Semana On

Sábado 21.out.2017

Ano V - Nº 276

Super Banner na capa e em toda a revista

Poder

Lula lidera continua liderando em todos os cenários, mas 54% o querem preso

Marina assume liderança em primeiro turno nos cenários sem Lula

Postado em 06 de Outubro de 2017   - Redação Semana On

Na primeira pesquisa Datafolha após sua condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o ex-presidente Lula (PT-SP) aparece na liderança em todos os cenários simulados pela pesquisa Datafolha, publicada no último dia 1º.

O único cenário simulado mais desconfortável para Lula é em um possível segundo turno, justamente contra o juiz Sérgio Moro, que o condenou em primeira instância pelo caso do tríplex em julho deste ano. Os dois empatariam tecnicamente.

Nos cenários em que disputa, o petista tem pelo menos 35% das intenções de voto, salto de cinco pontos percentuais desde a última pesquisa, divulgada no fim de junho. Empatados tecnicamente em segundo lugar estão o deputado Jair Bolsonaro (PSC-SP) e a ex-senadora Marina Silva (Rede), variando entre 16% e 17% e 13% e 14% respectivamente. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Os números dos presidenciáveis estão bem próximos aos da pesquisa passada, quando Bolsonaro tinha os mesmos 16% e Marina tinha 15%.

Os tucanos paulistas Geraldo Alckmin e João Doria, também empatam. Eles têm 8% das intenções de voto, de acordo com a pesquisa, que ouviu 2772 pessoas entre os dias 28 e 29 de setembro. Na pesquisa anterior, o governador do estado tinha os mesmos 8%, enquanto o nome de Doria apresentou ligeira queda, indo de 10% em junho a 8% agora.

Plano B

O PT tem negado ter um “plano B” caso Lula seja condenado em segunda instância e não possa se candidatar. O Datafolha também testou o poder de transferência de votos do ex-presidente e perguntou aos entrevistados se eles votariam em um nome indicado por Lula. Apesar da considerável vantagem sobre os outros candidatos, a transferência de votos do petista – correspondente àqueles que responderam que votariam com certeza em um apadrinhado de Lula – é de apenas 26%.

Em outra pesquisa divulgada em setembro, da Confederação Nacional do Transporte (CNT), encomendada ao MDA, Lula também liderava todos os cenários. Ele aparecia na frente em intenções para primeiro turno tanto na pesquisa estimulada quanto na espontânea. No caso da pesquisa em um possível segundo turno, Lula liderava em todos os cenários em que aparecia.

Sem Lula, Marina cresce

Nos cenários sem Lula, Marina Silva (Rede) lidera as intenções de voto do primeiro turno, seguida de Jair Bolsonaro. Lula corre o risco de não poder disputar a Presidência no ano que vem, se sua condenação for confirmada em segunda instância.

O Datafolha simulou cinco cenários sem Lula, e em todos eles o primeiro turno é liderado por Marina, que oscila entre 17% e 23% nesses casos. O segundo colocado é o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que tem entre 15% e 18%.

Em uma simulação de segundo turno entre os dois candidatos, Marina levaria com vantagem de 18 pontos percentuais, com 47% das intenções contra 29.

Os presidenciáveis tucanos Geraldo Alckmin e João Doria tiveram desempenho semelhante ao da pesquisa anterior, oscilando entre 8% e 10%. Prefeito da capital paulista, Doria tem mantido agenda de viagens pelo Brasil e no exterior que parecem ainda não ter surtido efeito nos números. Em vez disso, a rejeição ao prefeito subiu cinco pontos percentuais, indo de 20% em junho a 25% agora. Em um possível segundo turno contra o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), há empate técnico. Doria tem 34% e Ciro 32% nesse cenário.

Ciro, aliás, tem números semelhantes aos dos tucanos e oscila entre 7% e 10% nos cenários sem Lula. Na hipótese de Lula e Ciro disputarem, as intenções de voto para Ciro cai para 4%.

Alckmin ganharia de Ciro no segundo turno com vantagem de 18 pontos percentuais, com 37% contra 29% do pedetista. O nome do governador de São Paulo também foi testado contra o de Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo, que pode ser uma alternativa do PT caso Lula não possa concorrer. Alckmin ganharia com larga vantagem de 44% contra 17%.

Rejeição

O Datafolha entrevistou 2772 pessoas entre os dias 27 e 28 de setembro e constatou que a rejeição ao nome de Lula, mesmo após sua condenação, caiu desde a última pesquisa, realizada em junho. Ao mesmo tempo em que é o favorito na corrida presidencial, Lula é também o mais rejeitado. As pessoas que responderam que não votariam nele de jeito nenhum caiu de 46% para 42%. O segundo mais rejeitado é Bolsonaro, com 33%. Na pesquisa anterior ele tinha 30%. Em seguida vem Geraldo Alckmin, com 31%.

Lula preso

O Datafolha mostrou ainda que a maioria dos brasileiros defende a prisão do ex-presidente Lula. Dos entrevistados pelo instituto, 54% avaliam que os fatos revelados pela Lava Jato são suficientes para justificar a prisão do petista.

Por outro lado, 40% afirmam que não há motivos para a detenção do ex-presidente, que governou entre 2003 e 2010 —5% não opinaram.

Lula foi condenado pelo juiz Sergio Moro a 9 anos e 6 meses de prisão por ter recebido um apartamento em Guarujá (SP) como parte de propina da construtora OAS. Segundo entendimento do STF, ele só poderá ser preso se a sentença for confirmada em segunda instância, pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, sediado em Porto Alegre.

O apoio à prisão do ex-presidente cresce conforme aumenta o grau de instrução (69% entre os que têm nível superior e 37% entre os com nível fundamental) e a renda familiar mensal (chega a 76% no grupo mais rico e a 42% no mais pobre) do entrevistado. Também é maior nas regiões Sul (61%) e Sudeste (65%) que na Nordeste (34%), onde os índices de popularidade do petista são mais altos.

De forma geral, entretanto, predomina em todos os grupos a opinião de que o ex-presidente não será preso ao fim das investigações (66% no total).


Voltar


Comente sobre essa publicação...