Semana On

Sábado 22.set.2018

Ano VI - Nº 321

Governo

Mundo

Venezuela adia eleição presidencial para 20 de maio

Pleito em que Maduro tenta se reeleger será realizado junto com escolha de novos legisladores

Postado em 02 de Março de 2018   - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela (CNE), dominado por aliados do regime de Nicolás Maduro, adiou para 20 de maio a eleição presidencial em que o ditador tentará se manter no cargo.

A escolha do novo mandatário, inicialmente marcada para 22 de abril, coincidirá com a dos membros da Assembleia Nacional e das Câmaras estaduais e municipais. No caso do Legislativo nacional, hoje controlado pela oposição, a votação foi antecipada em dois anos.

Segundo a presidente do CNE, Tibisay Lucena, o adiamento ocorreu após um acordo com os partidos que se inscreveram para a disputa. 

Entre eles estão as siglas da coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) que apoiam o ex-chavista Henri Falcón, único dirigente da frente a concorrer.

Lucena disse que, com o pacto, "ratifica-se que na Venezuela nossos líderes e representantes são eleitos com as mais amplas garantias constitucionais e democráticas".

As decisões se basearam, de acordo com o CNE, no documento saído das negociações com a MUD na República Dominicana, suspensas em 7 de fevereiro. O regime adotou o texto final, embora a oposição tenha se recusado a assinar pela falta de garantias para a lisura do pleito.

O órgão prorrogou até esta sexta (2) o prazo de inscrição de presidenciáveis e até o dia 10 o registro eleitoral. Também manteve as seções dos votantes já inscritos como eram na eleição de 2015 para a Assembleia Nacional.

A alteração dos locais de votação era uma das principais reivindicações da MUD. Na escolha dos governadores, em outubro, o CNE mudou os centros dias antes da abertura das urnas, principalmente em redutos antichavistas. Esse foi, para a coalizão opositora, um dos motivos para a derrota da maioria de seus candidatos.

Em outros itens, porém, há incertezas. No caso do registro de eleitores no exterior, só havia sido permitida a inscrição dos residentes permanentes, impedindo o voto dos recém-emigrados pela crise.

Isso fez com que, dos 3 milhões de emigrantes venezuelanos em todo o mundo, cerca de 100 mil estejam inscritos. Só em 2017 mais de 700 mil chegaram à Colômbia.

Também está indefinida a observação eleitoral internacional. Lucena informou que Maduro pedirá ao secretário-geral da ONU, António Guterres, que envie uma missão.

No entanto, não se sabe quando os monitores poderão entrar. Nas últimas votações, o regime só autorizou o ingresso dos estrangeiros dias antes da ida às urnas, impossibilitando uma missão que englobe todos os aspectos técnicos.

Boicote

A falta de garantias fez com que a MUD mantivesse o boicote anunciado em fevereiro. 

"Sob essas circunstâncias quem se candidatar não pode ser considerado oposição. Não contribuímos com essa farsa", disse Juan Pablo Guanipa, dirigente do Primeiro Justiça (centro-direita), principal partido da coalizão, que teve o registro cassado pelo CNE.

A sigla e os outros três grandes partidos da coalizão - Ação Democrática (centro), Vontade Popular (direita) e Um Novo Tempo (centro) - defenderam a expulsão de Henri Falcón e de seu partido, o Avanço Progressista (centro-esquerda), da coalizão. 

O secretário-geral do último, Luis Romero, rebateu a crítica dos ex-aliados: "Só tenho a dizer que é muito difícil nos expulsarem de algo que há tempos deixou de existir."

Além de Maduro e Falcón, estão inscritos o chavista dissidente Reinaldo Quijada e o pastor Javier Bertucci.

A lisura do pleito também é questionada por EUA e União Europeia, que ameaçam com novas sanções, e por países latino-americanos.

-

CRONOLOGIA 

Eleição venezuelana

1º.dez Maduro e oposição retomam negociações

11.jan Assembleia Constituinte obriga maiores siglas da MUD a novo registro

23.jan Constituinte determina que eleição presidencial deve ser feita até abril

25.jan Justiça proíbe MUD de concorrer como frente; dias depois, CNE proíbe seu maior partido

7.fev Fracassam negociações e regime marca eleição para 22 de abril

22.fev MUD boicota votação; medida é contrariada por Henri Falcón, que se candidata no dia 27


Voltar


Comente sobre essa publicação...