois anos que o ex-servidor foi exonerado só agora, a dois dias do início do programa eleitoral no rádio e na televisão ele vem distribuir as informações à imprensa. A pedido ou a mando de quem", disse Odilon à Rádio Caçula, de Três Lagoas. Em campanha no interior, o juiz afirmou que ao retornar a Campo Grande vai "requerer que a PF abra inquérito para investigar cada item", e justificou: "os supostos delitos de que me acusam teriam sido praticados no exercício do meu cargo de juiz federal, contra interesses da União. Logo, as investigações devem ser feitas pela Polícia Federal".

Odilon citou que a imprensa divulgou hoje que o MPF rejeitou em julho acordo de delação de Jedeão, por falta de provas. Depois, o ex-assessor levou o caso à imprensa, o que reforçaria a finalidade política das denúncias.

Tucano devora jacaré no Mercadão

Reinaldo Azambuja fez uma rara aparição de campanha quinta-feira passada, em Campo Grande. O governador tucano amanheceu no Mercadão Municipal, que está completando 60 anos, e apreciou uma exótica iguaria vendida no local, o pastel de carne de jacaré.

Vizinhos do Shopping China anunciam 'Black Cagaday' na fronteira com MS

Moradores do bairro Defensores del Chaco, vizinho ao Shopping China, em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia vizinha a Ponta Porã (MS), prometem fazer no dia 6 de setembro o "Black Cagaday", um protesto contra o esgoto do centro comercial que estaria sendo lançado às ruas da região, gerando mal cheiro e risco constante de doenças, informam os sites Amambay News e Frontera Seca News, da região. Conforme o noticiário local, os funcionários alegam que shopping tem estação de tratamento, e que o esgoto nas ruas viria de Ponta Porã. A comunidade, entretanto, diz que em dias de grande fluxo de clientes, em promoções como a Black Friday Fronteira, o excesso de esgoto do shopping vaza nas ruas. Um dos moradores divulgou no WhatsApp o áudio abaixo em que apela a moradores de Campo Grande, de Ponta Porã e outras cidades para que continuem comprando lá, mas evitem defecar no local.

Árvores com ninhos de araras agora são protegidas por lei em Campo Grande

Lei municipal nº 6.075 publicada nesta semana proíbe o corte, derrubada, remoção ou sacrifício de árvores que abriguem ninhos de arara canindé (Ara ararauna) e arara vermelha (Ara chloropterus) em Campo Grande. A proibição, sancionada pelo prefeito Marquinhos Trad, se estende a locais públicos e privados, mesmo se a árvore estiver "morta". Em casos excepcionais, a remoção dessas árvores deverá ser autorizada por laudo técnico de órgão ambiental. Quem descumprir a lei, está sujeito as penalidades por crime ambiental, conforme a legislação federal.

Debate ao vivo com candidatos de MS

Na segunda-feira (3), a partir das 20h, acontece o primeiro debate dos candidatos ao Governo de Mato Grosso do Sul com transmissão ao vivo pela internet e por emissoras de rádio, que será promovido pelo site de notícias Midiamax. Os seis candidatos foram convidados e confirmaram presença, diz o jornal eletrônico: Humberto Amaducci (PT), João Alfredo (Psol), juiz Odilon (PDT), Júnior Mochi (MDB), Marcelo Bluma (PV) e Reinaldo Azambuja (PSDB). Além dos canais do site no Youtube e Facebook, o debate terá transmissão das rádios Difusora Pantanal, Caçula e Grupo Feitosa de Comunicação.

Prefeita do MDB declara apoio a Azambuja

Embora filiada ao MDB, que tem como candidato ao Governo de MS o deputado estadual Júnior Mochi, a prefeita Marlene Bossay, de Miranda, anunciou que, após conversar com lideranças aliadas, decidiu apoiar a reeleição do governador Reinaldo Azambuja (PSDB). "Desde que assumimos a Prefeitura, o Governador tem sido um parceiro importante, e temos a certeza que muito mais virá por aí", escreveu a emedebista.

Fora do time de Marun

O coordenador regional da Funai de Campo Grande, Paulo Rios Júnior, que foi indicado ao cargo por Carlos Marun, com quem atuava há dez anos no time de assessores, confirmou que não integra mais o grupo político do ministro chefe da Secretaria de Governo. "Por enquanto eu saí da estrutura do ministro, não me sinto mais a vontade de estar na sua estrutura", resumiu Paulo Rios, sem querer explicar detalhes do rompimento.


Voltar


Comente sobre essa publicação...