Semana On

Segunda-Feira 23.jul.2018

Ano VI - Nº 312

Parceiros

Comportamento

Especialistas dão dicas de como cumprir as promessas em 2018

Na teoria tudo pode dar certo, mas na prática...

Postado em 02 de Janeiro de 2018   - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O ano pode ser novo, mas as promessas são quase sempre as mesmas: emagrecer, pagar dívidas, começar a academia, não brigar com os parentes. Na teoria, tudo pode dar certo. Na prática, seja qual for a meta, há chances de ela ser interrompida ainda antes da Páscoa.

A desistência acontece, segundo Christian Dunker, psicanalista e professor do Instituto de Psicologia da USP, porque as metas costumam ser negativas e disciplinares, que forçam o indivíduo a fazer algo ou a se policiar para não fazer algo. "Imaginamos que a felicidade está na obediência às metas, mas tenho defendido que esse é um conceito pobre de felicidade", afirma. "Sabemos que a potência da força de vontade é muito pequena, muito artificial."

Dunker explica que a imposição de metas vem do universo do trabalho, de uma cultura empresarial, que pode gerar uma sensação de vazio.

"Existe uma distinção entre sonhos e metas, esse momento do ano é ótimo quando conseguimos fabricar sonhos", diz. "Mas um bom balanço, um que daria um bom sonho, demora muito para ser construído. Implicaria um trabalho sobre a própria vida muito mais minucioso do que normalmente estamos dispostos a fazer."

O conselho é não tomar decisões na época de festas e de férias: "Deixe para depois que você estiver voltando desse período de loucura transitória e coletiva."

Para quem quer se planejar mesmo assim, confira dicas de especialistas:

1 - Organizar as finanças pessoais e começar a poupar

A coach financeira Leila Ghiorzi sugere ter um objetivo para o dinheiro. "O ser humano é muito imediatista, não consegue imaginar o futuro e trazer isso para o presente", diz. Para Teodora Traldi, coach de finanças e espiritualidade, também é preciso manter os pés no chão. "A quantia para guardar deve ser compatível com a realidade do orçamento doméstico e o tempo e magnitude do objetivo a ser alcançado", afirma.

Evitar desperdícios, elencar os gastos fixos, ter uma reserva e estipular um valor a ser poupado e investido regularmente são os primeiros passos. Ter um plano compartilhado também pode ajudar.

2 - Mudar ou dar uma guinada na carreira

Para Paulo Cota, coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching, o medo e a incerteza impedem que muitas pessoas deem o primeiro passo para mudar. Perseverança é a palavra-chave. "Quem recomeça tem que ter paciência", diz.

Estudar o mercado no qual se deseja avançar ou inserir vem em seguida. Depois, Cota aconselha a buscar pela ajuda de alguém que possa mostrar a realidade da nova empreitada. Por último, tente controlar a ansiedade e acredite no seu planejamento. "Quando você quer alguma coisa, vai pra cima. Não é impossível", diz.

3 - Resolver conflitos

Brigas acontecem nas melhores famílias. Na passagem de ano é comum refletir sobre o que passou e querer se reaproximar. Yuri Busin, psicólogo e diretor do Centro de Atenção à Saúde Mental Equilíbrio (Casme), aconselha tentar conversar para resolver a situação, com respeito e empatia. "Muitas vezes a gente não pensa no outro e não aceita opiniões diferentes", diz. Pedir e aceitar desculpas é fundamental.

Busin aponta também que é importante fazer a manutenção dos relacionamentos o ano inteiro e não deixar apenas para a época da virada a iniciativa para melhorar o clima. "É ótimo reavaliar a vida todo mês e pensar no que você quer", aconselha.

4 - Comer melhor

Se alimentar corretamente não é o mesmo que fazer dieta para emagrecer. Segundo a nutricionista Bianca Naves, o importante é incorporar hábitos saudáveis para que o gerenciamento do peso ocorra naturalmente. "O biquíni pode ser um incentivo, mas é preciso encontrar mais sentidos para mudar", diz. "A partir do momento que a pessoa sente prazer e bem-estar em se cuidar, o processo se torna mais efetivo."

Mudar a alimentação é difícil, diz Naves, porque somos reféns dos hábitos conquistados ao longo da vida. "Sair da zona de conforto requer atitude e mudança do comportamento emocional", diz. "Deve-se estar preparado para se relacionar melhor com a comida."

5 - Emagrecer

Segundo Ana Dâmaso, pesquisadora da Unifesp, um grande erro na hora de tentar emagrecer é acreditar em dietas milagrosas. "Quando se acredita que o corpo vai responder rapidamente, são traçadas metas impossíveis", explica. "É preciso metas para longo prazo com profissionais de saúde, associando alimentação e exercício físico", diz. O cérebro é quem está no controle do processo.

O neurologista e professor da USP Sidney Chioro, especialista em emagrecimento, explica que existem conexões no cérebro que associam as emoções à comida e fazem engordar. "Emagrecer de verdade é perder o impulso de comer", diz.

A coach Bibi Grantham aconselha lembrar as razões de querer emagrecer para manter a força de vontade. "É preciso verdadeiramente tomar a decisão", afirma. "É uma reeducação alimentar, reeducação de pensamentos, reeducação de sentimentos e reeducação física."

6 - Praticar exercício

"As pessoas precisam colocar a atividade física como rotina", diz Rodrigo Sangion, educador físico e empresário. "Pode ser para emagrecer ou correr a São Silvestre, a primeira coisa para começar a treinar é ter motivação", diz.

Escolher um ambiente acolhedor e acessível e ter uma companhia também ajudam a não desestimular. Também é preciso ser paciente. "As pessoas desistem porque o resultado acontece a longo prazo", afirma. Além disso, não se pode esquecer das dicas anteriores. Ser mais saudável depende da alimentação.


Voltar


Comente sobre essa publicação...