Semana On

Sábado 22.set.2018

Ano VI - Nº 321

Parceiros

Poder

Huck desiste de disputar a Presidência e diz que não se filiará a partido

Sem Huck, FHC quer testar dono da Riachuelo como candidato

Postado em 16 de Fevereiro de 2018   - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Caso a nova resolução do apresentador Luciano Huck (TV Globo) se confirme, o programa “Caldeirão do Huck” está garantido na temporada 2018. Cortejado por partidos como PSDB e PPS, Huck decidiu de uma vez por todas de disputar a corrida presidencial em outubro, e diz descartar até filiação a partido político.

Nos últimos dias, o nome Huck esteve em destaque no noticiário graças às declarações entusiasmadas do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, um dos principais líderes do PSDB, em torno da possível candidatura do apresentador pelos tucanos. Em uma das entrevistas recentes, FHC manifestou a certeza de que Huck concorreria em outubro e disse que ele “é a cara” de seu partido.

Um dos interlocutores mais próximos a Huck diz que ele está triste “como quem interrompe uma gravidez”. O apresentador estava entusiasmado e imaginando cenários no poder, com popularidade suficiente para emplacar projetos e consolidar um movimento de renovação política.

Huck e FHC jantaram no último dia 8. Na ocasião, o apresentador ainda considerava a hipótese de disputar as eleições presidenciais. Durante aqueles dias, movimentos de renovação como RenovaBR, Agora! e Livres articulavam um encontro com Huck justamente para debater alternativas de reciclagem da política nacional. Paralelamente, partidos políticos davam continuidade ao cortejo do global.

Enquanto as articulações e paqueras se davam nos bastidores, a Rede Globo pressionava Huck a decidir logo que caminho seguiria. A empresa já havia comunicado ao apresentador que, caso ele aceitasse enveredar pelas searas da política, teria que deixar a emissora junto com sua esposa, Angélica, que conduz o programa saturnino “Estrelas”. A política interna da Globo prevê que seus funcionários, de qualquer setor, têm que encerrar o vínculo empregatício caso optem por se candidatar a cargos eletivos.

Caminho livre

O prazo para registro de candidatura vai até 15 de agosto. Até lá, qualquer impedimento judicial foi retirado, ao menos por enquanto, do caminho de Luciano Huck.  Na quinta-feira (15), o ministro Napoleão Nunes Maia, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), optou pelo arquivamento do processo movido pelo PT contra os apresentadores Luciano Huck e Fausto Silva, bem como a própria TV Globo, por abuso de poder econômico com fins eleitorais.

Os petistas reclamaram de aparição de Huck no Domingão do Faustão, programa dominical de elevada audiência, e acusaram a emissora de reforçar o nome de Huck subliminarmente. Mas, para Napoleão Maia, “inexiste, neste processo, qualquer elemento minimamente confiável que possa lastrear o pedido apresentado”. O magistrado levou em conta que, na própria defesa apresentada ao TSE, Huck se colocou fora da disputa eleitoral.

“[Faustão também] informou aos telespectadores que Luciano Huck havia enviado comunicado aos meios de imprensa negando a intenção de candidatar-se”. anotou ainda o juiz.

FHC quer testar dono da Riachuelo como candidato

Depois da negativa de seu protegido, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso  vai insistir em procurar uma alternativa fora de seu partido para a eleição ao Planalto.

O primeiro nome a ser testado será o do empresário Flávio Rocha, dono das Lojas Riachuelo.

No fim da tarde de quinta (15), após Huck confirmar que não deixaria a Rede Globo para disputar o pleito, FHC pediu a um conhecido que trabalha com marketing político a realização de uma pesquisa qualitativa sobre nomes para o Planalto.

FHC está convencido que o provável presidenciável tucano, o governador Geraldo Alckmin (SP), pode não se viabilizar mais à frente na disputa. Hoje ele patina aviação do 10% das intenções de voto.

Oficialmente, o ex-presidente manterá o apoio ao tucano, mas vai estimular uma outra opção.

Rocha vem namorando a ideia de se candidatar, e tem apoio do grupo de direita Movimento Brasil Livre (MBL), próximo da ala do PSDB liderada pelo prefeito paulistano, João Doria.

O empresário chegou a ser citado como eventual vice de Jair Bolsonaro (PSC), mas recusou a ideia ao ser sondado. FHC não tem afinidade com o MBL e gostaria de um nome mais de centro-esquerda, mas a oferta de opções no mercado está escassa.

O movimento deverá indispor ainda mais a ala alckmista do PSDB com P decano do tucanato. Aliados do governador não digeriram os movimentos públicos dele em favor de Huck.


Voltar


Comente sobre essa publicação...