Semana On

Terça-Feira 12.dez.2017

Ano V - Nº 283

Governo dengue

Auau Miau

Registros de 8 mil anos retratam a domesticação de cachorros

Descoberta é considerada a prova mais antiga da relação entre cães e seres humanos

Postado em 22 de Novembro de 2017   - Galileu

Pedras pré-históricas encontradas em Shuwaymis e Jubbah, na Arábia Saudita, retratam humanos caçando ao lado de cachorros. De acordo com pesquisadores, as gravuras têm, no mínimo, 8 mil anos — o que as tornam as evidências mais antigas da domesticação de cães na história. 

Maria Guagni, arqueóloga do Max Planck Institute for the Science of Human History, na Alemanha, estava catalogando mais de 1,4 mil pinturas artísticas em rochas quando encontrou 349 desenhos dos bichos. Do total, 156 gravuras estavam em Shuwaymis e 193 em Jubbah.

"Quando a Maria veio até mim com as fotos e me perguntou se elas significavam algo, quase perdi minha cabeça", falou brincando Angela Perri, zoóloga e co-autora da exploração, à Science Alert

Ao que tudo indica, os bichos acompanhavam os humanos nas caças. Os animais são representados com linhas que os ligam as pessoas — que podem ser entendidas como coleiras ou até mesmo uma metáfora para simbolizar a conexão entre eles. 

Os cachorros também aparecem mordendo pescoços e barrigas de gazelas e íbex — espécie de mamífero bovídeo caprino. Outra cena mostra os cães cercando um cavalo. 

Os animais representados são de tamanho médio, com orelhas perfuradas, focinhos pequenos, peito angular e cauda enrolada. De acordo com as pesquisadoras, é semelhante a raça moderna Cão de Canaã. 

Além disso, cada bicho possui características individuais. Alguns possuem mantas nas costas, e outros têm manchas brancas no peito. Alguns são claramente machos, e todos estão em diferentes posições e posturas. 

Para as estudiosas, as pinturas podem significar que os cachorros eram especiais para os humanos — ou então que eles estavam apenas tentando retratar as raças dos animais.


Voltar


Comente sobre essa publicação...