Semana On

Quinta-Feira 13.dez.2018

Ano VII - Nº 331

Super Banner na capa e em toda a revista

Auau Miau

Cachorros criam imagens mentais a partir de cheiros, sugere estudo

Os cães têm uma região cerebral dedicada exclusivamente para processar odores 40 vezes maior do que a nossa, além de possuírem 300 milhões de receptores olfativos

Postado em 08 de Março de 2018   - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Que os cachorros têm um olfato bem mais desenvolvido que o dos seres humanos todo mundo já sabe. Mas você imagina que, além de sentir, os cães também são capazes de visualizar mentalmente o objeto ou indivíduo a quem pertence o odor?

É o que sugerem pesquisadores do Instituto Mack Planck de Ciências Humanas e da Universidade Friedrich Schiller de Jena, ambos na Alemanha. Publicado no periódico científico Journal of Comparative Psychology, o estudo averiguou que nossos amigos caninos conseguem perceber e predizer o que cada cheiro quer dizer.

Claro, isso só é possível devido ao apurado sistema olfativo que eles têm. Os cães possuem 300 milhões de receptores olfativos em seus focinhos, além de terem uma região cerebral 40 vezes maior do que a nossa dedicada exclusivamente para processar odores. No geral, esses animais têm uma capacidade 10 mil vezes maior do que seres humanos de perceber cheiros.

“Mesmo que seja conhecido que o sistema olfativo dos cães é excelente e que eles dependem dele para explorar os ambientes e reconhecer indivíduos, pouco se sabe sobre a percepção dos cachorros acerca de odores como representação de objetos”, afirmam os pesquisadores no estudo.

Com o propósito de estudar isso, o grupo de cientistas recrutou 48 cães, divididos entre pets familiares e cachorros de serviço de segurança.

Inicialmente, todos os cachorros foram colocados em contato com dois brinquedos (que iremos chamar de brinquedo A e brinquedo B) e desenvolveram interesse por eles.

Em seguida, os pesquisadores criaram dois tipos de caminho em que iriam testar os cães. Em um deles, foi deixado rastros do cheiro do brinquedo A e o próprio brinquedo no final no caminho. No outro, porém, apesar de haver o odor do brinquedo A, era o brinquedo B que se encontrava no final do percurso. Ou seja, no primeiro caso, as cobaias encontravam aquilo pelo o que estavam esperando. Mas na segunda versão eles eram surpreendidos por algo diferente.

Os pesquisadores conduziram o estudo considerando que, caso o animal tivesse a imagem mental do brinquedo que ele iria encontrar, ele iria reagir de maneira surpresa caso estivesse sido enganado. Porém, se eles apenas considerassem o cheiro do objeto e não o conectassem a nenhuma imagem mental, eles ficariam apenas felizes ao chegar ao destino.

Os testes foram gravados e os autores concluíram, após analisar as imagens, que boa parte dos cães mostrou-se surpreso ao fazer as descobertas. Alguns deles até continuaram buscando pelo brinquedo que esperavam encontrar – mas não por muito tempo. De acordo com os pesquisadores, isso acontecia porque os cães curtiam o experimento e a recompensa final, qualquer que fosse ela.

Um fato curioso averiguado é que os cães de serviços de segurança se deram melhor nos primeiros testes. Mas conforme os experimentos foram sendo realizados, a diferença entre eles e os cães de estimação foi desaparecendo.

Com todos os dados coletados, o grupo de cientistas acredita que, sim, grande parte dos cachorros consegue cria imagens mentais a partir de cheiros e imaginar o que irá encontrar, independentemente de suas experiências anteriores.

Ainda que os autores revelem ser necessário mais pesquisa na área, temos mais um bom motivo para amar essas criaturas peludas e inteligentes.


Voltar


Comente sobre essa publicação...