Semana On

Quarta-Feira 02.dez.2020

Ano IX - Nº 421

Coluna

O Rastro

O cinema de gênero feito por aqui…

Postado em 24 de Maio de 2017 - Danilo Custódio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Uma das mais badaladas estreias tupiniquins da semana é O Rastro, do pernambucano João Caetano Feyer, que assina artisticamente apenas como J. C. Feyer. O longa apela para o gênero do terror, que possui em nosso país uma vasta quantidade de fãs incondicionais, que buscam semanalmente por conteúdos que assustam ou que provocam sensações de medo nas suas mais variadas formas.

Apelar para um gênero tão popular assim é, obviamente, uma estratégia comercial. E o cinema brasileiro precisa mesmo disso. É necessário que os produtores dos filmes feitos por aqui procurem um encontro com o público. Fazer cinema de gênero é isso, mesmo que esse gênero esteja só na superfície. No caso de O Rastro, o que se descobre em suas entranhas é uma crítica política e social super importante de ser discutida nesse nosso momento atual, com tanta coisa errada vindo a tona acerca de nosso cenário político.

Cinema em Locarno

Estão abertas até 2 de junho as inscrições para o Festival de Cinema de Locarno, na Suíça. O evento, que chega a sua 70ª edição entre os dias 2 e 12 de agosto, recebe inscrições de curtas e longas-metragens de ficção, animação e documentários. Esse é um dos eventos contemplados pelo Programa de Apoio à Participação Brasileira em Festivais, Laboratórios e Workshops Internacionais da ANCINE. Os responsáveis pelos filmes oficialmente convidados para o evento poderão solicitar auxílio financeiro e o envio da cópia ao Programa. Para maiores detalhes, acesse o portal da Ancine.

Os melhores filmes de todos os tempos

Adoro ficar percorrendo a internet atrás de listas com os “melhores” filmes. É assim que geralmente consigo acessar filmes que nunca ouvi falar. E aproveito para compartilhar com vcs uma das listas mais completa que já vi. O autor desta lista vê filmes quase todos os dias. Desbrava produções novas, descobre trabalhos mais antigos e reassiste filmes para ter certeza do porquê que gosta deles. No entanto, existem tantas formas de se eleger um filme favorito, tantos caminhos, tantos critérios, que esse papo de “melhores filmes de todos os tempos” termina se tornando uma grande bobagem. Mas acesse essa lista confira você mesmo.

Cinema brasileiro em Cannes

A especulação imobiliária é praticada livremente no Brasil com o apoio dos governos municipais, estaduais e federal. Prova disso é o episódio que aconteceu no Rio de Janeiro durante as obras estruturais para a Copa do Mundo e para as Olimpíadas, quando muitas famílias foram removidas à força de suas casas por articulação política das empreiteiras. O episódio resultou em muitos filmes de denúncia, como é o caso de Domínio Público (veja acima) por exemplo. A especulação imobiliária brasileira é um tema que ganhou a atenção do mundo depois do filme pernambucano Aquarius, que conquistou seu espaço em Cannes e recebeu muitos aplausos de crítica e público por lá. Dessa vez, outro filme nacional que aborda essa temática é exibido na vitrine francesa. Trata-se de “Vazio do Lado de Fora”, curta metragem do diretor paulista Eduardo Brandão Pinto, rodado como trabalho de conclusão de curso da UFF, o mais importante curso de cinema do país. E que o cinema brasileiro continue assim, crítico no seu tempo e conquistando os espaços mais importantes da cinematografia mundial.


Voltar


Comente sobre essa publicação...