Semana On

Domingo 25.ago.2019

Ano VII - Nº 360

Comportamento

A culpa como fruto da maternidade perfeita

Concorrência entre mães e a pressão para ser a mãe perfeita criam uma lista de exigências, a começar pela amamentação e o parto normal.

Postado em 04 de Junho de 2014 - Redação Semana On

Concorrência entre mães e a pressão para ser a mãe perfeita criam uma lista de exigências, a começar pela amamentação e o parto normal. Concorrência entre mães e a pressão para ser a mãe perfeita criam uma lista de exigências, a começar pela amamentação e o parto normal.

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Até seu filho completar seis meses, Shirley Hilgert, 35, tinha vergonha de dar mamadeira para ele em público. "Se alguém visse, já perguntava: 'Por que você não dá o peito?'. Ele tem alergia alimentar e optei pela fórmula de leite em pó, mas não adiantava explicar. Eu ficava péssima, pensava que não era mãe o suficiente porque não amamentava meu filho."

Juliana Freire Silveira, 34, pensou durante a gravidez toda que teria um parto normal, mas na hora H teve uma complicação e acabou decidindo por fazer cesariana. "Fiquei superchateada. Pensava: Por que não consegui?".

As duas histórias, além de ilustrar as muitas culpas da maternidade, podem ser vistas como efeitos de um cenário mais amplo, em que a concorrência entre mães e a pressão para ser "a mãe perfeita" criam uma lista de exigências, a começar pela amamentação e o parto normal.

"A maternidade é muito idealizada. Há um discurso, que a gente vê nos comerciais e na internet, de que é tudo lindo e fácil. A realidade não é bem assim, tem muitas dificuldades", afirma Juliana.

Mães de verdade

Ela criou, com a melhor amiga, Renata Calazans Pires, 34, o blog "Just Real Moms" (apenas mães reais), que vai na direção oposta dos blogs que retratam a maternidade cor-de-rosa.

Em um dos posts, chamado "10 Confissões de uma Mãe Real", elas contam que já deixaram os filhos sem tomar banho e sem escovar os dentes; em outro texto, admitem que amamentar dói muito no começo.

"Recebemos comentários dizendo: 'Ufa, que alívio, não sou a única a pensar/fazer isso'. Parece que as mães estão esperando que alguém diga que a maternidade tem dificuldades. Quando enfrentam problemas, elas se culpam e sentem vergonha de falar", diz Renata.

Outro lado

A pedagoga Nathália Nunes Cantanhede, 31, ficou surpresa ao descobrir que amamentar era muito mais difícil do que ela pensava. "Achava que era natural. Na TV tem aquelas propagandas lindas de artistas amamentando com cara de rica."

Não foi bem assim. Apesar de conseguir dar de mamar, seu filho não ganhava muito peso. "Um pediatra disse que eu tinha 15 dias para engordar meu filho, senão teríamos que dar fórmula. Isso me bloqueou. As pessoas falavam: 'Nossa, ele está magrinho'. É pressão de todo lado. E quanto mais pressionada eu era, mais tinha dificuldade."

De fato, a ansiedade e o medo de não conseguir amamentar podem barrar a produção de leite, segundo o pediatra Leonardo Posternak, do Instituto da Família. Para ele, o estímulo à amamentação corre o risco de cair no radicalismo e, em vez de incentivar, atrapalhar.

"Anos atrás vi uma propaganda que passava a seguinte ideia: 'Ame seu filho oferecendo seu leite'. Muitas mulheres ficaram deprimidas, as grávidas tinham medo de não conseguir amamentar. É evidente que o aleitamento materno tem de ser estimulado, mas isso não pode oprimir as mulheres", afirma.

Para o pediatra Luciano Borges Santiago, da Sociedade Brasileira de Pediatra, o problema não são as campanhas, mas a patrulha. "Não podemos ser os xiitas da amamentação e penalizar a mãe. Isso acontece às vezes. Mas para mim o principal problema ainda é o inverso: a pressão para usar fórmula, dar mamadeira e chupeta. Muitos médicos receitam fórmula desnecessariamente."

O mesmo pensa a pedagoga Simone de Carvalho, fundadora do grupo de apoio Aleitamento Materno Solidário. Segundo ela, as campanhas ou o ativismo pró-amamentação não podem ser responsabilizados por criar uma pressão sobre as mães. "Os grupos estão do lado das mães, fornecendo apoio e informação com embasamento científico", diz.

Para Antonio Fernandes Lages, da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia), o problema é o incentivo sem apoio. "Nossa sociedade faz campanhas, mas, muitas vezes, não dá o apoio necessário quando as dificuldades surgem. Pelo menos 10% das mulheres não vão conseguir amamentar. E de 15% a 20% dos partos serão cesariana."

Nada pode mudar isso. Mas a forma como isso vai ser encarado, sim. "A mãe não pode ser a única responsabilizada. Ela precisa ser respeitada e respaldada", diz.


Voltar


Comente sobre essa publicação...