Semana On

Domingo 29.nov.2020

Ano IX - Nº 421

Coluna

Adolescentes LGBT no armário têm mais comportamento de risco, diz estudo

A pesquisa revelou que metade dos jovens no armário já tentaram suicídio

Postado em 28 de Março de 2018 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Uma pesquisa publicada no “American Journal of Preventive Medicine” mostrou que  jovens LGBT que estão no armário e escondem a orientação sexual tem um maior risco de apresentar comportamento suicida. As informações são da “Reuters Health”.

O estudo teve como foco os adolescentes que se identificam como gay ou lésbica, mas que já tiveram experiência com o sexo oposto, e os que se identificam como heterossexuais, mas que já tiveram experiência com alguém LGBT. De acordo com os pesquisadores, esses jovens estão vivendo o que foi chamado de orientação sexual discordante.

Aproximadamente sete mil estudantes de Ensino Médio de todo os Estados Unidos responderam cerca de 100 perguntas sobre saúde e comportamentos de risco, e algumas delas tratavam sobre orientação sexual.

O resultado foi que 4% dos entrevistados já tiveram uma orientação sexual discordante. Dentro desse número, estão 32% dos gays e lésbicas e 3% dos héteros que responderam a pesquisa.

A pesquisa também perguntou sobre tentativas de suicídio, de forma planejada no último ano. Surpreendentemente, quase metade dos jovens com orientação sexual discordante reportaram pensamentos ou comportamentos suicidas, comparados a apenas 22% que não apresentam tal tipo de orientação.

O comportamento de risco também era mais comum entre pessoas que sofreram bullying e também que foram fisicamente forçadas a fazerem sexo.

Opinião dos autores do estudo

“Discriminação, rejeição e normas sociais podem pressionar minorias sexuais a apresentar uma identidade sexual inconsistente com a verdade”, afirmam os autores.

Segundo o co-autor Francis Annor, para poder aumentar o controle contra o suicídio na juventude, é importante entender os desafios que os adolescentes, que experimentam a discordância, passam. “É importante saber que suicídio é possível de ser prevenido”, disse.

Onde encontrar ajuda

Se você está passando por isso ou conhece alguém que esteja, é possível entrar em contato com o CVV (Centro de Valorização da Vida). O CVV realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo de forma voluntária todas as pessoas, heterossexuais e LGBT, que querem conversar por telefone (no número 141), email e chat.


Voltar


Comente sobre essa publicação...