Semana On

Quinta-Feira 26.nov.2020

Ano IX - Nº 420

Coluna

Os melhores do Ano!

Do 2016 foi politicamente tão ruim que ficou difícil fazer esta lista.

Postado em 23 de Dezembro de 2016 - Liziane Berrocal

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Golpe do Ano: Michel Temer Presidento

Mimimi do Ano: Alcides Bernal. Precisa dizer mais? Acho que um mimimi do século!

Machismo do Ano: Campanha contra o cabelo da Rose Modesto.

Vídeo do ano: Garotinho esperneando na ambulância.

Condução do ano: Malafaia, ah, o Malafaia...

Sem noção do ano: Lulinha, quase beatificado. Menos gente, bem menos!

Enverga mas não quebra: Dilma Roussef, porque né, nem votei na moça, mas vamos combinar que a mulher é firme!

Cara de Paisagem: Reinaldo Azambuja e nem precisa muitas explicações.

Debate: Coronel David sem dúvidas ao dizer para Bernal: "O que eu vou fazer pelo asfalto de Campo Grande? Ah, diferente de você, com certeza"

Simpatia do Ano: O tiozinho do PTN que tem cara do velhinho do UP Altas Aventuras, e que foi candidato a prefeito. Haroldo Figueiró o nome dele.

Gestor do Ano: Ricardo Ayache, sem dúvidas. Inaugurou um tremendo hospital, com puta estrutura e ainda abriu plano de saúde para a galera que puder pagar.

Saída do Ano: Luiza Ribeiro e Carla Stephanini da Câmara Municipal. Muita surpresa.

Mico do Ano: Vereador Roberto Durães. De edredons a cantoria na despedida. Jesus apaga luz!

Boa escolha: Valério Azambuja escolhido por Marquinhos Trad para ser secretário Municipal de Segurança Pública

Epa, isso pode? Juiz David de Oliveira dando explicações sobre sentença na internet! Gente, me colore que eu tô bege!

Escândalo do ano: Omep e Seleta. Muitos sabiam o que rolava, mas quem se atreveria?

"Aqui é meu" do ano: Junior Mochi. Deputado estadual do grupo de Tio Pucci, mesmo com esperneio manteve-se no cargo de presidente da Assembleia Legislativa.

Opa, não sei quem fui do ano: Paulo Correa e os áudios sobre o ponto dos servidores.

Queridinho do ano: Uber, Uber, Uber!

Surpresa do ano: Enfermeira Cida lindinha e Fritz 'me amarrota que eu tô passado' conquistando uma cadeira na Câmara Municipal. Sejam bem-vindos! Cida, aliás, uma das melhores pessoas da Santa Casa de Campo Grande 

Tchau Tchau do ano: Eduardo Cunha! Gente, que foi aquilo?

Pit Bul do ano: Carlos Marun, disparadíssimo!

-

Aleluiaaaa

Sobe o som de "ALELUIA" ou de Glória a Deus ou de "Tchau, Tchau, Tchau amor" porque estamos na última coluna Conta Gotas do ano! Gente, e nem vai ter retrospectiva para ninguém, porque se está ruim para quem ainda não recebeu décimo terceiro da Prefeitura, imagine para quem está fazendo retrospectiva na editoria de política! Toca Beyonce e vem nessa viagem com a gente! Mas toca no I-pod porque se tiver tocando CD no som do carro, a buracaiada não deixa!

Então...

Bernal sai – Glória ao Pai Supremo Eteno – da Prefeitura agora no dia 31 (e Oxalá abençoe para nunca mais voltar nessa vida, nem na próxima, pelo amor de Nossa Senhora das Cidades Bem Geridas). Mas claro, que antes de sair, ele não deixou por menos e fez suas bernalzices. Depois de quatro anos ele não se arrependeu de nada, continuou posando de vítima e claro, acha que vai sair como herói. Ainda bem que o povo percebeu a tempo e deu um jeito de despachar o rapaz da cadeira do Executivo Municipal!

Ainda assim, ele deixa um rastro complicado para Marquinos Trad (PSD) que assume no próximo dia 1º de janeiro. Buracos em toda cidade, contas bloqueadas, problemas com Omep, com Seleta, com Santa Casa, com Hospital do Câncer, com todo mundo, menos comigo, que se ele tem algum problema comigo, problema é dele!

Sem contar a falta de medicamentos básicos no postos, o não cumprimento da Lei 5.411 do piso dos Professores da Rede Municipal de Ensino, que é uma categoria que promete cobrar duro por isso. Vale lembrar ainda um percentual de comprometimento da RCL em índices que deixam qualquer gestor de cabelo em pé!

E mais caos

Ah, tem ainda o pessoal do setor de Cultura, que defendeu Bernal, mas não recebeu. E com isso, também quase perderam os empenhos. E enquanto isso, devemos lembrar os contratos aditivados ao apagar das luzes e nossa, ficaríamos até o ano que vem aqui escrevendo.

A culpa é de quem?

Enquanto isso, Bernal continua sempre culpando o outro. O prefeito que vai virar ex daqui uns dias, age igual disco furado: “é que os criminosos da Coffee Break saquearam os cofres da prefeitura”, esperneia. E essa é a desculpa qualquer que seja o seu problema. Acontece que, ele mesmo mordeu a língua quando apoiou Marquinhos Trad para a Prefeitura no segundo turno, logo, o discurso não cola. Aliás, povo não quer mais saber de discurso e quer buraco tapado, remédio nos postos e órgãos públicos funcionando.

É de chorar...

"É de chorar em posição fetal". Essa é a definição que alguns dão para o estado que Campo Grande. Claro que não dá para culpar só Bernal, mas quem não pode com a mandinga, não carrega o patuá. Os vereadores por vezes foram intransigentes? Sim, foram, mas no geral, depois que a coisa desandou e o cara voltou para o Paço, muita coisa mudou e os vereadores sossegaram.

Tomou?

Mas como nem todo mundo consegue ficar quieto, ele também tomou uma do Carlos Coimbra, diretor do hospital do Câncer. Após falar na imprensa que a culpa do atraso em décimo e que não poderia pagar o décimo dos funcionários seria do "bloqueio de contas pedido na Justiça", que por sinal foi uma solicitação de Coimbra junto a Justiça, ele levou uma. Carlinhos se mostrou indignado. E não aceitou a culpa.

Chororô

A despedida dos vereadores derrotados que saíra, da Câmara Municipal foi quase triste. Nem de todos, porque tem alguns que temos mesmo é que dar graças a Deus que foram embora. No entanto, alguns que saíram vão sim fazer falta. Aliás, esperamos uma legislatura mais tranquila para os próximos quatro anos. Ah se esperamos...


Voltar


Comente sobre essa publicação...