Semana On

Segunda-Feira 24.jul.2017

Ano V - Nº 264

Bonito

Auau Miau

Contato com cachorros reduz chances de bebês terem alergia

Estudo da Universidade de Alberta, no Canadá, concluiu que casas com pets têm micróbios que protegem de alergia e obesidade

Postado em 02 de Maio de 2017   - Redação Semana On

Imprimir Enviar por e-mail

Para além da companhia e das fofuras que os cachorros proporcionam aos seus donos, estudo da Universidade de Alberta, no Canadá, concluiu que o contato pode dar mais proteção a alergias às crianças no início da vida.

Em avaliação das fezes de bebês que moram em casas com pets, os pesquisadores encontraram níveis elevados de dois tipos de bactérias, Ruminococcus e Oscillospira, associadas, respectivamente, a riscos menores de ter doenças alérgicas e obesidade. Havia o dobro desses micróbios, em comparação com os resultados de bebês de casas sem cachorros.

A equipe de cientistas, ao longo de duas décadas de estudo com amostras de cocô de crianças, chegou à conclusão de que, entre quem cresceu na companhia de cães, as taxas de asma são mais baixas.

A proteção a alergias acontece porque esses microorganismos alteram as bactérias intestinais responsáveis pelo desenvolvimento da imunidade dos pequenos. Para garantir esse efeito, porém, alertam os pesquisadores, a convivência precisa se dar em um período específico da vida: desde o útero até os três primeiros meses fora da barriga. Sim, a convivência da grávida com cães também já produz efeito indireto, descobriu a equipe liderada por Anita Kozyrskyj, epidemiologista pediátrica da universidade canadense.

"Há uma janela crucial de tempo, na qual a imunidade intestinal e os micróbios se desenvolvem simultaneamente, e quando as intervenções no processo resultam em mudanças na imunidade intestinal", diz ela, que não descarta a aplicação do estudo na indústria farmacêutica, com uma espécie de "cachorro em forma de pílula".

"Não é exagero pensar que a indústria farmacêutica poderá tentar criar um suplemento com esses microbiomas, assim como foi feito com probióticos", afirma a pesquisadora.


Voltar


Comente sobre essa publicação...