Semana On

Terça-Feira 13.abr.2021

Ano IX - Nº 438

Coluna

Temer visitou MS para agradecer propina da J&F, diz Lúcio Funaro

As notícias que fizeram a semana política em MS, com Marco Eusébio

Postado em 20 de Outubro de 2017 - Marco Eusébio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.


Michel Temer veio à inauguração da Eldorado celulose, em Três Lagoas (MS), em dezembro de 2012, como presidente em exercício, para prestigiar o evento da holdingJ&F dos irmãos Joesley e Wesley Batista "em sinal de agradecimento" por propina recebida do grupo, disse em delação premiada o doleiro Lúcio Funaro, que também esteve presente ao evento (leia aqui). Funaro contou à Procuradoria-Geral da República (PGR), em 24 de agosto deste ano, que, além de Temer, o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e o ex-ministro Henrique Eduardo Alves (todos do PMDB) levaram 3,2% de cerca de R$ 32 milhões obtidos por empréstimo pela Eldorado da Caixa Econômica Federal. Funaro disse ainda que a propina foi paga a ele por meio de emissão de notas fiscais frias e que, em seguida, teria repassado o dinheiro para Cunha, "que ficou responsável por distribuir o montante entre Henrique Alves e Michel Temer".

Portaria sobre trabalho escravo 'poderia ser jogada no lixo', diz Simone Tebet

A portaria do governo Michel Temer que dificulta a fiscalização do trabalho escravo no Brasil "poderia ser jogada no lixo", afirmou hoje a senadora Simone Tebet (PMDB-MS) no Senado. "O Código Penal é claro ao dizer o que é o trabalho escravo. Qualquer portaria que tente regulamentar ou contrariar o que dispõe a Lei, é inconstitucional. Neste aspecto, podemos jogar essa portaria no lixo", disse que destacou avanços na luta contra o trabalho escravo, citando inclusive Mato Grosso do Sul. Conforme dados do Ministério do Trabalho, nos últimos 20 anos quase 50 mil trabalhadores foram resgatados de situações análogas à escravidão no País. Veja o vídeo.

A recomendação e o voto de Pedro Chaves
Repercute em Campo Grande via WhatsApp vídeo da rádio Jovem Pan em que o analista político Augusto Nunes diz que Pedro Chaves, líder e único senador do PSC, recomendou à sua “bancada” voto em favor da decisão do STF que afastava Aécio Neves do mandato e depois votou contra sua própria recomendação, aprovando o retorno do mineiro ao Senado. Indagado sobre o assunto, o senador Pedro Chaves respondeu hoje via WhatsApp: "Caro Marco Eusébio, se o Senado aceitasse o afastamento de Aecio, como havia ordenado a turma do STF, estaria aplicando pena antes que fosse ditado o veredicto. Por lado, na votação eu declarei sim, achando que o 'sim' era para suspender a pena. Quando vi que havia equivocado, retifiquei o voto para 'não'."

Se Aécio pode, Delcídio também quer...

"Delcídio do Amaral se animou com a decisão que beneficiou Aécio Neves e já prepara recurso ao Supremo para recuperar seu mandato de senador", diz o site O Antagonista, que acrescentou: "Está certíssimo". À coluna Painel, da Folha, Delcídio afirma que "o desfecho do caso Aécio vai salvar a todos os partidos" e mostra a reação da política. "Vai sobrar para o PT. Mais especificamente para o Lula."

Começa a corrida por vaga no TCE-MS

Se havia três candidatos e nenhuma vaga no Tribunal de Contas do Estado (TCE-MS) conforme aqui publicado em setembro, a situação começa a mudar. Já está em andamento o processo de aposentadoria do conselheiro José Ricardo Pereira Cabral, que deve ser publicada nos próximos dias no site da Corte Fiscal. Agora começa a corrida dos três candidatos à cobiçada cadeira: o deputado federal licenciado como secretário de Fazenda, Márcio Monteiro; e os deputados estaduais Flávio Kayatt (ambos do PSDB) e Júnior Mochi (PMDB), atual presidente da Assembleia. Como a nomeação é prerrogativa do governador, caberá a Azambuja descascar o adocicado abacaxi.

Álvaro Dias e Romário visitarão MS em novembro para lançamento do Podemos
Visando as eleições de 2018, os senadores Álvaro Dias (PR), pré-candidato à Presidência da República, e Romário (RJ), visitarão Campo Grande em novembro para o ato de lançamento do Podemos (ex-PTN) em Mato Grosso do Sul. O evento está marcado para o dia 10, às 10h, na Câmara dos Vereadores. A comitiva chegará um dia antes e contará com participação da presidente nacional da sigla, a deputada federal Renata Abreu (SP), e o ex-jogador Marcelinho Carioca. Cláudio Sertão, presidente regional do Podemos, disse hoje ao Blog que deverão ser filiados pelo menos 25 vereadores de todo o estado no evento.

O sumiço do Marun
Deputado da base aliada de Michel Temer que mais apareceu na imprensa nacional durante a primeira denúncia da PGR no Supremo contra o presidente, o sumiço de Carlos Marun (PMDB-MS) da mídia nestes dias que antecedem a votação da Câmara sobre a segunda denúncia contra o peemedebista causa estranheza. No domingo que expirou o feriadão prolongado, perguntei ao Marun a causa de seu "desaparecimento" e o deputado respondeu ao Blog: "Estive fora do País a semana inteira. Fui muitíssimo procurado, neste fim de semana, por praticamente todos os jornais, e as TVs Globo e Band. Nesta segunda-feira estou de volta, com as baterias recarregadas".

Lixões de prefeitura ameaçam Aquífero Guarani em MS, denuncia ex-deputado

Visando impedir a proliferação de "lixões" que, segundo ele, estão poluindo áreas de nascentes de córregos e rios sobre os aquíferos Guarani e Bauru em Paranaíba (MS), o engenheiro e ex-deputado Semy Ferraz lançou um abaixo-assinado no site Avaaz buscando apoio popular para mobilizar a Promotoria de Meio Ambiente do Ministério Público, o Instituto de Meio Ambiente de MS (Imasul), vereadores e a prefeitura da cidade. Semy, que é produtor rural na região, diz que o chorume produzido no Lixão da prefeitura à margem da BR?497 "já matou a nascente do Córrego Tabocas, afluente do Rio Santana" e afeta os dois aquíferos". "Agora a prefeitura está iniciando um novo lixão ao lado do lugar conhecido como Cascalheira, próximo à nascente do córrego Paciência, também no aquífero Guarani", acrescenta. Semy afirma ainda que os lixões são lançados sem audiências e consultas públicas exigidas pela Lei do Seneamento e "não há notícia de que tenham licença ambiental para operar". Acesse aqui o abaixo assinado.


Voltar


Comente sobre essa publicação...