Semana On

Segunda-Feira 20.jan.2020

Ano VIII - Nº 376

Coluna

Uma quase dupla

A comédia policial chega ao cinema tupiniquim

Postado em 25 de Julho de 2018 - Danilo Custódio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Inspirado nas obras de comédia policial pastelão dos anos 80 produzidas pelo cinema americano, que resultaram inclusive em alguns clássicos interpretados por Mel Gibson e Danny Glover (“Máquina mortífera”), Jackie Chan e Chris Tucker (“A hora do rush”), Russel Crowe e Ryan Gosling (“Dois caras legais”), além é claro de Leslie Nielsen (“Corra que a polícia vem ai”), chega nas telonas brasileiras Uma quase dupla, de Marcus Baldini, diretor traz na bagagem os sucessos de bilheteria Bruna Surfistinha (2011) e Os Homens São de Marte… E é pra Lá que Eu Vou! (2014).

Tatá Werneck e Cauã Reymond ficam responsáveis por fazer o público se divertir. Apesar de muitos críticos o considerarem um filme mediano, dando ênfase à atuação fraca de Cauã e a dicção ruim da Tatá, a brincadeira promete ser divertida. Porém, não espere muito, uma vez que seu desempenho não está acima das convencionais comédias para entreter a classe média brasileira, que a Globo Filmes adora produzir. Uma quase dupla chega ao circuito comercial brasileiro com força, estreando em muitas salas em todos os estados brasileiros. Tá afim de dar umas risadas? Então se programe pra ver ;)

Enquanto isso, em Brasília

Nas entrelinhas do Decreto nº 9.411/2018, editada no último dia 19 pelo Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão, fica estabelecida as novas atribuições para a Secretaria do Audiovisual (SAv). O que era exclusivo da Agência reguladora do audiovisual brasileiro, a Ancine, de “estabelecer critérios para a aplicação de recursos de fomento e financiamento à indústria cinematográfica e videofonográfica nacional”, fica a cargo agora da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura. Retirar as atribuições de uma agência reguladora de um setor estratégico da indústria nacional para realoca-los a uma secretaria de ministério só interessa ao próprio governo, não ao setor que ela representa. O resultado disso foi o pedido irrevogável de demissão do Secretário do Audiovisual, João Batista da Silva, um funcionário de carreira que estava desde 1995 no ministério.

O ápice da discórdia foi a Medida Provisória nº 841 (MP nº 841/2018), pela qual Temer criou o Fundo Nacional de Segurança Pública. A fonte de recursos encontrada para alimentar esse fundo foi a receita advinda das loterias federais, comprometendo a manutenção do financiamento do sistema desportivo brasileiro e reduzindo drasticamente a participação dessas loterias na composição do Fundo Nacional de Cultura (FNC), do MinC. Segundo exame preliminar, o porcentual do FNC, que era de 3%, poderá cair a partir de 2019 para 1% e 0,5%. Mais de 1,5 bilhão de reais das loterias já deixaram de ser repassados ao FNC e o MinC já teve mais de 40% de recursos contingenciados. Para 2019, a estimativa é que o orçamento do MinC perca mais 30% de seus recursos, de acordo com a proposta atual do Ministério do Planejamento.


Voltar


Comente sobre essa publicação...