Semana On

Segunda-Feira 20.nov.2017

Ano V - Nº 280

Super Banner na capa e em toda a revista

Poder

Quase metade da CCJ esconde votos sobre 2ª denúncia

22 deputados se declaram a favor da admissibilidade, 13 disseram ser contra; outros 27 escondem o voto

Postado em 13 de Outubro de 2017   - Naomi Matsui – Poder 360

Apesar do barulho pró-Planalto na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, são poucos os deputados que apoiam explicitamente o governo na votação da 2ª denúncia contra o presidente Michel Temer.

Dos 66 integrantes titulares da comissão, apenas 13 se disseram abertamente contrários à denúncia. Os deputados a favor do processo são 23. A maioria (27) prefere não se posicionar.

A discussão e votação do relatório do deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), pela suspensão da denúncia, estão marcadas para a próxima 3ª feira (17). A tendência é que a comissão aprove o texto, ou seja, vote pela descontinuidade da denúncia. Mesmo assim, quando procurados, muitos ainda evitam revelar como se posicionarão.

Na votação no colegiado da 1ª denúncia, em julho, 40 deputados acompanharam o governo, 25 foram contra e 1 absteve-se, durante a análise do parecer do deputado Sergio Zveiter (Pode-RJ).

Contagens governistas dão que, para a 2ª denúncia, serão 41 os votos a favor do presidente, 24 contrários e uma abstenção entre os deputados da CCJ.

Para manter o máximo de posições a seu favor, o Planalto ainda avalia mudanças na comissão. É o caso de alguns deputados do PSD, como o do deputado Expedito Netto (RO). Ele foi contra o governo da análise da 1ª denúncia.

Outro partido que tende a fazer modificações é o PSB. A ala oposicionista a Temer já pediu a substituição de 2 titulares com tendência a voto pró-governo. A decisão será tomada na próxima 2ª (16.out), durante reunião da Executiva.

Independentemente do resultado da comissão, no entanto, o parecer será levado ao plenário da Câmara, que dá a palavra final. Nesta etapa, são necessários 342 votos favoráveis ao andamento da denúncia. Ou seja, ausências de deputados favorecem a Michel Temer.

A Denúncia

Além do presidente Michel Temer, a denúncia inclui os ministros Moreira Franco (Secretaria Geral) e Eliseu Padilha (Casa Civil), os ex-ministros Henrique Eduardo Alves e Geddel Vieira Lima, o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures. O grupo teria recebido pelo menos R$ 587 milhões de propina, segundo a peça.

A base das acusações da PGR é a delação premiada da JBS, sob suspeita desde que o ex-procurador-geral Rodrigo Janot disse ter havido omissão de informações pelos colaboradores. Também tem elementos da delação do operador financeiro Lúcio Funaro.

Essa é a 2ª vez que o presidente da República é acusado de crimes pela PGR. A delação da JBS já havia embasado outra denúncia, por corrupção passiva. O processo também passou pela Câmara, que votou pela suspensão do caso.


Voltar


Comente sobre essa publicação...