Semana On

Segunda-Feira 25.set.2017

Ano V - Nº 272

Super Banner na capa e em toda a revista

Auau Miau

Pet precisa de vacina antirrábica e atestado de saúde para viajar

Para viagens internacionais, há necessidade de certificado veterinário internacional

Postado em 05 de Julho de 2017   - Redação Semana On

"Vou sofrer, mas não vou tirá-lo do Brasil por nada." A frase é da bióloga Elaine Françoso, dona do gato Louis, que desapareceu, em setembro, no aeroporto de Guarulhos (SP), ao chegar de um voo de Dallas (EUA).

Em breve, ela deve viajar à Austrália por seis meses, mas não pretende levar nenhum dos seus animais de estimação –além de Louis, encontrado onde ficam os jatos particulares no aeroporto após oito dias, ela tem a gata Kate.

Não se sabe o quanto ocorrências como a de Louis representam no total de animais transportados em aviões. Nem a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária), nem a Abear (Associação Brasileira de das Empresas Aéreas) têm estatísticas sobre o tema.

Mesmo assim, muitos turistas que precisam viajar com seus pets enfrentam, além de taxas e trâmites burocráticos, o medo de levá-los em viagens desse tipo, em função de casos como fuga e morte no porão da aeronave.

Com exceção do cão-guia, que pode viajar com o passageiro gratuitamente, cada empresa define suas regras para o transporte de animais. Não há uma regulamentação padronizada pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

Em voos domésticos, exceto pela Gol, é permitido levar cães e gatos pequenos, na cabine. Em rotas internacionais, e no caso de animais maiores, é preciso ir no porão, como ocorreu com Louis.

Nas viagens nacionais, para levar o bicho, as companhias cobram por trecho uma taxa que se aproxima do valor de uma passagem comum.

As exigências comuns a todos são determinadas pelo Ministério da Agricultura. São obrigatórios atestado de saúde emitido por um veterinário (que tem validade limitada de acordo com a companhia, entre três e 30 dias) e vacina antirrábica em dia.

O ministério também emite o passaporte para trânsito de cães e gatos e o certificado veterinário internacional, para viagens para o exterior. No Brasil, o passaporte pode substituir o atestado de saúde, mas deve ser atualizado. Para obtê-lo, o bicho deve ter um microchip subcutâneo.


Voltar


Comente sobre essa publicação...