Semana On

Segunda-Feira 17.dez.2018

Ano VII - Nº 332

Super Banner na capa e em toda a revista

Brasil

Empresa sabia do potencial efeito devastador do rompimento da barragem de Mariana

Culpados ainda não foram punidos após mais de dois anos

Postado em 09 de Março de 2018   - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Em Novembro de 2015, o rompimento de uma barragem em Mariana MG), onde estavam armazenados resíduos tóxicos, provocou a morte a 19 pessoas e cobriu os terrenos de lama, naquele que é considerado o pior desastre ambiental do Brasil. Mais de dois anos depois, as responsabilidades pelo crime ainda não foram estabelecidas.

Reportagem do jornal inglês Guardian mostra que a Samarco, empresa de exploração mineira responsável pelo funcionamento das barragens, sabia (pelo menos seis meses antes do desastre) do impacto que um acidente deste género poderia ter.

O Ministério Público diz que a empresa – um consórcio entre a grande empresa de exploração mineira Vale e a multinacional petrolífera e mineira anglo-australiana BHP Billiton – falhou ao não adoptar medidas para evitar o desastre ambiental. “Deram prioridade aos lucros e deixaram a segurança em segundo lugar”, disse ao Guardian o coordenador do grupo de trabalho que está a analisar o caso, José Adércio Sampaio.

No início de novembro de 2015, uma avalanche de lama castanha avermelhada – composta por resíduos de minério de ferro, areia, argila e água – percorreu centenas de quilómetros e inundou várias aldeias, devastando casas, plantações e animais à sua passagem. Tudo isto na sequência do rompimento de duas barragens – uma de água e outra de resíduos tóxicos – operadas pela empresa de exploração. Hoje, as 375 famílias afetadas continuam sem indenizações e sem realojamento definitivo.

O desastre pôs em risco a biodiversidade da região e a lama de resíduos tóxicos viajou pelo rio Doce, acabando por chegar ao Atlântico, tingindo as águas com a cor da argila. A aldeia de Bento Rodrigues foi uma das mais afetadas pelo desastre. A aldeia foi arrasada pela lama e as cerca de 600 pessoas que lá moravam ficaram com as suas casas destruídas.

Quando a barragem rebentou, não houve nenhuma sirene de alarme e os moradores de Bento Rodrigues foram avisados ora por telefone, ora pelos vizinhos que gritavam na rua. Segundo esclarece a própria Samarco, a quantidade de resíduos afetou o abastecimento de água em nove cidades. 

A investigação do Guardian revela que há documentos internos da empresa, que não chegaram a ser divulgados, que mostram que a Samarco fez uma avaliação do pior cenário possível da barragem: era dado o alerta que um rompimento poderia causar até 20 mortes, causando também prejuízo à terra, aos recursos de água e à biodiversidade durante um período de 20 anos – e que poderia ter um custo de quase três mil milhões de euros.

Numa nota publicada em novembro do ano passado no site do MPF, lê-se que foi retomada a ação penal que trata dos crimes causadores e decorrentes do rompimento da barragem, avaliando 21 pessoas por homicídio qualificado de 19 pessoas (alguns funcionários da instalação e cinco pessoas da aldeia de Bento Rodrigues). Entre os 21 denunciados, também acusados de crime ambiental, está o então presidente da Samarco, Ricardo Vescovi de Aragão, e outros representantes da Vale e da BHP Billiton.

Ao diário britânico, as três empresas negaram as acusações: disseram que a segurança sempre foi a prioridade e que a barragem cumpria a legislação brasileira.


Voltar


Comente sobre essa publicação...