Semana On

Sexta-Feira 24.nov.2017

Ano V - Nº 281

Camara

Viver bem

Caminhar todos os dias ajuda idosos a envelhecerem melhor

Mesmo quem anda menos de 2 horas por semana pode sentir os benefícios da atividade

Postado em 25 de Outubro de 2017   - Redação Semana On

Separar um tempo para "dar uma voltinha" diariamente pode ajudar idosos a envelhecerem melhor — mesmo que essa caminhada não chegue a ser um exercício físico. Pelo menos é isso que mostra um estudo norte-americano realizado com mais de 140 mil pessoas.

De acordo com os resultados, mesmo que os voluntários não se exercitassem de fato, os que andavam um pouquinho todos os dias (cerca de 2 horas por semana) tinham a saúde melhor e permaneceram vivos por mais tempo. Na realidade, 26% dos idosos que não possuíam esse hábito tiveram mais chances de morrer.

Os estudos em relação ao benefício das caminhadas permaneceram sólidos mesmo após os pesquisadores considerarem fatores como o tabagismo, a obesidade, as condições crônicas (incluindo diabetes) e o tempo gasto sentado.

Para os especialistas, a pesquisa mostra que médicos "devem encorajar os pacientes a caminhar, mesmo que seja menos do que a quantidade recomendada, especialmente à medida que envelhecem, para a saúde e a longevidade", escreveram no American Journal of Preventive Medicine. "A caminhada foi descrita como o 'exercício perfeito' porque é uma ação simples, gratuita, conveniente, não requer nenhum equipamento especial ou treinamento, e pode ser feita em qualquer idade", argumentam.

A análise também revelou que andar por um período de tempo maior estava associado a ainda mais benefícios. Aqueles que caminharam de 2,5 a 5 horas por semana eram 20% menos propensos a morrer, 30% menos probabilidades de morrer de doenças respiratórias e 9% menos chances de morrer de câncer, durante o período de estudo, em comparação com aqueles que caminharam por menos de 2 horas por semana.

"Este estudo mostra que o envolvimento com a caminhada está associado ao aumento da longevidade e tem potencial para melhorar significativamente a saúde pública", relatam os cientistas.


Voltar


Comente sobre essa publicação...