Semana On

Terça-Feira 12.dez.2017

Ano V - Nº 283

Governo agetran

Mato Grosso do Sul

Botulismo matou 1,1 mil cabeças de gado em MS

Silagem de milho provocou intoxicação, apontam testes

Postado em 11 de Agosto de 2017   - Redação Semana On

Exames confirmaram que botulismo foi a causa da morte dos 1100 bovinos em propriedade rural no município de Ribas do Rio Pardo, ocorrida na semana passada. Em nota técnica divulgada na sexta-feira (11), a Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal de Mato Grosso do Sul (Iagro) e a Superintendência Federal de Agricultura em Mato Grosso do Sul (SFA/MS) informam que os animais sofreram infecção alimentar.

Segundo nota técnica dos órgãos, exames das amostras da silagem de milho úmida que era fornecida aos animais demonstraram a presença das toxinas botulínicas tipo C e D, o que confirmou a suspeita inicial do setor de Patologia Veterinária da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS).

A nota aponta que a presença destas toxinas no alimento dos animais, somada à investigação clínico-epidemiológica realizada na propriedade rural, "permite a conclusão do caso com o diagnóstico de botulismo".

Os órgãos ressaltam que o botulismo não é uma doença infecto-contagiosa, mas sim uma intoxicação alimentar. “Clostridium botulinum, bactéria produtora da toxina, está normalmente presente no ambiente e depende de condições favoráveis para o seu desenvolvimento, tais como matéria orgânica, alta umidade e anaerobiose, o que pode ser evitado com boas práticas e cuidados na formulação, conservação e armazenamento dos alimentos a serem fornecidos aos animais”, destaca o texto.

O diretor-presidente da Iagro, Luciano Chiochetta, destacou que desde o início da investigação sobre as mortes a suspeita era de intoxicação por toxina botulínica, em razão dos sintomas que os animais apresentavam quando estavam morrendo como: andar cambaleante e paralisia dos membros posteriores e depois dos inferiores até que ficavam deitados no chão. Depois o quadro se agravava com a paralisia total e parada cardiorrespiratória. Veja no vídeo abaixo:

Ressaltou ainda que os indícios já apontavam para que a contaminação tivesse ocorrido com a ingestão de silagem úmida de milho, que estava embolorada, o que oferecia as condições mais propícias a proliferação da bactéria que causa o botulismo.  “Outro tipo de silagem, a seca também de milho, foi oferecida além do gado a outros animais que não apresentaram sintomas da intoxicação. Além disso, logo que foi suspensa a alimentação dos animais com a ração úmida, as mortes terminaram, mas seguimos monitorando”, explicou.


Voltar


Comente sobre essa publicação...