Semana On

Quinta-Feira 21.set.2017

Ano V - Nº 271

AL

Mato Grosso do Sul

Azambuja rebate acusações da JBS e diz que atua com transparência

Governador afirmou que repasse de R$ 10,5 milhões para campanha vieram de forma oficial e foram declarados

Postado em 19 de Maio de 2017   - Redação Semana On

Imprimir Enviar por e-mail

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) respondeu, em nota, as acusações do empresário Wesley Batista, do grupo JBS, segundo as quais o atual Governo sul-mato-grossense estaria envolvido em um esquema de propina para a aprovação de incentivos fiscais a frigoríficos.

Segundo Wesley, em troca de benefícios fiscais, a JBS e outras empresas do ramo frigorífico, repassaram aos últimos três governadores do Estado (Zeca do PT, André Puccinelli, doPMDB) e Azambuja) 20% do valor sobre o qual recebiam isenção no recolhimento de ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Segundo Azambuja, dos cinco termos de acordo de incentivos fiscais com o Estado de Mato Grosso do Sul apresentados pelo empresário para sustentar sua denúncia, apenas um foi assinado na gestão do tucano. “Esclareço que referido termo assinado em minha gestão teve como objeto investimentos para ampliação e geração de novos empregos em diversas unidades frigoríficas em Mato Grosso do Sul, conforme legalmente estabelecido pela política de incentivos estadual”, disse o governador.

Em relação à declaração de Wesley, de que teria pago R$ 10 milhões ao governador, Azambuja informou que o valor exato seria de R$ 10,5 milhões. E explicou que o valor foi repassado para a sua campanha, em 2014, oficialmente, via PSDB nacional, e foram declarados na sua prestação de contas eleitoral.

“Ressalto que a transparência na gestão pública é meu compromisso com o povo sul-mato-grossense, comprovado pela última avaliação da Controladoria Geral da União (CGU) que colocou Mato Grosso do Sul com nota 10 em transparência, sendo o Estado que mais evoluiu nesse quesito em todo o país.”, afirmou o governador.

Azambuja disse ainda que apoio integralmente às investigações, e se colocou à disposição para apresentação de todo e qualquer documento ou esclarecimento que contribua com a elucidação total dos fatos. “Reforço que qualquer outra alegação de fatos ilícitos envolvendo meu nome e a empresa JBS não condiz com a verdade, e será devidamente comprovado”, concluiu.


Voltar


Comente sobre essa publicação...