Semana On

Sábado 21.out.2017

Ano V - Nº 276

Super Banner na capa e em toda a revista

Mundo

Resgate de sobreviventes de abalo no México se confunde com fake News

Foram longas horas de alarmes —e notícias— falsas

Postado em 22 de Setembro de 2017   - Silas Martí

Debaixo de forte chuva, vez ou outra aplausos quebravam o silêncio pesado. Mas era só mais uma comemoração da troca de turno dos socorristas que tentam, há dois dias, arrancar pelo menos um sobrevivente dos escombros de uma escola que desabou com o terremoto do dia 19, que deixou ao menos 278 mortos.

Essa vítima, no entanto, não é Frida Sofía, que dominou o noticiário e as rodas de conversa desde o colapso do colégio Enrique Rebsamén no terremoto que arrasou partes da Cidade do México. Depois de grande especulação até de socorristas e o alarde potente de canais de TV, autoridades disseram que não havia uma menininha soterrada ali.

De acordo com Enrique Sarmiento, secretário-assistente da Marinha mexicana, há rastros de sangue e outros sinais de que possa haver uma pessoa viva no lugar, mas que todas as crianças do colégio já foram identificadas —19 morreram e as demais estão internadas ou em casa. Seis adultos também morreram no desabamento, o mais grave provocado pelo abalo.

Mas, enquanto pairava a dúvida, o caso de "fake news" transformou a suposta criança em símbolo de esperança na ressaca da tragédia que matou ao menos 142 pessoas na capital.

Desde o início das buscas nos escombros, no entanto, equipes de resgate vêm dando informações desencontradas. Só no segundo dia, pareceu se tornar mais evidente que Frida Sofía não passava de uma manchete comovente num caso que não precisa de exagero algum para se firmar como drama real.

Frida Sofía de repente passou a ser chamada só de Sofía, isso até o jornal "Reforma" noticiar que nenhuma aluna com esse nome registrada no colégio esteve soterrada. Então, rebatizaram a garota de Mónica até deixar de falar nela. Tudo indica que a vítima que ainda pode estar nos escombros é adulta.

À noite, a Marinha pediu desculpas à população pela divulgação da notícia falsa e atribuiu a informação aos voluntários e outras equipes que participavam do resgate.

Nas horas antes de os militares desmentirem a existência da menina, os momentos de silêncio vinham se tornando mais frequentes ao redor do Enrique Rebsamén.

Também ficou mais intensa a movimentação, com grupos de familiares que entravam e saíam da área isolada, médicos e soldados pedindo remédios e ajuda de tradutores. Uma brigada de resgate alemã se juntara ao esforço.

"Sinto que eles estão tão perto, mas ao mesmo tempo estão muito longe. O tempo passa muito devagar", afirmava Jorge Ramírez, um voluntário esperando para entrar nos escombros, com lágrimas nos olhos.

"Fico só tentando ler o rosto dos que saem de lá, com cara de más notícias. Queria entrar nem que fosse para levantar só uma pedra."

Censo

Lourdes Huerta, mãe de uma aluna do Enrique Rebsamén, esperava em frente à City College, uma escola vizinha, para se registrar num censo organizado a pedido do colégio que desabou. "É para saber quem está vivo ou não está", disse à filha Lulu, 10.

"Eu me lembro de tudo que vi. Tudo começou a tremer, as paredes balançavam de um lado para o outro, e a professora mandou todo mundo descer", contou a menina.

"No dia da catástrofe, reunimos todos os alunos aqui", disse o diretor da escola vizinha, Fernando Ramírez, apontando para o pátio do City College. "Não sabemos como está a situação nos escombros, mas agora damos esse apoio, para ajudar a saber quem está desaparecido."

Enquanto isso, outro prédio, a uma quadra da escola, ameaça desabar, causando correria entre policiais e homens da Marinha, que isolaram a construção para evitar que a queda de partes do prédio ferisse ainda mais gente.

Atrás dos cordões de isolamento, voluntários e jornalistas se espremem por notícias. Civis que em grande parte substituíram o Exército nas ações de resgate ainda coordenavam a chegada de remédios, ferramentas, mantas, comida e mais mantimentos.

Em toda a cidade, esses canteiros de obras que se formaram em torno de escombros acabam lembrando uma enorme cirurgia coletiva, em que voluntários gritam pelas ferramentas que precisam.

Numa Cidade do México que virou parque de prédios estrebuchados, plantões de notícias interrompem a toda hora talk shows e novelas com mais histórias de um resgate ainda longe de terminar.


Voltar


Comente sobre essa publicação...