Semana On

Domingo 25.ago.2019

Ano VII - Nº 360

Comportamento

Jovens brasileiros não sabem que camisinha previne gravidez e DSTs

Falta de informação provoca sérios impactos na saúde pública.

Postado em 21 de Maio de 2014 - Redação Semana On

cerca de  42%  dos jovens brasileiros não sabem que a camisinha é o único método que previne, simultaneamente, gravidez e doenças sexualmente transmissíveis. cerca de 42% dos jovens brasileiros não sabem que a camisinha é o único método que previne, simultaneamente, gravidez e doenças sexualmente transmissíveis.

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Quase 70% dos jovens brasileiros não sabem o período em que a mulher tem mais chances de engravidar, 42% não sabem que a camisinha é o único método que previne, simultaneamente, gravidez e doenças sexualmente transmissíveis, e quase 30% acreditam que o coito interrompido é um método contraceptivo eficaz. Os dados fazem parte da pesquisa Saúde Sexual e Reprodutiva dos Jovens Brasileiros divulgada pelo Instituto Caixa Seguros.

Foram ouvidos 1.208 jovens com idade entre 18 e 29 anos em 15 estados e no Distrito Federal. O estudo contou com o acompanhamento da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) e do Departamento de DST/Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

Impactos

Para a coordenadora do Instituto Caixa Seguros, Alice Scartezini, a falta de conhecimento entre os jovens brasileiros em relação à saúde reprodutiva provoca sérios impactos na saúde pública. Ela acredita que os dados explicam, em parte, as estimativas mais recentes do Ministério da Saúde, que indicam a realização de 728 mil a 1 milhão de abortos por ano no Brasil.

Ainda de acordo com o estudo, os resultados também têm reflexo no número de internações hospitalares –  cerca de 240 mil todos os anos, somente no Sistema Único de Saúde (SUS), para o tratamento de complicações decorrentes de abortos, gerando gastos da ordem de R$ 45 milhões por ano.

“O jovem está muito vulnerável, com um comportamento inadequado para fazer prevenção. No caso da saúde reprodutiva, a gente percebe que o conhecimento está mais comprometido ainda”, disse Alice. “A pauta das DST [doenças sexualmente transmissíveis] e da aids entrou na vida dos jovens. Eles sabem sobre o assunto. Mas, quando se fala em gravidez, eles respondem com menos segurança”, completou.


Voltar


Comente sobre essa publicação...