Semana On

Quarta-Feira 27.mai.2020

Ano VIII - Nº 394

Poder

Sem Lula, Tarso admite apoiar Boulos ou Manuela para a Presidência

Frente de esquerda planeja marcha e fechamento de acesso a Brasília em apoio a Lula

Postado em 13 de Julho de 2018 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Depois do ex-governador da Bahia Jaques Wagner, foi a vez do ex-governador do Rio Grande do Sul Tarso Genro admitir a possibilidade de apoiar um candidato de outro partido, caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja impedido de disputar a Presidência.

Mesmo confrontado com a hipótese de o PT ter um substituto a Lula, o chamado Plano B, Tarso afirma que poderá apoiar Guilherme Boulos (PSOL) e Manuela D’Ávila (PC do B). Ele exclui o pedetista Ciro Gomes de sua lista.

“Lula é o meu candidato até o último minuto. Se ele não for, estou aberto ao melhor candidato que unifique a esquerda. Boulos e Manuela são dois grandes nomes”, afirmou.

Na noite do último dia 9, durante o debate promovido pelo INP (Instituto Novos Paradigmas), Tarso foi mais enfático. Ao lado do candidato do PSOL, Genro definiu a figura de Boulos como marcante na política brasileira.

“Se o presidente Lula, que é o maior e mais completo líder popular do país, não for o candidato, porque está sob ataque de um violento processo de lawfare, eu vou te apoiar, por uma série de razões que estamos inclusive debatendo aqui”, disse Genro a Boulos.

A exemplo de Boulos, o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, defendeu unidade dos partidos de esquerda.

“Hoje, temos bons níveis de unidade porque essa unidade é defensiva, mas e fora da ideia defensiva? Este tipo de reunião é importante para pensar juntos, com generosidade. Nós estamos dispostos a colocar o que temos a serviço desse processo político. Esse é o nosso gesto”, afirmou.

Os deputados petistas Mária do Rosário e Henrique Fontana participaram do debate. Na manhã de ontem, às portas do PT,  Wagner defendeu que o partido apoie o candidato de outro partido se Lula não concorrer.

Segundo Wagner, lançar um plano B seria se render a uma imposição da Justiça. “Sou contra escalar um substituto”, afirmou.

Convidada por Genro, que é presidente do conselho do instituto, Manuela não participou do encontro.

Marcha

A Frente Brasil Popular e a Via Campesina realizará uma marcha a Brasília no dia 15 de agosto para registro da candidatura do petista. 

Os cerca de 5.000 manifestantes partirão, em três colunas, no dia 10 de agosto rumo ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), percorrendo 80 quilômetros até a capital. 

Os militantes planejam fechar as principais entradas de Brasília, chegando pela Asa Norte, Asa Sul e Eixo Monumental.

 A última marcha nacional organizada pelo movimento aconteceu em 2005 durante o governo Lula.

As colunas percorrerão a BR 020, BR 040 e BR 060, passando por mais de 20 cidades ao redor de Brasília.

Nesta semana, Via Campesina e CUT realizam reunião para organização da marcha e as ações conjuntas da paralisação do dia 10, ponto de partida da caminhada. A marcha será batizada de “Lula Livre, o povo decide”.


Voltar


Comente sobre essa publicação...