Semana On

Sábado 05.dez.2020

Ano IX - Nº 422

Coluna

Juiz condena e suspende direitos políticos dos ex-prefeitos Nelsinho, Bernal e Olarte

As notícias que fizeram a semana política em MS, com Marco Eusébio

Postado em 16 de Março de 2018 - Marco Eusébio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Acusados de não cumprir Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) relacionado ao "Lixão" do Jardim Noroeste, os ex-prefeitos de Campo Grande Nelsinho Trad, Alcides Bernal e Gilmar Olarte foram condenados a suspensão por três anos dos direitos políticos, perda das funções públicas e multados em R$ 20 mil, por improbidade administrativa. A decisão publicada hoje no Diário Oficial da Justiça é do juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos da Capital. Cabe recurso.

Em áudio via Whathsapp a coluna, Nelsinho fala que termos foram cumpridos em sua gestão. Ouça abaixo:

Marun confirma que voltará à Câmara para pedir impeachment do ministro Barroso

Carlos Marun confirmou que vai se licenciar do cargo de ministro da Secretaria de Governo para voltar à Câmara e pedir ao Congresso a abertura de processo de impeachment contra o ministro do Supremo, Luís Roberto Barroso, que alterou o decreto de Michel Temer sobre indulto natalino, e antes havia quebrado o sigilo bancário do presidente. "Em base da lei do impeachment, nós passamos a redigir esse pedido baseado na evidente atuação político-partidária e na sua falta de decoro no momento em que se sentiu no direito de desrespeitar os três poderes da República. O cidadão pode pleitear. Para que não se estabeleça essa confusão, me licenciarei e farei a entrega no Senado desse pedido", disse o ministro, em entrevista ao canal NBR, do governo federal.

Por causa de suas declarações, Marun virou alvo de representação na Procuradoria-Geral da República feito pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) por constrangimento ilegal e abuso de autoridade e de críticas de entidades jurídicas. A Associação dos Juízes Federais (Ajufe) acusou Marun de constranger o Supremo. "A estratégia de atacar a honra pessoal de magistrados, que desempenham sua função constitucional, como forma de intimidação e represália à atuação livre e independente, é conduta que não pode ser admitida no Estado Democrático e de Direito", diz a entidade, em nota. Veja o vídeo da entrevista de Marun à NBR.

Se voltar à Câmara, Marun pode virar alvo de pedido de perda de mandato

Do Lauro Jardim em blog no O Globo: "Se concretizar mesmo a ameaça que fez de sair do ministério e voltar à Câmara para pedir o impeachment do ministro Luis Roberto Barroso, Carlos Marun vai enfrentar um deputado com quem se desentendeu no ano passado – Sergio Zveiter. Hoje no DEM, Zveiter foi o autor do relatório na CCJ que pedia a admissibilidade da denúncia da PGR contra Michel Temer. Na ocasião, Marun, então vice-líder do PMDB, pediu a expulsão de Zveiter do partido (Zveiter não foi expulso, mas acabou indo para o DEM). Agora, Zveiter prepara munição para o troco. Disse a parlamentares que, caso Marun leve adiante a proposta, será alvo de um pedido de perda de mandato. O motivo seria realizar ato incompatível com o decoro parlamentar e abuso das prerrogativas asseguradas a membro do Congresso."

Hacker usa Whatsapp de Marun e pede R$ 6 mil ao deputado Elizeu

Quem hackeou o telefone do ministro Carlos Marun usou o Whatsapp para pedir 6 mil reais ao deputado federal Elizeu Dionízio (PSDB-MS). Conforme os prints abaixo, Elizeu mandou mensagem a Marun pelo aplicativo às 16h02 pedindo um encontro para falar sobre o MS. Quem usava o aplicativo do ministro respondeu pedindo "um favor", indagou se o deputado usava Banco do Brasil no celular ou computador e perguntou sobre seu limite diário de transferências.

Elizeu estranhou a pergunta, mas resolveu dar corda. Respondeu que teria "uns 20 mil" de limite e indagou o motivo da pergunta. Aí o hacker, falando no lugar do ministro, alega que esgotou seu limite de 20 mil reais e pediu 6 mil reais, que devolveria assim que o prazo de limite fosse retomado. Elizeu pede o número da conta e a pessoa passa contas e valores diferentes que somados totalizariam os 6 mil reais. Minutos depois o hacker pergunta de "deu certo?" Elizeu responde: "Já passei para o Banco do Brasil as contas já foram bloqueadas. Pra vcs pararem de roubar dos outros". Depois, o deputado pediu ao seu assessor de imprensa, o jornalista Clodoaldo Silva, que ligasse no gabinete do ministro avisando sobre as mensagens. "Eu liguei.

A informação da secretária foi de que ele já tinha sido avisado da clonagem hoje", disse o Clodoado a coluna.

Olarte é condenado por lotar Prefeitura de Campo Grande de 'servidores' sem cargos

Acusado pelo Ministério Público Estadual de ter contratado muito mais servidores comissionados do que os cargos que haviam a ser preenchidos na Prefeitura de Campo Grande quando ocupou a cadeira de prefeito como vice, graças ao afastamento de Alcides Bernal pela Câmara, Gilmar Olarte foi condenado por improbidade administrativa a suspensão dos direitos políticos por 4 anos a contar do trânsito em julgado da sentença (esgotados os recursos) e a pagar R$ 100 mil de multa em benefício dos cofres municipais, além de perda de função pública, se estiver ocupando algum cargo. A decisão é do juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos da Capital, considerando "os danos causados ao patrimônio público diante do elevado inchaço da máquina além do permitido em lei". Conforme a ação, ao assumir a prefeitura, em abril de 2014, logo no primeiro mês o número de comissionados saltou de 706 para 912. Em setembro daquele ano o número inicial já havia dobrado, para 1.417. Cabe recurso.

Delcídio vira réu no caso Pasadena

O juiz Sergio Moro aceitou a denúncia contra o ex-senador Delcídio do Amaral (MS) e dez ex-funcionários da Petrobras pela compra da refinaria de Pasadena, no Texas, feita em 2005 pela estatal brasileira. Na denúncia feita em dezembro pelo Ministério Público Federal, os procuradores da Lava-Jato afirmam que a empresa belga Astra Oil, dona da refinaria, pagou US$ 17 milhões em propinas ao ex-senador e a ex-funcionários da Petrobras. Em outubro, o Tribunal de Contas da União (TCU) determinou bloqueio de bens da ex-presidente Dilma Rousseff em razão dos prejuízos na compra da refinaria. Ela era ministra da Casa Civil quando o negócio foi fechado, no primeiro mandato do governo Lula. Além dela, o ex-ministro Antonio Palocci e o ex-presidente da estatal José Sergio Gabrielli também tiveram os bens bloqueados. (Com O Globo)

Zeca do PT nas mãos de Celso de Mello

A presidente do Supremo, Cármen Lúcia, determinou a redistribuição do processo em que o deputado federal Zeca do PT responde com base em delação em que os irmãos Joesley e Wesley Batista afirmaram, em depoimento, que o petista foi o primeiro governador de Mato Grosso do Sul (de 1999 a 2006) a receber propina do grupo JBS, diz o jornalista Lauro Jardim em blog no O Globo. Conforme a publicação, Cármen Lúcia corroborou entendimento da PRG Raquel Dodge de que o caso não tem relação com a Lava Jato, não havendo necessidade de manter o processo com Edson Fachin. "Celso de Mello é novo relator", diz o blog.

PF prende advogado em Campo Grande

O advogado Jail Benites Azambuja, que atuou na defesa de políticos de MS como o ex-prefeito Gilmar Olarte, o ex-deputado Edson Giroto e o ex-senador Delcídio do Amaral, foi preso pela Polícia Federal em Campo Grande. O mandado de prisão preventiva foi expedido pela Justiça Federal de Umuarama, no Paraná, onde ele foi juiz federal, por não ter comparecido a audiências referente a um processo em que é acusado de ser mandante de tentativa de homicídio em 2008, contra outro juiz da cidade, Luiz Carlos Canalli, que hoje é desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, o TRF4. A prisão foi conduzida pelo delegado da PF de Cascavel (PR), Marco Smith, com apoio de policiais de Campo Grande. Jail será transferido para o Paraná onde deverá ficar em sala especial, por ser juiz federal aposentado. Na OAB-MS, onde há um processo contra ele, a prisão pode resultar na cassação de sua carteira de advogado.

Acosta: 'é mais fácil PRB deixar o governo do que abrir mão de Pedro Chaves'

presidente do PRB, Wilton Acosta, usou o Facebook para rebater comentário do radialista Sérgio Cruz, que afirmou no pograma Tribuna Livre da FM Capital, de Campo Grande, que Pedro Chaves já estaria arrepedido de ter se filiado ao seu partido pelo fato de a sigla ser aliada do governo Azambuja, e dizendo que o PSDB não deve abrir vaga na chapa de reeleição do governador para que o senador possa disputar a reeleição neste ano. Na rede social, Acosta escreveu que seu partido não abrirá mão da candidatura de Chaves ao Senado e avisou: "É mais, infinitamente mais fácil deixarmos o governo do que abrir mão do nosso projeto". Leia a íntegra da postagem:

Médico investigado na 'Máfia do Câncer' é encontrado morto em Campo Grande

O médico José Carlos Dorsa Vieira Pontes, de 51 anos, ex-diretor do Hospital Universário, um dos alvos da Operação Sangue Frio da Polícia Federal deflagrada em 2013 que investigou a chamada "Máfia do Câncer" em Campo Grande, foi encontrado morto em um quarto na casa de massagem e sauna Espaço Relax. Conforme apurou a Polícia Civil, o cardiologia teria chegado ao local frequentado pelo público gay, reclamando de dor de cabeça. Depois, passou mal em um dos quartos. Socorristas chamados por funcionários disseram que o médico tinha uma "punção" no braço, similar a de aplicação de algum medicamento, e lesões no rosto, sinais de queda e convulsão. O garoto de programa que acompanhava o médico saiu antes de a PM chegar. Como não havia sinais de violência, a polícia trabalha com suspeitas iniciais de overdose ou suicídio. (Com CGNews e Correio do Estado)


Voltar


Comente sobre essa publicação...