Semana On

Domingo 29.nov.2020

Ano IX - Nº 421

Coluna

De olho na Assembleia, Antonio João se filia ao PTC e declara apoio a Puccinelli

As notícias que fizeram a semana política em MS, com Marco Eusébio

Postado em 06 de Abril de 2018 - Marco Eusébio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Em ato na sede regional do MDB tendo como anfitrião o presidente da sigla e ex-governador André Puccinelli, o empresário e sócio-acionista do jornal Correio do Estado Antonio João Hugo Rodrigues se filiou ao PTC como pré-candidato a uma cadeira de deputado estadual. No encontro com participação do presidente estadual do PTC, Cezar Gazolla, Antonio João disse que pretende trabalhar "para o povo" na Assembleia e declarou seu apoio a Puccinelli para o Governo de MS.

Simone Tebet vira líder do MDB no Senado

Simone Tebet é a nova líder da bancada do MDB no Senado. Desde ontem, o site da Casa mostra o nome da senadora sul-mato-grossense como líder do partido, tendo como vice Valdir Raupp (RO). Na próxima terça-feira, a senadora deve fazer seu primeiro discurso no Senado como líder da bancada. Simone ocupou a função no lugar do senador Raimundo Lira, que, conforme o blog do Gerson Camarotti no G1, deixou o partido após divergências políticas na Paraíba.

Zeca do PT desembarca em Campo Grande ouvindo gritos de 'Lula na cadeia'

O deputado federal Zeca do PT desembarcou em Campo Grande sendo alvos de gritos contra seu partido e "Lula na cadeia", conforme vídeo que circula via Whatsapp (veja abaixo). Consultado, o ex-governador confirmou o episódio. Disse que se tratava de "uma pessoa se dizendo oficial do Exército, um bobo, falei pra ele que tem de pegar o Exército e botar na fronteira pra trabalhar" e um suposto "fazendeiro". "Chamei ele de fascista, provavelmente ligado a fazendeiros que não fazem outra coisa a não ser pegar empréstimos e depois não pagar", acrescentou Zeca. "Ele e mais um fazendeiro que estava com uma bandeira na mão lá, tontos, fascistóides idiotas, começaram a gritar 'Lula não sei o quê...'. Eu perguntei pra eles: porque vocês não pedem pra prender a quadrilha que tá no Palácio do Planalto. Aí acabou. Calaram e eu vim embora cuidar da minha vida."

Vereadores mantém Rocha e Carlão no comando da Câmara da Capital até 2020

Com 28 votos a favor e o democrata Vinícius Siqueira contra, os vereadores de Campo Grande garantiram antecipadamente mais dois anos de mandato na presidência da Câmara para o vereador João Rocha (PSDB) e para o primeiro-secretário, o Carlão (PSB), que vão continuar ocupando os dois principais cargos de direção da Casa no biênio 2019-2020, depois de expirar os atuais mandatos no fim deste ano. A Mesa Diretora definida hoje conta ainda com os seguintes integrantes: 1° vice-presidente Cazuza, 2° vice Eduardo Romero, 3° vice Ademir Santana; 2° secretário Gilmar da Cruz e 3° secretário Papy.

Seja para disputar o Senado ou a Câmara, Geraldo Resende diz que fica no PSDB

Depois de receber convites do PP de Alcides Bernal e de outros partidos, o deputado federal Geraldo Resende disse que ficará no PSDB "como pré-candidato ao Senado e, caso isso não aconteça, pois entendo que o governador possa precisar dessas duas vagas para fazer um bom quadro de alianças, que possibilite a sua reeleição, eu permaneço como candidato à reeleição de deputado federal". Resende disse que está "abraçado" ao projeto de reeleição do governador Azambuja e à pré-candidatura de Geraldo Alckmin (SP) à Presidência.

TJ reconhece cassação de Bernal

Quatro anos depois, por quatro votos contra um, desembargadores da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul reconheceram a legalidade no decreto da Câmara dos Vereadores que cassou em 2014 o mandato do então prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP). Com a decisão, Bernal fica inelegível por oito anos. Cabe recurso.

Cotado a virar candidato federal, Eduardo Riedel anuncia que fica no Governo

Eduardo Riedel, que chegou a ser cotado para disputar uma cadeira no Congresso nas eleições deste ano, vai ficar no Governo de Mato Grosso do Sul. O secretário de Governo afirma: "Depois de refletir muito e analisar qual seria a melhor maneira de continuar contribuindo para que nosso Estado supere a crise e volte a crescer com sustentabilidade e distribuição de renda, tomei a decisão de permanecer à frente da Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov)". No comunicado, Riedel acrescenta: "O governo de Reinaldo Azambuja é reconhecido pela gestão responsável e eficiente que foi construída nos últimos anos. Nela, cumpro uma função estratégica. Por isso, minha decisão é a de continuar na Segov, desempenhando o trabalho que iniciei em 2015, quando fui convidado a assumir o cargo de secretário. O legado destes quatro anos, no qual enfrentamos momentos difíceis e tivemos de tomar decisões duras, é um Mato Grosso do Sul fortalecido, com mais oportunidades para a população. Agradeço a confiança dos vários setores da sociedade que manifestaram o desejo de me ver como senador pelo nosso Estado."

Azambuja confirma Miglioli para o Senado e só resta uma vaga na chapa do PSDB

Com dois cotados – o senador Pedro Chaves (PRB) e o ex-prefeito de Campo Grande Nelsinho Trad (PTB) – agora existe só uma vaga para o Senado na chapa majoritária a ser montada pelo PSDB nas eleições deste ano visando a reeleição do governador Reinaldo Azambuja. Em ato de filiação do deputado estadual Paulo Corrêa que trocou o PR pelo PSDB, Azambuja confirmou que o secretário tucano Marcelo Miglioli (Infraestrutura) deixará o governo na próxima sexta-feira para disputar uma cadeira de senador. E, conforme um pássaro bicudo cantarolou aqui ao Blog, tem apoio de todo o grupo político ligado ao governador.

Ricardo Ayache deixa o PSB e a política

O médico Ricardo Ayache anunciou no Facebook que se desfiliou do PSB e que está se afastando da política, visando concentrar seus esforços na gestão da Cassems, a Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de MS da qual é presidente. Leia a íntegra no link abaixo da rede social.

‘Fico ministro', diz Marun sobre eleições

Na reta final do prazo para ministros e secretários de Estado deixarem os cargos para disputar as eleições deste ano, que expira no sábado, dia 7 de abril, o ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo) confirmou que continuará no governo. "Fico ministro", afirmou o deputado federal licenciado por MS, questionado se deixaria o cargo para virar candidato.

Na defesa de Temer, Marun ataca Janot

Carlos Marun, na defesa do presidente Michel Temer, voltou a atacar Rodrigo Janot. O ministro da Secretaria de Governou postou no Facebook foto do ex-procurador geral da República em um bar de Brasília com o advogado Pierpaolo Bottini, então defensor de Joesley Batista, divulgada em setembro pelo site O Antagonista (leia aqui), e escreveu no texto abaixo que Janot tenta condicionar Raquel Dodge "com críticas irônicas" e cobrou que o ex-procurador deveria "explicar por que mandou gravar ilegalmente o presidente", "por que protegeu a exaustão Marcelo Müller" e "o que fazia escondido atrás de caixas de cerveja, disfarçado atrás de óculos escuros, confabulando com a defesa de Joesley Batista". Leia abaixo a íntegra da postagem feita pelo ministro na rede social.

 


Voltar


Comente sobre essa publicação...