Semana On

Sexta-Feira 22.jun.2018

Ano VI - Nº 307

Prefeitura

Auau Miau

Técnica, equipamento e sabor ajudam na hora de dar remédio ao pet

Não adianta brigar com seu cãozinho, é preciso paciência

Postado em 01 de Março de 2018   - Lívia Marra – Bom pra Cachorro

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Dar remédio para o pet nem sempre é uma missão fácil. Alguns tentam fugir, esperneiam, mostram os dentes, enquanto outros abocanham facilmente a drágea, geralmente envolvida em algum petisco saboroso. Porém, muitos enganam e só ingerem mesmo o alimento –e medicamento acaba no chão.

Técnicas, equipamentos e sabores podem ser aliados dos tutores nessa hora. O que não pode, dizem especialistas, é segurar o animal com força ou brigar com ele –e transformar a medicação em momento de tortura. Todos devem estar tranquilos.

“O pet deve ser acariciado, receber o medicamento em seguida e, logo depois, ser recompensado. Esses agrados podem ser oferecidos sob a forma de passeios ou petiscos adequados para a nutrição do animal”, afirma a veterinária Gisele Starosky, da Fórmula Animal.

Segundo ela, no caso de remédios administrados via oral, o ideal é abrir a boca do bichinho com uma das mãos e, com a outra, colocar o remédio o mais profundo possível, direto na garganta. “Em seguida, deve-se fechar novamente a boca e massagear a garganta externamente.”

Um snack próprio para encaixar e administrar comprimidos ou um aplicador disponível no mercado também são opções, diz Mário Marcondes, diretor clínico do Hospital Veterinário, Pet Shop & Hotel Sena Madureira. “É uma espécie de seringa que podemos colocar o comprimido na ponta e apertar um botão para que ele seja liberado dentro da boca do animal; é bem interessante”.

Os veterinários, porém, divergem sobre misturar o remédio a alimentos.

Para Marcondes, uma alternativa é esmagar o comprimido e juntar a uma quantidade pequena de ração úmida. Já Starosky, diz que, como muitos medicamentos têm sabor amargo, o bichinho poderia identificar e deixar a comida de lado.

“Misturar o remédio com a água também não é uma boa opção, pois alguns pets param de ingerir o líquido por causa do gosto ruim”, afirma ela. Marcondes concorda e, segundo ele, remédios líquidos devem ser injetados com seringa na boca.

Para animais relutantes, outra possibilidade é manipular o medicamento –líquido ou em formato de biscoito, por exemplo. Nesse caso, o veterinário do animalzinho indicará a melhor forma.

Os laboratórios também têm inovado para atender pets e as necessidades dos tutores. A Fórmula Animal lançou recentemente o hamburguito, com sabor de carne para mascarar o odor e o amargo dos medicamentos. Na DrogaVet, aromas de frutas  –como uva, abacaxi, cereja, morango, maçã e banana— são usados nas manipulações de remédios. A Mundo Animal sugere lambuzar o comprimido em glutamina, suplemento com sabor agradável –mas, também nesse caso, é importante que o veterinário seja consultado, já que o produto pode representar risco a alguns animais, como aqueles com problemas renais.


Voltar


Comente sobre essa publicação...