Liberação de venda de vacinas em farmácias pela Anvisa é alvo de críticas | Semana On

Semana On

Quarta-Feira 15.ago.2018

Ano VI - Nº 315

Parceiros

Saúde

Liberação de venda de vacinas em farmácias pela Anvisa é alvo de críticas

Para ex-ministro, prática reforça visão do governo de abordar a questão da saúde pública como mercadoria

Postado em 18 de Janeiro de 2018   - Saúde Popular

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) causou polêmica entre especialistas e entidades da área da saúde ao permitir que vacinas sejam aplicadas por farmácias e drogarias. Desde dezembro do ano passado, estabelecimentos de todo o país estão autorizados a aplicar as doses – ainda que vacinas que estejam fora do calendário nacional, oferecidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), só possam ser vendidas com prescrição médica.

A proposta passou por consulta pública em maio do ano passado. Mas à época em que esteve aberto ao debate, o texto não mencionava as farmácias especificamente, apenas abria possibilidade ao não limitar o serviço de aplicação de vacinas a clínicas. As farmácias precisam atender a uma série de requisitos, como ter licença de autoridades e ambientes apropriados. Uma farmácia de São Paulo já oferece quatro vacinas – febre amarela, HPV, hepatite B e herpes zoster – a preços entre R$ 135 e R$ 510. Apenas a última não está disponível na rede pública de saúde.

Para o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha, a decisão da Anvisa reforça a crescente abordagem pelo atual governo da saúde como mercadoria. “Reforça a visão de que vacina é uma mercadoria. O Brasil tem o maior programa nacional de imunização do mundo. Preocupa a lógica da oferta desse serviço se ele é oferecido como um produto a mais.”

Padilha comenta ser preocupante a falta de vacina contra febre amarela na rede pública, o que classifica como ausência de atenção. “É preocupante a falta de planejamento do Ministério da Saúde para uma cobertura necessária para febre amarela”, diz, observando que desde 2016 havia indicações de que o país estaria entrando em estado de atenção.

Ouça a reportagem.


Voltar


Comente sobre essa publicação...